11 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Segunda-Feira, 17 de Março de 2014, 18h:30 | Atualizado:

LAVA-JATO

PF invade construtora de obras da Copa em MT

pf.jpg

 

A sede da Empresa Juruena S.A, em Cuiabá, foi um dos alvos da Operação Lava Jato, desencadeada pela Polícia Federal, na manhã desta segunda-feira (17), para desarticular organizações criminosas que tinham como finalidade a lavagem de dinheiro. A Juruena Participações e Investimentos S.A. é uma holding de cinco empresas produtoras independentes de eletricidade. O escritório da empresa, vasculhado pela PF, fica no edifício The Centrus Tower, na Avenida Miguel Sutil.

Com exclusividade, RepórterMT esteve no local enquanto a Polícia Federal recolhia documentos e equipamentos da empresa. O RepórterMT apurou que a empresa é formada por uma sociedade anônima,que faria parte da Juruena está a Métrica Construções, responsável por duas obras preparatórias para a Copa em Cuiabá, que são as trincheiras da Ciríaco Cândia, que apresenta sérios problemas de infiltração, e do Santa Isabel/Verdão, que está sendo construída na Avenida Miguel Sutil.

Entre os membros do Conselho Administrativo está um dos sócios proprietários da Construtora Três Irmãos, que possuí diveros contratos com o Governo do Estado, inclusive de obras da Copa e pavimentação de estradas. A informação está disposta na página virtual da empresa, que apresenta como diretor geral o engenheiro civil Francisco Carlos Coutinho Pitella.

A participação da Métrica foi confirmada pelo próprio advogado da Juruena, Antônio Carlos Tavares de Mello. "A Métrica faz parte sim, mas só tem com o Estado essas duas obras das trincheiras. O foco é a iniciativa privada", afirmou.

Outro lado

O advogado da empresa, afirmou à reportagem que não sabe ao certo quais são os indícios de lavagem de dinheiro que envolveriam a construtora, que segundo ele é especializada em trabalhar a base para a construção de usinas.

“Estamos surpresos. Acreditamos que seja um equívoco porque a própria lista apresentada para apreensão contém bens que não fazem parte da empresa, como carros de luxo, entre eles um porche.

A empresa trabalha com grandes obras civis, voltadas para a geração de energia. Trabalha a engenharia de base para construção de usinas, como terraplanagem e perfuração”, frisou.

Questionado sobre a participação da empresa em obras públicas, o advogado afirmou que essas teriam uma porcentagem muito pequena na atuação da empresa e que está aberta às investigações.

“A empresa atende mais obras privadas, o que tem de obra pública é muito pouco. A empresa não tem nada a esconder, por isso, estamos deixando levarem tudo”, declarou o advogado.

O advogado lembrou que há em Cuiabá uma outra empresa com o mesmo nome, mas que atua como construtora e isso causa muita confusão.

Juruena Holding

O site da empresa informa que ela foi criada no ano de 2005, com o objetivo de implantar e explorar potenciais hidrelétricos do Rio Juruena, no estado do Mato Grosso.

Cada um dos potenciais recebeu do Governo Federal, por meio da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), autorização para a construção e exploração, pelo prazo de 30 anos, de uma PCH (Pequena Central Hidrelética). Os cinco projetos localizam-se nos municípios de Campos de Júlio e Sapezal - distante 460 quilômetros a norte de Cuiabá.

A Operação Lava Jato, que ocorre em Mato Grosso e outros seis estados da Federação, foi desencadeada pela Polícia Federal do Paraná, autorizada pela Justiça Federal daquele Estado. 

O grupo investigado além de envolver alguns dos principais personagens do mercado clandestino de câmbio no Brasil é responsável pela movimentação financeira e lavagem de ativos de diversas pessoas físicas e jurídicas envolvidas com crimes como o tráfico internacional de drogas, corrupção de agentes públicos, sonegação fiscal, evasão de divisas, extração, contrabando de pedras preciosas, desvios de recursos públicos, dentre outros.

VEJA MAIS

Doleiros da Operação Lava Jato exploravam falhas financeiras

PF invade duas empresas por lavagem de R$ 10 bi em Cuiabá

Dono de posto é preso suspeito de comandar esquema de lavar R$ 10 bilhões

Operação da PF combate lavagem de R$ 10 bi em MT e 7 estados



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS