03 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h:09 | Atualizado:

EXPLOSÃO DA FOLHA

Em apenas 3 anos, gasto com salários sobe R$ 2,3 bilhões em Mato Grosso

Estado alega que acordos firmados na gestão passada começaram a ser honrados a partir de 2015

paiaguasssss.jpg

 

Um levantamento do Governo de Mato Grosso aponta que os gastos com os servidores públicos estaduais subiu R$ 2,3 bilhões durante a gestão do governador Pedro Taques (PSDB), que assumiu o Executivo em janeiro de 2015. Ao todo, o Estado gastou R$ 7,7 bilhões com a folha de pagamento do funcionalismo em 2017, ao passo que, no último ano da administração Silval Barbosa (sem partido), em 2014, esse valor foi de R$ 5,4 bilhões.

O aumento dos gastos com salários, em apenas três anos, é de 42%. A situação vem sendo utilizada pelo poder público para a adoção de “medidas de austeridade”.

O secretário de Estado de Fazenda (Sefaz-MT), Rogério Gallo, comparou a situação financeira de Mato Grosso com Portugal – país que, ironicamente, de acordo com reportagem da revista The Economist, só vem conseguindo superar a crise financeira após deixar de tomar medidas de austeridade.

De acordo com Gallo, é preciso melhorar o fluxo de caixa, do contrário, a administração entrará em “colapso”. “Se não melhorarmos o fluxo de caixa no curto prazo, o Estado tende a entrar em colapso financeiro. A folha em 2014 fechou em R$ 5,4 bilhões, no ano. Em 2017, sem aumentos salariais, fechou em R$ 7,7 bilhões, um aumento de R$ 2,3 bilhões. Não adianta você ter um direito, e o estado não ter condição de bancá-lo. Aí acontece o que aconteceu na Grécia e em Portugal, e aconteceu em três estados brasileiros. Em 2013 e 2014 foram aprovadas leis sem o menor estudo de impacto orçamentário. Algumas delas estão sendo questionadas no Supremo Tribunal Federal e no Tribunal de Justiça de Mato Grosso”, disse o secretário em entrevista a Rádio Capital na última semana.

O Poder Executivo afirma que o aumento dos gastos na folha – que segundo o governador Pedro Taques vem “obrigando” a administração a tomar medidas de austeridade , como a aprovação da Lei do Teto de Gastos em 2017 -, é fruto de acordos realizados na gestão Silval Barbosa que beneficiaram os servidores públicos estaduais. Na atual gestão, não foi concedido aumento real a nenhuma categoria, sendo pagos apenas as reposições inflacionárias (RGA) e os acordos feitos no passado.

O Poder Executivo cita que os delegados da Polícia Judiciária Civil (PJC), por exemplo, ingressam na carreira com salário de R$ 22 mil – diferente do verificado no Estado de São Paulo, onde esse valor cai para R$ 12 mil. Já um fiscal do Procon, em Mato Grosso, possui subsídio de R$ 18 mil. No Estado Paulista este profissional tem vencimentos de R$ 8 mil.

SALÁRIOS

A falta de recursos preocupa não só o Governo, mas os próprios servidores. Isso porque, a folha de janeiro do funcionalismo foi fechada com 4 faixas de escalonamento, caso não tenha disponível os recursos para pagamento de toda folha salarial no dia 10 de fevereiro.  

As faixas salariais foram definidas da seguinte maneira: quem ganha até R$ 4 mil; quem ganha entre R$ 4 e R$ 6 mil; quem ganha entre R$ 6 e R$ 10 mil e quem ganha acima de R$ 10 mil.

Postar um novo comentário

Comentários (39)

  • João indignado | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 19h24
    1
    1

    Cadê as medidas de economia do governo de transformação? É fácil culpar o governador passado e continuar dando previlégios para algumas carreiras do executivo Estadual. Sem falar que o governador não tem coragem de aplicar no estado o q manda a CF sobre o teto máximo ao funcionalismo igual ao do do governador no âmbito Estudual, Gestor governamental, Delagado, Fiscal de tributos, Auditores, e outras carreiras todas ganham mais que o governador. Se é pra economizar vamos começar por aí e acabar com os cargos comissionados.

  • Joilson | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 18h55
    1
    0

    não é só aumento salarial e RGA, um numero grande de servidores ingressaram no Estado, principalmente policiais, se não tinha dinheiro porque contratou??? e este tanto de concurso que estão sendo feitos...

  • Robertio Benedito | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 18h54
    2
    0

    O curioso é que um dos primeiros atos de gestão do Governo atual foi o de SUSPENDER todos os atos da Gestão passada que foram sancionadas num período de 180 dias que antecedeu o fim do seu mandado. Tal ação de justificou para que pudesse estudar os atos e analisar se havia vícios neles. Nesse período, a LRF PROÍBE concessão de benefícios ou aumentos que não estejam já incluídos no Orçamento. Algumas carreiras foram beneficiadas dentro desse período com criação de "Verbas Indenizatória", mas como se tratam de carreiras do alto escalão do Governo, ele fechou os olhos e cumpriu a Lei viciada sem pestanejar. Outra situação em relação a esses aumentos salariais mencionado pelo Governador e que vira e mexe ele justifica a crise atual é que ele próprio disse que iria levantar um estudo junto à Procuradoria Geral do Estado para analisar quais foram as carreiras que obtiveram aumento salarial sem o devido processo orçamentário (Estudo de Impacto Financeiro e aprovação junto às Pastas competentes - SAD, SEFAZ, SEPLAN, CASA CIVIL e PGE) para posterior ingresso no Poder Judiciário para derrubá-las. ONDE FICOU ESSE ESTUDO?! Quando viu que tinham carreiras "fortes" no meio e que se caíssem, não apoiariam seu Governo, a PROMETIDA AÇÃO sofreu RECUO!! É mais fácil criticar o funcionalismo e falar de modo geral (como se todos os servidores recebessem acima de 15 mil reais por mês) para ganhar o apoio da Sociedade do que tomar as ações corretivas competentes! Isso sem falar nos incentivos e renúncias fiscais, que na era do Silval, conclui a Gestão com 1,2 bilhões de reais e, ATUALMENTE, está em mais de 3,2 bilhões de reais. Benefícios e Renúncias essas que são concedidos sem NENHUM CRITÉRIO ECONÔMICO, mas tão SOMENTE, POLÍTICO. Tanto é que a nati-morta CPI DA RENÚNCIA FISCAL, proposta pela Deputada Janaína Riva, sequer foi pra frente!! Mais transparência e verdade! A POPULAÇÃO MATOGROSSENSE MERECE ESSE RESPEITO!!

  • verdadeiro | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 18h09
    1
    0

    Digno um salario justo para os Professores! mas o que adianta os professores ter um bom salario, chegando ao trabalho, alunos sem cadeiras, sem merendas, escolas precisando de reformas. o que adianta um Delegado ganhar 22 mil INICIAL, e andar com colete balístico vencido, armas disparando sozinho, colocando a vida deles próprios em risco. O estado vai quebrar com esses super salários!!! só leigo que não enxerga

  • alexandre | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h57
    14
    2

    Isenção fiscal para o agronegócio acumulado em 50 bilhoes de reais, só em Mato Grosso...

  • Renata | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h54
    16
    3

    "isenção fiscal do agronegocio é de 4,9 bilhoes, isenção do PRODEIC é de 3,5 bilhoes, o fex devolver 500 milhoes os 4,5 bilhoes é prejuizo para o contribuinte de Mato Grosso..aumento de repasses para os Poderes de 88%. MS e GO cobram ICMS dos produtores..." boa Alexandre

  • ivo | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h53
    13
    2

    Paula, Um Gestor Governamental ganha 20mil para fazer o mesmo trabalho de um ANALISTA com um salário de 6mil. E AINDA GANHA VI

  • Servidor | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h43
    23
    4

    Todos os servidores gastam seus salários na economia do estado. Quanto mais o servidor tiver um bom salário melhor para a economia. Salário é pago com dinheiro público. Para de reclamar de servidores. Cadê a valorização do servidor?

  • José | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h38
    21
    1

    Esse Governo não quer pagar. Todo final e agora início de mês começa a botar a culpa em alguém. Será que esquecem que já estão a 03 anos no comando do Estado? Não esquece o Governo passado? Não deu tempo de planejar alguma coisa para o futuro? Sempre a mesmo ladainha: a Culpa é do Silva e dos servidores. Daqui a pouco vão dizer que foram os servidores que roubaram o Estado e os servidores é que são culpados da incompetência dos gestores.

  • Valteir | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 16h06
    22
    2

    Sabe o que é engraçado?! Não se tem claro os motivos que fizeram com que os funcionários ficassem tanto tempo sem receber/rever suas bases salariais. Aliás, ataca-se tanto os servidores e ninguém fala de melhorar/otimizar a arrecadação e/ou a diminuir tanta desoneração de setores produtivos importantes, como a soja, por ex. Parece que querem que os servidores trabalhem de graça, sem olvidar a qualidade técnica que muitos deles ostentam, muito diversa, aliás, da iniciativa privada, na maioria dos casos. Tem servidor ruim; tem. Para corrigir isso, deveria ter uma melhor cobrança na avaliação de tais de modo a se retirar do serviço público aqueles que não merecem tal incumbência. Não dá para ficar massacrando os servidores como se eles não fizessem jus ao que produzem.

  • Jair | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h57
    16
    0

    A receita cresceu entre 2014 a 2017 em mais de 6 (seis) bilhões, a renuncia fiscal cresceu em mais de 2 (dois) bilhões; temos que ser justo, tem que falar também do crescimento da renuncia fiscal.

  • Jair | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h53
    17
    1

    A receita cresceu mais de 6 (seis) bilhões, a renuncia fiscal cresceu mais de 2 (dois) bilhões, e nisso a imprensa fica calada, será qual o motivo. Uma pergunta que não se cala.

  • Maristela | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h47
    14
    1

    E vai aumentar mais os gastos pq inacreditávelmente o governador me inventa de fazer mais concursos. Que coisa doida ein

  • Paula | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h45
    9
    3

    Um Gestor Governamental ganha 20mil...pode isso?? Afinal, o que faz um Gestor Governamental para ganhar 20mil??

  • Verdade | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h43
    14
    0

    Governador incompetente, esquecem de falar, entre outros que o repassado ao Ministério Público e ao Judiciário são valores para custear os milhões de penduricalhos quem sugam o dinheiro do contribuinte: auxílio moradia, auxílio paletó, auxílio biblioteca, entre outros. Esqueceu também acerca da carreira de procuradores do estado, onde está vinculado diretamente ao orçamento do executivo, e este também contam com gordas Verbas Indenizatórias.

  • ivo | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h40
    9
    3

    "isenção fiscal do agronegocio é de 4,9 bilhoes, isenção do PRODEIC é de 3,5 bilhoes, o fex devolver 500 milhoes os 4,5 bilhoes é prejuizo para o contribuinte de Mato Grosso..aumento de repasses para os Poderes de 88%. MS e GO cobram ICMS dos produtores..." boa Alexandre

  • Ana | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h38
    11
    0

    Esse Site deveria fazer um levantamento dos contratos de pessoal nos órgãos do Estado, so na Seduc, tem mais de 1000, so no Órgão Central, existe pessoas contratadas com salário de 5100,00, para atender público fora os da Escola que existe um monte contratos para uns projetos que não está levando a educação a nada. O Ministério Público o Tribunal de Contas deveria fazer uma auditoria nesses contratos.

  • Dayse | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h33
    9
    2

    Taxa o Agronegocio Incompetentes

  • Marcos | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h31
    6
    0

    Cadê meu comentário ??? Engoliram ou ficaram com medo de publicar!?

  • P.R | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h25
    19
    1

    Governo tem memória fraca e descompromissada com a verdade ..... esse gasto extrapolou a partir de 05//2015 quando sr ] taxis colocou na folha de um pancada só 5500 policiais recém aprovados em concurso ...e não parou mais .....4500 contratados na SEDUC aumentou o numero de comissionados em 2500 resumo,.... o atual governo incorporou à folha de pagamento 12000 novos servidores de maneira imprudente e irresponsável

  • rafael junior | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h13
    10
    2

    Esse governo aumentou salarios e Veeba Indenizatoria ano passado das carreiras da sefaz, Indea e mais alguns previlegiados... Tai o grande erro....previlegiou quem ganha mais...o custo e muito maior...ao inves de corrigir salarios de todos quiz agradat a casta....tomou na tarraqueta...sera que esse aumento o governo vai questionar na justiça???

  • Antonio Figueiredo | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h08
    12
    1

    Lembrando que a arrecadação cresceu mais de 7 bilhões no mesmo período

  • saraiva | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h05
    9
    0

    Talvez o grande problema esteja no EXCESSO de contratados e comissionados com altos salários de apaniguados político. É só reduzir pela metade as secretarias e os cargos em comissão/direção.

  • Rafael | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h02
    57
    0

    O Secretário esqueceu de dizer que a carreira dele (Procuradores do Estado) já entra com salários de R$ 24.818,92 que passam dos 30mil com indenizações e penduricalhos.

  • Jr | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h57
    10
    1

    Matéria comprada. Jornaleco só esqueceu de comentar que a arrecadação do estado em 2014 era de 13 BILHÕES e hoje são de 20 BILHÕES. Aumentou 7 Bilhões na arrecadação. Outra, se está faltando dinheiro, pq o governo está dando isenção atrás de isenção de impostos para o agronegócio? Outra, Pedro Taques diz que vai soltar concurso com mais de 2 mil vagas para segurança pública. Não estou entendendo, não está com dificuldade de pagar os trabalhadores, como vai soltar mais concursos? Eles acham que a população são um bando de burros. Essa bagunça no estado é a má administração de um governo que só favorece os barões do agronegócio. População tem que aprender a não votar mais em rico. Rico governa para rico e só pra eles.

  • Servidor | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h55
    60
    0

    Folhamax, por que não faz uma matéria da evolução dos gastos com mídia/propaganda desde o final do governo Silval até neste exato momento???

  • Contribuinte | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h52
    7
    58

    Vivemos pra pagar servidores, efetivos e comissionados....

  • Marcos | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h47
    10
    0

    Vocês não tem mais nada pra escrever (redação)..?? Parem com essa ladainha, cambada de lambe lambe... Pública esse comentário...Duvido!!! Frouxos

  • Ygor | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h47
    9
    42

    Assim nao tem arrecadação que aguente mesmo. A questão não é taxar mais e sim demitir mais. Sao 3 funcionarios para fazer o serviço de um.

  • Professora | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h46
    26
    1

    Quem pariu Mateus que o balance

  • alexandre | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h45
    43
    1

    isenção fiscal do agronegocio é de 4,9 bilhoes, isenção do PRODEIC é de 3,5 bilhoes, o fex devolver 500 milhoes os 4,5 bilhoes é prejuizo para o contribuinte de Mato Grosso..aumento de repasses para os Poderes de 88%. MS e GO cobram ICMS dos produtores...

  • Araguaia | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h42
    44
    1

    Chegando data de pagamento esse governo incompetênte com o mesmo discurso. Ainda bem que esse desgoverno está com os contados. Vai levar ferro nas urnas.

  • dito | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h41
    45
    1

    É so chegar no final do mês que começa essa putaria.

  • saraiva | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h38
    51
    0

    Qual o número de contratados e comissionados na base da politicagem com altos salários ?

  • Antônio | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h37
    33
    2

    Isso mesmo, com as mordomias do judiciário, poder legislativo (os do paletó), TCU juntos com a péssima gestão a tendência é piorar....

  • EDSON CARLOS | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h36
    21
    0

    Tem que parar de fazer comparação e partir para FAZERSEÇAÕ.

  • Luis | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h33
    9
    0

    Chega perto da data, começam essas materias compradas. Austeridade também é economizar com gastos com publicidade.

  • Leandro Lima | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h31
    50
    2

    Mais uma vês o governo que jogar a culpa em cima do servidor público, o que o governo não fala é que no primeiro ano de mandato em 2015 o orçamento do Estado era de 13,6 Bilhões e pra este ano 2018 é de 20,3 Bilhões, ou seja a arrecadação do Estado cresceu acima do aumento que algumas carreiras do servidores tiveram, enquanto o governo diz que em sua gestão a folha cresceu 2,3 Bilhões ele não fala que a receita do Estado nesse mesmo período cresceu 6,7 Bilhões. Onde que está a crise mesmo?

  • Valdiley | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 14h27
    47
    0

    Engraçado esse governo, só fala em desgraça em relação à situação financeira do Estado, não entendo o porque de querer de todas as formas ser reeleito. e parece q a mídia comprou a idéia, não existe outro assunto a não ser situação do estado. O q mais me revolta é saber q por trás de tudo isso existe muitos interesses escusos, nojento, onde está escondido os verdadeiros culpados do suposto caus financeiro, e pergunto mais onde esta aqueles q apoiaram a vinda da copa para o Brasil, como diziam Romário o número de bilionário no País iria aumentar em detrimento da desgraça da população.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS