13 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 12h:26 | Atualizado:

DISPUTA VERGONHOSA

Nova diretoria é impedida de entrar na Fecomércio-MT e confusão acaba na delegacia

Advogado alega que foi agredido por superintendente da entidade

confusaofecomercio.jpg

 

A tentativa de afastar o presidente da Federação do Comércio de Mato Grosso (Fecomércio-MT), Hermes Martins, rendeu uma nova confusão na manhã desta quinta-feira, na sede da entidade. O entrevero só acabou com a chegada da Polícia Militar e todos foram encaminhados para a delegacia.

Segundo o advogado Mariton Casal, que foi ao local para que o vice-presidente da Fecomércio-MT, João Flávio Barbosa, assumisse o comando da entidade, um dos superintendentes, Evaldo Silva, trancou as portas, impedindo assim que funcionários pudessem ter contato com o grupo, evitando assim o fornecimento de informações.

Com isso, após tomar posse, João Flávio teria assinado a demissão do superintendente, mas Evaldo Silva se recusou a sair do local.

Todos foram parar na delegacia. “Hoje é nosso primeiro dia e estamos juntos com a nossa equipe, com os conselheiros e empresários que estiveram na votação e fomos impedidos de trabalhar”, afirmou João Flávio.

AFASTAMENTO

Na tarde de ontem, o conselho de representantes da Fecomércio decidiu afastar o presidente Hermes Martins e o tesoureiro Paulo Sérgio por 180 dias. Eles são acusados de improbidade e ficarão fora do cargo durante investigação. Com o afastamento, quem assume o comando da entidade é João Flávio Barbosa, até então vice-presidente, que fará uma auditoria na entidade.

A acusação é de que Hermes e o tesoureiro estejam negando aos conselheiros o acesso aos documentos sobre gastos, contratos e cheques utilizados em suposta lavagem de dinheiro durante o período em que a entidade foi comandada pelo ex-secretário da Casa Civil, Pedro Nadaf, que chegou a ser preso em 2015 na "Operação Sodoma" e hoje está em liberdade por fazer delação premiada.

O conselho se reuniu de forma extraordinária e dos 15 participantes da reunião, oito decidiram pelo afastamento de Hermes e Paulo. Já outros sete votaram pela permanência deles nos cargos.

A assessoria da Fecomércio afirma que a reunião que afastou Hermes Martins não tem validade jurídica. Segundo ela, a assembleia feriu o estatuto da entidade, que prevê que para ter validade jurídica, a decisão deve ser apoiada por 1/3 dos conselheiros do Fecomércio – MT, o que não aconteceu.

Além disso, aponta que a decisão pelo afastamento do presidente aconteceu na recepção da entidade, o que também fere as normas estatutárias.



Postar um novo comentário

Comentários (11)

  • Vera | Domingo, 18 de Fevereiro de 2018, 08h38
    2
    0

    Que o novo presidente faça as auditorias necessárias, a sociedade precisa saber. Parabéns ao novo presidente pela coragem.

  • said joseph | Sexta-Feira, 16 de Fevereiro de 2018, 09h33
    2
    0

    A disputa é de gente grande . Os Barões Ladrões.

  • Gutemberg | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 20h43
    3
    1

    Porque ainda não mandou o chefe da gangue embora? que vem a anos mamando nas tetas da Fecomercio? porque ainda continua trabalhando no mesmo local com salario 10 vezes a mais em menos de 3 anos. Se tem provas faça as demissões e deixa o povo trabalhar pega somente os culpados todo mundo sabe quem são esses vermes insignificantes bezerros desmamados, oque não pode e ficar coagindo funcionário trabalhador faça seu papel de chefe João Flavio Barbosa

  • Marcio souza | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 17h30
    1
    2

    Quer ver acabar essa briga empresários não pague às contribuições para Fecomércio e nem para sindicatos quero ver que vai querer assumir presidencia

  • Fagundes | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 16h02
    1
    0

    Parece até a "Turma da Pedra", só falta o Sérgio Ricardo nessa "parada"... ê cuiabazão sem fronteira!!!!

  • Antonio Cuiabano | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 15h38
    8
    2

    É xomano acabou a moleza das anuidades obrigatórias ,que os contribuintes não sabia que fim tinha aonde era aplicado ,ou estou falando abobrinha ?

  • Paulo Silva | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 15h08
    8
    2

    Esse João Flávio Barbosa Sales NÃO É EMPRESÁRIO. Pode verificar que o mesmo teve um "boteco" a mais de 30 anos e nunca mais teve um comercio de gêneros alimentícios. Aposentou como Juiz Classista e não como empresário. ISSO É UMA VERGONHA. Tem "Dedo" de Pedro Nadaf nessa roubalheira.

  • Sandro | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 14h28
    3
    4

    Política e interesse. Não esperamos nada desses senhores. Nada.

  • Mario Esperança | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 13h54
    6
    2

    ESSE sr. evaldo ... quem é ele na fila do do pão frances?? Não quer dar acesso as informações porquê??? Deixa de ser mesquinho e vá trabalhar na sua "empesa"

  • Flávio | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 13h52
    5
    1

    Osso bom é assim mesmo.

  • Observador | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 13h42
    10
    2

    Dessa turma ninguém é empresário, vivem dos dizemos que os verdadeiros empresários pagam. Isso vai acabar em morte, porque ninguém quer perder a mina de ouro.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS