11 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quarta-Feira, 13 de Agosto de 2014, 20h:54 | Atualizado:

OPERAÇÃO ARARATH

Juiz suspende depoimento de ex-superintendente do BIC


Gazeta Digital

agentepf.jpg

 

Foi suspenso o depoimento do superintendente do Bic Banco MT, Luiz Carlos Cuzziol, que deveria ocorrer nesta quinta ou sexta-feira (14 e 15) durante os interrogatórios no primeiro processo originado da Operação Ararath, no qual ele é réu por crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro. A decisão, do juiz da 5ª Vara Federal de Cuiabá, Jeferson Schneider, foi tomada em virtude da expedição de uma carta precatória para a Comarca de Boituva (SP) para uma das testemunhas de defesa arroladas por Cuzziol no processo. A previsão é que o documento seja devolvido no dia 27 deste mês. Até lá, o interrogatório do réu permanece suspenso.

Nesta quinta-feira a partir das 13h30 o magistrado dará continuidade ao interrogatório do ex-secretário de Fazenda Eder Moraes (PMDB), que é o principal réu no processo movido pelo Ministério Público Federal (MPF) e já foi ouvido na semana passada por mais de 12 horas durante 2 dias. Na sexta-feira (15), a esposa de Eder, Laura Tereza da Costa Dias, também ré na ação, será interrogada a partir das 13h30.

A denúncia contra Cuzziol, Eder, Laura e o ex-secretário adjunto de Fazenda, Vivaldo Lopes Dias foi feita pelo Ministério Público Federal (MPF) após a deflagração da Operação Ararath, que embasa o inquérito para apurar um suposto esquema envolvendo políticos e empresários de Mato Grosso no que seria uma simulação de instituição financeira para a concessão de empréstimos. Cuzziol é acusado de ter facilitado os empréstimos fraudulentos  em nome da empresa Comercial Amazônia de Petróleo, de propriedade do empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o Júnior Mendonça, que está na condição de delator premiado. Nessas transações comerciais, segundo o Ministério Público Federal, o ex-secretário Eder Moraes era quem viabilizava e determinava a liberação dos empréstimos. 

O processo de Vivaldo foi desmembrando e dessa forma ele não será ouvido nessa fase, pois precisa aguardar a conclusão de uma perícia contábil na sua empresa, a Brisa Assessoria e Consultoria.

Em julho foram realizadas as primeiras audiências para ouvir as testemunhas de defesa arroladas pelos réus. As primeiras ouvidas foram arroladas pela defesa de Cuzziol, sendo que as 6 pessoas que prestaram depoimento foram ouvidas por meio de videoconferência, já que são funcionários do BICBanco em São Paulo. Os depoimentos dos bancários serviram para esclarecer a forma como BICBanco costumava liberar empréstimos. Nas audiências realizadas na 5ª Vara na sede da Justiça Federal, em Cuiabá, os advogados de Cuzziol sempre participaram, porém, não quiseram falar com a imprensa sobre o assunto.



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS