09 de Dezembro de 2019,

Política

A | A

Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 09h:25 | Atualizado:

ATRAPALHO DA GRAMPOLÂNDIA

Ex-secretário passa a "jogar futebol" para tentar cooptar delegado em MT

Rafael Scatolon, que fazia parte da força-tarefa da Grampolândia, deixou de frequentar jogos após presença de Rogers Jarbas


Da Redação

rogers-scatolon.jpg

 

A delegada Ana Cristina Feldner, que integra a força-tarefa criada para investigar a Grampolândia Pantaneira, contou que o ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, também tentou cooptar o delegado Rafael Scatolon na época em que ele integrava o mesmo grupo designado pela direção da PJC (Polícia Judiciária Civil) para apurar o esquema de operação de grampos ilegais no Estado. A informação consta no pedido de prisão preventiva contra Jarbas.

“Verifica-se inicialmente que há notícias (inclusive veiculadas na imprensa) de que o delegado seria próximo de Gustavo Garcia, o qual faz o primeiro contato visando o recrutamento. Vale ressaltar que, em conversa com o delegado Rafael Scatolon, o mesmo informou que após começar a jogar futebol na Amdepol [Associação Mato-grossense de Delegados de Polícia], o suspeito Rogers Jarbas também começou a frequentar, tendo então Rafael parado de frequentar os jogos”, consta em trecho do pedido.

O juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, negou o pedido de prisão, mas determinou que o ex-secretário de Segurança Pública fosse submetido ao uso de tornozeleira eletrônica.

Um outro ato de intimidação teria se dado contra as delegadas que coordenam os trabalhos — Janira Laranjeira completa a dupla — e acontecido em maio deste ano, quando Rogers Jarbas entregou a um veículo um documento onde atacava a vida íntima de Ana Cristina Feldner dias depois de a PJC anunciar o nome dela como integrante da força tarefa. “Um site local publica uma matéria na qual Rogers ataca a reputação da delegada Ana Cristina Feldner, enquanto mulher, insinuando sobre supostos fatos íntimos e privados. Curioso é que o site nos forneceu cópia de todo material entregue e o mesmo encontra-se assinado apenas por Rogers, sem conter assinatura de algum advogado e com data de 2017”, escreveram no pedido de prisão preventiva entregue ao juízo da Sétima Vara Criminal.

O mesmo documento também fala de outros diversos atos de Rogers Jarbas cometidos só para conseguir atrapalhar as investigações do caso, levando à abertura de seis inquéritos contra o ex-secretário. “Ocorre que, em recente notícia publicada na imprensa, Rafael foi fotografado em situação descontraída com Rogers Jarbas. Sabemos que a foto ocorreu após o afastamento de Scatolon das investigações, porém sua importância para a organização criminosa ainda é grande, pois o mesmo teve acesso a todas as provas colhidas, bem como as estratégias para investigação”, consta em trecho desse pedido.

"Este comportamento de tumultuar e retardar as investigações já havia sido detectado como o modo de agir da organização criminosa desde 2017, inclusive resultou na instauração de mais de seis inquéritos policiais, todos denominados como inquéritos filhos, instaurados para apurar as tentativas de obstrução".

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • bernardes | Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 11h23
    5
    0

    Mete esse fdp na cadeia que ele sossega uai. Esse bosta, ta se achando. Avisa ele que o finado Pedro TAQUES ja ta enterrado. Dois cretinos.

  • José | Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 10h19
    10
    3

    Parabéns as delegadas pelo trabalho que estão fazendo só não podemos dar os parabéns para o juiz que pune com uma tornozeleira eletrônica um delinquente de Alta periculosidade?

  • andre | Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 10h01
    7
    2

    Ele é MAÇOM, mais um câncer nesse país.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS