24 de Agosto de 2019,

Política

A | A

Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 20h:04 | Atualizado:

EDUCAÇÃO EM GREVE

Professores protestam no Centro Político

greve.jpg

 

Um grande ato convocado pelo Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) levou para as ruas da capital nesta quarta-feira (17) milhares de profissionais da Educação, que estão em greve desde o dia 27 de maio. Em passeata, os grevistas percorreram o Centro Político Administrativo denunciando o governo Mauro Mendes, que se nega a apresentar uma proposta para o fim da greve. 

Os educadores manifestaram a revolta ao calote na Lei salarial LC 510/2013, ao corte do ponto dos trabalhadores por cobrarem direitos. Segundo o Sintep, cerca de 65% de trabalhadores permanecem em greve, apesar de terem os salários cortados. 

Na avaliação dos educadores, o retrocesso com a suspensão da Lei, em vigor nos últimos seis anos, comprometerá muito mais a carreira e a valorização profissional, do que ficar temporariamente sem salário.

O presidente Sintep-MT, Valdeir Pereira, destacou que as práticas do governo Mauro Mendes, apesar das promessas de campanha, revelaram a que veio. “Não paga a Revisão Geral Anual, não cumpre a Constituição Estadual em seu artigo 245 (garantir o percentual da Educação nas isenções), corta salário, e retira direitos dos trabalhadores do executivo. Diante disso, nossa greve continua”, reafirmou.

Ainda durante a caminhada o dirigente sindical do Sintep/MT, Henrique Lopes, parou em frente ao Tribunal de Contas do Estado, destacando a conivência do órgão com as manobras do executivo. Citou alteração contábil no Imposto de Renda Retido na Fonte, que de crédito passou para débito e elevou o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) do estado, de 47% para 58%. 

Lopes denunciou também o provável desvio de finalidade dos recursos da educação, relatado pelo secretário da Casa Civil. Em audiência para tentativa de negociação com o sindicato, os dirigentes foram informados que os salários cortados de forma integral, seriam pagos parcelados porque o recurso teria sido usado no pagamento de fornecedores. 

A caminhada foi finalizada na Assembleia Legislativa, onde os profissionais em greve estão desde de ontem (16.07), acampados e acompanhando as sessões plenárias. O objetivo é fazer com que os deputados tranquem a pauta e exijam do governo respeito ao poder Legislativo. Foi construída uma proposta que mesmo não sendo a ideal, configura um avanço já debatido com a categoria em Assembleia. A proposta, com base no orçamento do estado, parcelaria os 7,69% da Lei 510/2013, em três vezes até a próxima data base. 

 

Postar um novo comentário

Comentários (15)

  • Marcos | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 09h50
    1
    1

    Parem com essa greve política!!! voltem a trabalhar.... vcs tem salários ótimos para trabalhar pouco!! recebem muito e entregam pouco!!! funcionário público é o burguês do século 21!!!

  • Pacufrito | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 09h37
    0
    1

    Vão trabalhar seus imorais, vocês estão atrapalhando a população que precisa das escolas, parem de achacar a sociedade, ja pagamos impostos de mais, vocês ja recebem o terceiro melhor salário do Brasil para a categoria, e qualidade nem entre os dez melhores, basta de querem achacar a sociedade, quem paga a conta não são estes políticos populistas que aprovaram esta lei, é a população e vocês ja estão passando dos limites, é criança que não tem escola, é ai mãe que não tem onde deixar os filhos, são as férias dos pais que estão comprometidas, vocês são parte do problema que o Brasil esta vivendo, vocês nunca se preocuparam com a população, a preocupação de vocês é unica e exclusivamente com seus salários. BASTA. VÃO TRABALHAR. O ESTADO ESTA QUEBRADO E VOCÊS QUEREM MAIS E MAIS. quem sabe se você acabarem com a industria do atestado médico, quem sabe se você acabarem com os professores fora da sala de aula sobre mais dinheiro para pagar um melhor salário. PARABÉNS MAURO MENDES, NESTA VOCÊ TEM RAZÃO, A POPULACÃO ESTA COM VOCÊ. Este politicos que são favoráveis aos aumentos são os mesmos populistas de sempre, querem fazer graça com dinheiro dos outros ( da população)

  • Marcos | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 08h56
    4
    2

    Olha as cores das bandeiras e compreenderão !!! Deveriam ser todos dispensados e contratados novatos sem ideologia!!

  • justíssimo | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 08h53
    1
    1

    Só para lembrar que o Governador tem que pagar a RGA do Executivo antes de querer pagar o aumento da Educação, pois a RGA é uma obrigação anterior.

  • pantanal | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 08h17
    2
    4

    SO PETISTA //POVO DO BEM NAO ACOMPANHE ESSES VAGABUNDOS///// SE AQUI ESTA RUIM VAM PRA VENEZUELA CAMBADA DE TRAPO

  • Jaimão da cohab nova | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 07h45
    6
    4

    BANDO de comunistas vagabundos, tem que apanhar até cagar e depois apanhar de novo porque cagou🤣🤣🤣

  • Roberto | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 06h34
    3
    7

    Mauro só invés de cumprir promessa de campanha e pagar direitos prefere investir em propaganda, inclusive pagando gente pra falar mau dos professores, tem gente que se presta a cada coisa, vergonha desse governo que só mente.

  • Povo de Mato Grosso. | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 06h33
    7
    2

    Pela cor da foto mostra como a greve é politica. Só comunista, petista e sindicalistas. Tomara que não recebam nem os dias parados.

  • Shomano | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 06h32
    6
    3

    Essa greve é uma palhaçada da esquerda que acha que o único caminho é radicalizar. Querem a todo custo forçar a barra. Será que não percebem que não tem como resolver agora? O governador tem boa vontade, quando der vai acertar tudo isso, mas agora tá pressionado pela arrecadação e pela LRF.

  • Mãe de alunos | Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019, 04h49
    8
    2

    Só comunistas idiotas, pq não usam a bandeira do Brasil e de Mato Grosso? Tenho certeza que eu estaria lá. Greve política. Estão preocupados com a educação? Engana que eu gosto. Governador corta o pinto e mantenha pulso firme. Dar Ibope pra petralhada não....

  • Marcos | Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 23h06
    6
    13

    Pq cidadã Ana, na sua testa está escrito "sou analfabeta funcional". Ao invés de ficar fazendo perguntas idiotas, junte se aos professores nas suas reivindicações.

  • Osama | Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 22h13
    7
    6

    Ouvi dizer que a próxima manifestação dessa vai ter terrorista no meio dos terroristas!! Só ouvi, não sei onde!! Não terá risco aos professores de bem que não aderiram à Greve Petista, Esquerdista! Se acontece a Sociedade vai agradecer. Mesmo mandando do Adelio!!!!

  • joao | Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 21h44
    14
    6

    AI SÓ TEM PETRALHA E COMUNISTA

  • walter liz | Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 21h42
    15
    7

    Greve absurda política e inconsequente

  • ana | Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019, 21h31
    19
    9

    so vi bandeira vermelhas? porque será?

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS