10 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quinta-Feira, 22 de Fevereiro de 2018, 08h:26 | Atualizado:

ACUSAÇÃO LEVIANA

Inocentado, juiz de Cuiabá move ação criminal contra advogado

Na esfera cível, o advogado foi condenado a pagar R$ 60 mil por danos morais


Da Redação

justica-toga.jpg

 

O juiz Mário Roberto Kono de Oliveira, do Juizado Especial Criminal Unificado, marcou para esta sexta-feira uma audiência preliminar entre o também juiz Yale Sabo Mendes e o advogado Félix Marques da Silva. O caso é relativo a uma acusação de Felix, que teria afirmado que o magistrado pratica "extorsão judicial e prevaricação".

O caso já foi julgado, em primeira instância, na esfera cível, quando tramitou na Terceira Vara Cível de Cuiabá. Agora o magistrado acionou o advogado na esfera criminal

A primeira audiência será amanhã, às 14h00, no Juizado Especial Criminal Unificado, no Centro de Cuiabá. Sabo Mendes era o responsável por uma ação reivindicatória proposta pelo advogado em relação a uma cliente.

O processo, que tramitava na Sétima Vara Cível, acabou resultando no bloqueio de alguns imóveis da contratante de Felix. Com isso, o advogado entrou com um Pedido de Providências e Reclamação Disciplinar perante a Corregedoria Geral de Justiça de Mato Grosso e Reclamação Disciplinar perante o Conselho Nacional de Justiça. Os dois orgãos de investigação inocentaram o magistrado, por unanimidade, de qualquer conduta errada.

Sabo Mendes alegou que suas decisões provocaram uma “ânsia revanchista e violenta”. Entre os termos utilizados nos processos administrativos, estão expressões como “extorsão judicial”, “prevaricação” e “negligência e prevaricação”.

Na esfera cível, o juiz Luiz Octávio Ribeiro condenou o advogado e a cliente dele a indenizarem o magistrado em R$ 60 mil pelos danos morais sofridos. Félix recorre da decisão em instâncias superiores.



Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Raimundo | Quinta-Feira, 22 de Fevereiro de 2018, 08h47
    13
    0

    Se o autor da ação fosse um simples mortal a indenização não passaria de 3 mil reais. Talvez o julgador diria que foi um mero aborrecimento, coisas cotidianas da vida.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS