03 de Julho de 2020,

Política

A | A

Terça-Feira, 02 de Junho de 2020, 23h:45 | Atualizado:

AGRESSÃO E POLÍTICA

Instituto se oferece para defender esposa contra presidente da OAB-MT

Iamat é liderada por Fábio Capilé e Claudia Aquino preside a Comissão da Mulher, ambos foram derrotados por Léo em 2015


Da Redação

Gilberto Leite

leonardo campos

 

O Instituto dos Advogados Mato-grossenses (Iamat) publicou uma nota de repúdio contra a suposta agressão sofrida pela advogada Luciana Póvoas, esposa do presidente licenciado da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Mato Grosso (OAB-MT), Leonardo Campos. O instituto é presidido por Fábio Capilé e tem como presidente da Comissão da Mulher Cláudia Aquino; ambos são adversários históricos de "Léo Capataz" e foram derrotados em 2015 na disputa pelo comando da Ordem.

O texto lamenta o episódio ocorrido no último dia 27 de maio, quando Luciana Póvoas acionou a polícia para prender o marido. Leonardo Campos permaneceu preso até o início da manhã de quinta-feira (28).

Ele foi liberado pela Justiça após ser proibido de se aproximar da esposa. “A Diretoria do Instituto dos Advogados Mato-grossenses-IAMAT e sua Comissão do Direito da Mulher, diante dos fatos noticiados pela imprensa e pelas redes sociais, de violência doméstica, envolvendo a advogada Luciana Póvoas Lemos e o seu marido, advogado Leonardo Pio da Silva Campos, vem a público, declarar o seu repúdio a qualquer forma de violência contra as mulheres e indignação frente às constantes práticas de violência contra as mulheres brasileiras, com índices alarmantes e que só crescem a cada dia”, diz trecho da nota.

Em sua manifestação, o Instituto também revela que já se colocou à disposição de Luciana Póvoas não apenas para acompanhar o inquérito, mas também “garantir a defesa da mulher e seus direitos”. “O IAMAT, no exercício de sua função institucional pela defesa da cidadania, legalidade, cumprimento do seu dever legal e de acordo com o seu Estatuto informa que, por intermédio da Comissão do Direito da Mulher/IAMAT, já se colocou à disposição da advogada Luciana Póvoas Lemos para acompanhar o inquérito, assegurar que os fatos sejam apurados com total imparcialidade, e ainda, garantir a defesa da mulher e seus direitos”, garante o Instituto.

O CASO

Leonardo Campos, também conhecido como “Leo Capataz”, foi preso na madrugada da última quinta-feira após a suspeita de ter agredido a esposa, Luciana Póvoas, numa discussão que teve início na noite da última quarta-feira (27). Pouco depois ele foi liberado.

Em nota, Leonardo Campos explicou que ele próprio solicitou ao juiz que determinasse seu afastamento da esposa e do filho como medida protetiva e pediu “respeito” em razão do momento familiar delicado. Ele nega ter agredido fisicamente a companheira. Sua esposa, no entanto, contou uma versão diferente à Polícia Judiciária Civil (PJC).

Luciana Póvoas revelou que mesmo residindo na mesma casa, ambos estão divorciados em razão das agressões físicas e psicológicas constantes por parte de Leo Capataz. Ela conta ainda que temeu por sua vida pois o advogado possui uma arma de fogo e confidencia que as agressões foram superadas para manter o “padrão de vida do filho”.

A advogada diz ainda que se cansou de usar roupas largas para esconder as marcas das agressões, e que se sentiu “escrava” e “submissa” ao marido. Já a nota de repúdio do Iamat é assinada pela presidente da Comissão do Direito da Mulher do Instituto, Cláudia Aquino de Oliveira, além do presidente Fábio Capilé. Ambos já foram adversários de Leo Capataz na disputa pela presidência da OAB-MT. Confira abaixo a nota na íntegra.

 

NOTA PÚBLICA

A Diretoria do Instituto dos Advogados Mato-grossenses -IAMAT e sua Comissão do Direito da Mulher, diante dos fatos noticiados pela imprensa e pelas redes sociais, de violência doméstica, envolvendo a advogada Luciana Póvoas Lemos e o seu marido, advogado Leonardo Pio da Silva Campos, vem a público, declarar o seu repúdio a qualquer forma de violência contra as mulheres e indignação frente às constantes práticas de violência contra as mulheres brasileiras, com índices alarmantes e que só crescem a cada dia.

O lamentável episódio ocorrido no dia 27 de maio de 2020, trata-se de notícia grave, e que deve ser devidamente apurada, com a garantia do contraditório e ampla defesa, com procedimentos adequados, investigação legal e punição no rigor da lei, se for o caso.

O IAMAT, no exercício de sua função institucional pela defesa da cidadania, legalidade, cumprimento do seu dever legal e de acordo com o seu Estatuto informa que, por intermédio da Comissão do Direito da Mulher/IAMAT, já se colocou à disposição da advogada Luciana Póvoas Lemos para acompanhar o inquérito, assegurar que os fatos sejam apurados com total imparcialidade, e ainda, garantir a defesa da mulher e seus direitos.

O fim da cultura de violência contra as mulheres e a emancipação feminina são pressupostos para a construção de uma sociedade mais justa.

Cláudia Aquino de Oliveira - Presidente da Comissão do Direito da Mulher do IAMAT

Fábio Arthur da Rocha Capilé - Presidente do IAMAT

Evandro César Alexandre dos Santos - Vice-Presidente do IAMAT

OUTRO LADO

O Instituto negou qualquer conotação política no apoio a esposa do presidente da OAB de Mato Grosso.

Veja íntegra da nota:

iaamat.jpg

 

iaamat1.jpg

 

 

 

 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Roberto | Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020, 08h59
    6
    0

    Parabéns ao Instituto dos Advogados que se opõe a violência contra as mulheres. Enquanto a OAB/MT (incluindo as mulheres que lá estão) se calou e defendeu seu chefe por medo e conveniência, advogados sérios buscaram por justiça. Diga NÃO a violência contra a mulher.

  • Raimundo | Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020, 06h52
    5
    0

    É triste, enquanto a própria Comissão da Mulher da OAB de MT deveria tomar essa atitude de forma enérgica, foi necessário alguém de fora fazer isso já que toda a estrutura da OAB foi cooptada por quem usa a Ordem para fazer política. É pura decadência no âmbito nacional e estadual.

  • João | Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020, 06h45
    0
    0

    Difícil a situação, só mala mesmo

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS