Política Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 16h:59 | Atualizado:

Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 16h:59 | Atualizado:

REAQUECIMENTO ESTRUTURAL

Mauro retoma 113 obras paradas em MT; VLT não tem "solução próxima"

Governador cita falta de recursos e ações judiciais que impedem retomada do modal

WELINGTON SABINO
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

mauro-forum.jpg

 

A obra do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), paralisada no final de 2014 após ter consumido mais de R$ 1 bilhão ainda na gestão do ex-governador Silval Barbosa, não faz parte do pacote de 113 obras de infraestruturas que serão retomadas nos próximos dias e meses por determinação do governador Mauro Mendes (DEM). A promessa é de movimentar quase R$ 1 bilhão aquecendo a economia e contribuindo para o desenvlvimento de diferentes regiões de Mato Grosso.

Ao comentar sobre o assunto nesta quinta-feira (4), o democrata deixou claro que ainda não tem em mãos documentos e nem informações que permitam que ele, enquanto governador, possa dar uma resposta concreta atestando se a obra do novo modal de transporte planejada para entrar em operação antes da Copa do Mundo de 2014, vai ou não ser retomada e concluída em sua gestão. Mendes ressaltou, inclusive, ter obtido a informação de que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) está retomando nesta quinta-feira o julgamento de um recurso interposto pelo Consórcio VLT que iniciou as obras, no qual pretende rescindir de vez o contrato por falta de interesse em retomar a obra.

Todavia, o julgamento foi adiado há pouco. "Hoje me deram informação que o Tribunal de Justiça está julgando uma ação que confirma a rescisão contratual por parte do consórcio. Uma rescisão por culpa deles, por ter praticado corrupção no contrato. Isso é muito grave, como é que se retoma uma obra se o contrato foi rescindido pelo governo, foi recorrido. Estava quatro a um na última votação. Falta apenas um desembargador pra votar e confirmar essa rescisão", enfatizou o chefe do Exeutivo Estadual. 

Diante de tal possibilidade, Mauro Mendes ressalta ser uma situação muito delicada que requer uma análise cuidadosa. Lembra que ainda na campanha eleitoral de 2018 ele tinha plena conviçcão do problema e por isso pediu prazo de até um ano para dar uma solução, caso fosse eleito governador. "Isso foi amplamente divulgado pra que nós pudéssemos tomar uma decisão consciente, clara, debater depois de tomar essa decisão e colocar rela em marcha porque não é uma descisão simples. É muito de conversar como os atores, Ministério Público, Assembleia, bancada federal porque é uma soluação realmente complexa diante da magnitude que ela tem", pontuou o governador.

Ele, no entanto, ponderou que o prazo solicitado de um ano ainda é viável para apontar uma solução quanto ao VLT independente do desfecho na Justiça. Mauro Mendes ressaltou que após assumir o Palácio Paiaguás em janeiro deste ano chegou a realizar uma reunião em seu gabinete com toda área jurídica do Governo, com procuradores e pessoas que atuaram durante alguns anos na questão do VLT.

A ideia, segundo ele, foi para conseguir entender definitivamente o que está acontecendo no VLT. "Fizemos uma análise jurídica do problema. Existem três ações hoje na Justiça correndo contra o VLT. Mesmo que eu quisesse, mesmo que eu tivesse o dinheiro, mesmo que nós tivéssemos todas as condições de reiniciar as obra hoje não poderíamos fazer porque existem ações nas quais fazem parte o Governo do Estado, Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal. Existe um imbróglio jurídico criado e o primeiro passo que demos foi compreender isso", enfatizou. 

PACOTE DE 113 OBRAS

Mauro Mendes anuncia ainda nesta quinta-feira uma relação de 113 obras iniciadas e paralisadas em gestões anteriores, todas de infraestrutura sendo que 56 delas são pontes que serão construídas ou restauradas, bem como obras de asfaltamento. Ainda de acordo com o democrata, todas são obras ligadas à Sinfra com garantia de recursos ou do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) ou de financiamentos remanescentes de 2012. 

Ponderou que o Estado tem hoje em caixa pouco mais de R$ 100 milhões e uma expectativa de arrecadação entre R$ 450 milhões e R$ 500 milhões com o novo Fethab. Dinheiro esse que permitiu fazer um planejamento de quais obras retomar para anunciar oficialmente a ordem de serviço "tendo absoluta certeza que elas vão começar e terminar porque elas têm o dinheiro garantido através desse recurso do Fethab".





Postar um novo comentário





Comentários (5)

  • +Marcelo F

    Sexta-Feira, 05 de Abril de 2019, 08h53
  • Se vc for homem com calça, vc arruma a estrada para TGA e região...
    0
    0



  • Batista

    Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 20h04
  • E a conclusão do asfalto de Torixoréu a Barra do Garças vai ser concluída Governador? O senhor prometeu!!! São apenas 14 quilometros para concluir..
    1
    0



  • Rog?rio Meira

    Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 18h33
  • Vai ter muita pintura de meio fio como obra concluída.
    7
    1



  • Juca Curimba

    Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 18h02
  • Vai começar a farra das empreiteiras....
    6
    1



  • ROGIE

    Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 17h16
  • E A MANGA AGORA? QUEM TCHUPA??
    2
    1









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet