13 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 08h:28 | Atualizado:

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

AL investiga servidores por acúmulo de funções e abandono em MT

Caso sejam considerados culpados, funcionários perderão seus cargos na Assembleia


Especial para o FOLHAMAX

assembleia-al.jpg

 

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso instaurou dois processos administrativos para apurar supostas irregularidades, praticadas por dois servidores da Casa de Leis. Os nomes dos dois funcionários investigados estão sendo mantidos em sigilo pela comissão que julgará os processos. 

O primeiro processo leva em consideração a Lei que proíbe os servidores de exercerem, ao mesmo tempo, o cargo público e funções de de coordenação ou chefia  em empresa privada. A Constituição Estadual aponta que a sanção administrativa deve ser a demissão do funcionário.

O Tribunal de Contas do estado de Mato Grosso apontou tal irregularidade contra o servidor L.J.F.. Foi dado a ele o direito de apresentar certidão que comprovasse a não vinculação com empresa privada, porém nenhum documento foi apresentado à ALMT.

O servidor Luiz Vidal da Fonseca Júnior, que é Procurador Corregedor-Geral da Assembleia Legislativa, será o presidente da comissão investigadora.

O segundo caso a ser apurado pela Assembleia Legislativa é contra suposto abandono de serviço por parte do servidor L. da S. Ele teria deixado de comparecer ao serviço, de forma injustificada, por mais de 30 dias consecutivos.

A abertura de processo disciplinar foi decidida pela corregedora-geral da Assembleia,  Fernanda Lúcia Oliveira de Amorim. Novamente, o procurador-geral da Assembleia, Luiz Vidal da Fonseca Júnior, atuará como presidente da comissão que investiga o caso. 

Caso sejam declarados culpados pelas irregularidades, os dois servidores investigados perderão seus respectivos cargos na Assembleia Legislativa. Ambos terão direito a apresentação de provas em contrário e ampla defesa jurídica.

 



Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Flávio | Terça-Feira, 20 de Fevereiro de 2018, 23h16
    0
    0

    Em Cáceres ha muitos anos tem servidor CEDIDO para a unemat, nao dá aula e ainda vai se aposentar da rede estadual sem ter entrado em sala de aula.Tem Deputado que suplentemente protege o geógrafo....

  • José Carlos | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 15h30
    1
    0

    Reflitam: se quiserem comprovar verifiquem FIPLAM. TÁ lá o nome dos "beneficiados" de toda forma APESAR de CEDIDO da SEDUC pra UNEMAT mas em DESVIO DE FINALIDADE HÁ MUITOS ANOS.

  • José Carlos | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 12h53
    2
    0

    REFLITAM: tem SERVIDOR SEDUC, professor, Ñ entra em sala de aula, ocupa vaga gera contrato interino aproximadamente 10 anos, cedido unemat, lá também Ñ dá aulas, fica encostado, recebendo ao mesmo tempo da UAB, PARCELADAS acumulando diárias com as remunerações uab e parcelada. Parece que para "disfarsar" pensa-se que a seduc em 2 anos APENAS, deixou de PUBLICAR o subsídio. Já foi objeto de AJUSTE DE CONDUTA massssss continya protegido poissss ... tem função importante...

  • pequiroido | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 09h01
    13
    1

    Vejam : tem um servidor com acúmulo ilegal CONSTATADO desde 2015 ! Por q será q continua nos dois cargos? Sei não! Com a palavra a SEDUC e a PJC!

  • pequiroido | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 09h00
    11
    1

    Vejam : tem um servidor com acúmulo ilegal CONSTATADO desde 2015 ! Por q será q continua nos dois cargos? Sei não! Com a palavra a SEDUC e a PJC! NILTON CESAR ALMEIDA CARDOSO!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS