08 de Dezembro de 2019,

Política

A | A

Sexta-Feira, 16 de Agosto de 2019, 00h:12 | Atualizado:

UTI DA SANTA CASA

Hospital denuncia fraude em contrato de R$ 3,5 milhões com empresa de GO

No entanto, TCE manteve execução de serviços contratado por dispensa de licitação


Da Redação

santacasa.jpg

 

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) rejeitou um pedido de suspensão cautelar do processo de reabertura do Hospital Estadual Santa Casa de Cuiabá por possíveis irregularidades na dispensa de licitação que deu ensejo à retomada dos atendimentos. O Instituto de Saúde Santa Rosa formulou a denúncia, com pedido de medida cautelar, contra a Secretaria de Estado de Saúde (SES) de Mato Grosso e seu titular, Gilberto Figueiredo.

Segundo o Santa Rosa, haveria irregularidades no processo para contratação emergencial da empresa para prestação de serviços de gerenciamento técnico, administrativo, fornecimento de recursos humanos, recursos materiais, equipamentos, insumos e outros necessários para o funcionamento da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa. No entendimento do denunciante, o Processo Administrativo foi vencido pela Organização Goiana de Terapia Intensiva Ltda "somente porque apresentou proposta de preço assinada por quem não era seu representante constituído para tal ato, depois juntou um balanço contábil sem a devida autenticação e, por fim, uma certidão negativa de falência obtida em comarca diversa daquela em que está situada sua sede".

O responsável pela Organização Goiana sustentou que a proposta a que se refere a concorrente foi apresentada somente na fase interna do procedimento, durante a cotação do preço, mas a proposta considerada para o certame foi outra, lançada já no Sistema Integrado de Aquisições Governamentais (SIAG), no momento da disputa. A relatora da matéria, conselheira interina Jaqueline Jacobsen, então enviou a papelada para análise da área técnica da corte de contas, que apresentou relatório técnico complementar pontuando que o Santa Rosa não juntou nos autos provas de sua alegação.

Também deixou claro que não existe obrigatoriedade de que a proposta de preço seja assinada pelo sócio representante da empresa e que a responsável pela assinatura da proposta de preço na fase interna do certame, Denise de Freitas, possuía sim legitimidade, porque consta como secretária no contrato social da licitante. Destacou ainda que os procedimentos licitatórios são regidos pelo princípio do formalismo moderado e que omissões ou irregularidades na documentação ou na proposta, quando irrelevantes e ou não causem prejuízos à administração ou aos concorrentes, devem ser sanadas com diligências feitas pela própria administração.

“Sobre essa alegação feita pela representante, assinalo que, em consulta ao site do Governo do Estado de Mato Grosso, verifiquei que os fornecedores interessados em participar nos processos de licitação e de dispensa de licitações devem cadastrar-se no Sistema Integrado de Aquisições Governamentais do Estado de Mato Grosso, e, por via de consequência, cadastrar seus representantes legalmente constituídos. Ao realizar o cadastro de seus representantes, a empresa lhes confere os poderes necessários para que realizem atos em seu nome”, escreveu a interina.

Ela ensinou que a proposta da Organização Goiana foi vencedora somente após lançar a proposta no SIAG da mesma maneira como fizeram todas as outras participantes. Logo, é mais do que possível inferir e presumir que essa entrada foi realizada por um representante, legalmente constituído, inclusive porque acessou o SIAG utilizando um login e uma senha. “Impetrado pelo Instituto de Saúde Santa Rosa. Posto isso, indefiro o pedido de suspensão cautelar do Processo Administrativo”, explicou a relatora sobre o contrato de R$ 3,5 milhões com dispensa de licitação.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • luis | Sexta-Feira, 16 de Agosto de 2019, 11h25
    1
    0

    Manda investigar os atuais Gestores da Secretaria Estadual de Saúde. Mto dinheiro foi desviado para interesses particulares e para Caixa 2 de campanha. Todo mundo sabe quem tá levando... Vamos parar de hipocrisia. A administração do Ruark está toda na Gestão de momento da SES.

  • Pacufrito | Sexta-Feira, 16 de Agosto de 2019, 07h06
    5
    0

    Olhem só a pilantragem correndo solta, de quem é o hospital Santa Rosa?? de quem????? da família do conselheiro Maluf, é uma piada, será que ele mesmo vai julgar a ação????? É UMA BRINCADEIRA COM A SOCIEDADE.

  • Daniel | Sexta-Feira, 16 de Agosto de 2019, 01h30
    3
    0

    Tem muito rabo prezo nessa história que desde o principio foi verificado vários desvios do atual gestor o Sr. Carlos Preza, sua esoosa Telma familiares e outros com expressivos valores a toque de caixa. Agora essa de empresa de Goiania. Como se qualquer um daqui ou de outro local- menos provável- são os verdadwiros donos da tal empresa em nome de laranja. Modalidade mais que manjada já .. Primeiro que as primeiras constatações de embolsamento destes Prezas já era mais do que na hora de prendê-los. Eles criaram uma quadrilha que não desviou pouco. Agora essa da tal empresa. Vamos ver em qual ano a Justiç@ agirá. Porque quando convém todos sabemos a letargia e embromação que é. Vamos acompanhar mais um descaso com o dinheiro público.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS