05 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 17h:16 | Atualizado:

MAIS 14 DIAS

MPE cita mortes por falta de UTI e quer prorrogar lockdown em Cuiabá e VG

Órgão quer manutenção da quarentena obrigatória nas duas cidades; caberá ao juiz José Luiz Lindote decidir

cuiaba-vazia.jpg

 

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso requereu ao Poder Judiciário que mantenha os efeitos da decisão que garante o funcionamento apenas dos serviços essenciais em Cuiabá e Várzea Grande por, pelo menos, mais 14 dias. O requerimento foi protocolado nesta terça-feira (07) pela 7ª Promotoria de Justiça Cível do Núcleo de Defesa da Cidadania de Cuiabá.

No pedido, o promotor de Justiça Alexandre de Matos Guedes destaca que, conforme o Boletim Informativo nº 120 da Secretaria de Estado de Saúde, divulgado ontem (06), os municípios da área metropolitana da Capital ainda estão em situação de risco considerada “muito alta”, de acordo com os termos do decreto estadual Nº 522/2020.

O promotor de Justiça alerta ainda que o mesmo documento demonstra que o índice de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estava na faixa dos 93%. Além disso, chama a atenção para a fila de pessoas à espera desse tipo de atendimento sem qualquer acesso à vaga, “ainda que por ordens judiciais, em virtude do exaurimento do sistema, não se podendo recorrer a leitos privados, igualmente esgotados”.

A decisão que obrigou os municípios de Cuiabá e Várzea Grande, classificados como de Nível de Risco Muito Alto de disseminação da Covid-19, a manterem pelo prazo de 15 dias apenas serviços essenciais em funcionamento, conforme determina o Decreto 522/2020 do Governo do Estado, foi proferida no dia 22 de junho. O prazo começou a contar a partir do dia 25 de junho.

 



Postar um novo comentário

Comentários (13)

  • Elizeu testado positivo em recuperação | Quarta-Feira, 08 de Julho de 2020, 18h34
    1
    0

    O povo só sente quando dói na pele. Eu estou acometido por essa enfermidade a 16 dias e somente Deus na causa, porque os governantes não fazem nada. Porquê não monta hospital de campanha, o governo federal tem hospital que foi desmontado de outros locais, porque não vão atrás?

  • magno rubens | Quarta-Feira, 08 de Julho de 2020, 09h42
    0
    0

    porra, querem fazer Lockdown, barreira sanitária, parar de vender bebidas alcólicas, e o escambal a 4. aí eu pergunto, oq fazem para melhorar as condições de médicos, enfermeiros, e dos hospitais para atender a população???? PORRA NENUMA!!! querem acobertar suas incompetências e desvios de recursos públicos e federais fazendo esses tipos de coisas, triste!!!!

  • Delcio | Quarta-Feira, 08 de Julho de 2020, 08h22
    1
    0

    Lockdown? Que lockdown? Tudo normal em VG e Cuiabá. Lockdown pra ingles ver. Se os gestores publicos tivessem levado a serio o lockdown nesses 14 dias ao invés de ficar protelando e arranjando instrumentos para não fazê-lo estaríamos diminuindo a taxa de contágio. Desde fevereiro sabíamos que esse vírus chegaria e nada fizeram, tínhamos os exemplos dos outros países e nada fizeram. Gestores negligentes.

  • Militante do PSOL | Quarta-Feira, 08 de Julho de 2020, 07h03
    0
    0

    Só tenho uma coisa a dizer: Marielle Franco do PSOL, continua viva no coração de todos, inclusive do Promotor Alexandre Guedes. Parabéns Guedes pela luta. A placa ainda está lá? Fecha tudo!

  • ze vg | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 22h09
    5
    0

    brasil bagunçado um quer mandar mais que o outro

  • Walter liz | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 20h07
    10
    2

    De lockdown não tem nada, parece mais " louquidao " esta mais fácil contar o que esta fechado do que o que esta aberto, alem do mais pedir mais 14 dias pra que ? Baseado em que ? Pelo que vemos o Corona aumentou, morreu mais gente ,infelizmente, não adiantou nada essa " louquidao ", e mais tem que cessar o pagamento de salários deste povo, fica fácil, obrigue as autoridades aumentar atendimento inicial ,dar remédios no início etc ,enfim algo mais lógico e eficaz

  • carlos de abreu | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 19h29
    14
    0

    O MP é conivente para com a falta de UTIs, pois ao saberem da desativação do centro de referencia do verdão, nada fez, deveriam ter vergonha na cara e ficarem quietos, como ficam quando o caso é com os políticos, para meu entender, são passarinhos que comem pousados as mãos destes.

  • Henrique | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 19h10
    13
    0

    Só espero que o ministério público esteja fazendo sua parte também na sua associação, não permitindo aglomerações e muito menos partidas de futebol

  • Analista Político | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 19h01
    12
    1

    O MP não quer saber pra onde foi parar o dinheiro das UTIs, em Cuiabá? Ou só quer fechar tudo e pronto e acabou, como se isso fosse resolver algo? Lamentável

  • Andreia | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 18h50
    12
    1

    Esses sites nao sabem nem o que escreve , não estamos em lockdown , se fosse em 14 dias teria diminuido a contaminação

  • Alana | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 17h54
    28
    2

    É, os salários e regálias deles continuam caindo na conta. Agora o pobre, assalariado, o pequeno empresário vai tudo morrer de fome. Eles tinham era que prender o governador e o prefeito por não terem preparado os leitos suficientes.

  • indignada | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 17h32
    21
    2

    será que esse MPE acha que com o fechamento do comercio, vai melhorar (cair) esse alto grau de contaminação? 14 dias fechado já era para ter diminuído, mas não fez foi aumentar. o fique em casa na verdade ´e que aumenta mais, porque churrascos, bebedeira, etc., vai nos açougues e mercados no final de semana pra ver, filas e mais filas, ai sim tem o risco de contaminação, não o comercio em si. é faço falar manter comercio fechado, para quem tem seu salario final do mês e despensa cheia. e as pessoas que dependo de trabalhar hoje para comer amanha, como fica

  • Mixtense | Terça-Feira, 07 de Julho de 2020, 17h23
    25
    2

    Fazer lookdow no seu salário também Promotor.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS