21 de Setembro de 2019,

Política

A | A

Segunda-Feira, 10 de Junho de 2019, 15h:20 | Atualizado:

A SERVIÇO DO CAPITÃO

Ex-deputado de MT é exonerado por Bolsonaro, mas garante que voltará ao Governo

Victório Galli explicou que sua missão era articular a aprovação da Reforma da Previdência, o que "foi cumprido"


Da Redação

galli-bolsonaros.jpg

 

Exonerado “a pedido” do governo de Jair Bolsonaro (PSL) nesta segunda-feira (10), o ex-deputado federal e pastor da Igreja Assembleia de Deus, Victorio Galli (PSL), garante ao FOLHAMAX que sua retirada da assessoria especial da presidência na Câmara dos Deputados, além de amigável, foi meramente “estratégica”. O objetivo de seus cinco meses nos bastidores do parlamento seria apenas para garantir a aprovação da Reforma da Previdência, missão dada diretamente pelo próprio presidente.

“E missão dada é missão cumprida. Fomos remanejados pra outra função; não vou sair do governo, não”, disse, por telefone.

Assim, não teria relação alguma seu desligamento com a recente condenação ao pagamento de uma indenização na ordem de R$ 100 mil, a título de indenização por danos morais e coletivos a associações de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e transgêneros (LGBT) por uma série de comentários nem um pouco elogiosos a respeito da sexualidade de personagens da Walt Disney Company, como o Mickey Mouse e o Rei Leão Simba. “Minha missão foi concluída em relação à Reforma da Previdência. Agora, vamos pegar outra missão. Somos soldados de Bolsonaro, ele é nosso capitão”, repetiu.

Nomeado desde janeiro, Galli ganhava R$ 16 mil e ficou cinco meses no cargo. Ele seria a ponte entre a Casa Civil, o presidente e a Câmara dos Deputados. Como a reportagem insistiu em qual front estaria localizada sua nova atuação, o ex-deputado federal proferiu outra de suas frases de efeito e não quis nem mesmo adiantar se seria nas proximidades da guarita do Palácio do Planalto.

“Soldados têm que estar prontos e em condições [de guerra]. Nosso capitão-presidente nos deu essa missão. Missão dada, missão cumprida, agora vamos aguardando nova missão”, desconversou.

O ato de exoneração número 1.863 não dá pista alguma também: “Exonerar, a pedido, Victório Galli Filho do cargo de Assessor Especial da Presidência da República da Secretaria Especial para a Câmara dos Deputados da Casa Civil da Presidência da República, código DAS 102.6”, é a íntegra do documento.

 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • FIDEDIGNO | Segunda-Feira, 10 de Junho de 2019, 17h59
    0
    0

    continua falando que o mickey mouse é gay r fazendo videos ridiculos que voce vai ver se fica em algum cargo.

  • Ggm | Segunda-Feira, 10 de Junho de 2019, 15h36
    6
    1

    Não quer largar a mamadeira, aproveite por que já vai mudar esse governo relâmpago.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS