17 de Julho de 2019,

Política

A | A

Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 00h:41 | Atualizado:

OPERAÇÕES EM RISCO

TJ lembra "inquisições" de ex-juíza e suspeita das delações na Sodoma

Magistrados questionam fato de Selma ter interrogado colaboradores antes de homologação de acordos


Da Redação

Roque de Sá/Agência Senado

SENADORA SELMA ARRUDA

 

Durante o julgamento da suspeição da então juíza e hoje senadora Selma Arruda (PSL) em casos relacionados ao ex-secretário de Administração Francisco Faiad na "Operação Sodoma", os desembargadores Pedro Sakamoto e Orlando Peri criticaram duramente a ex-colega de magistratura. O primeiro chegou a classificar atitudes tomadas por ela como “atos típicos de procedimento inquisitorial”.

Perri afirmou que Selma criou a própria suspeição ao interrogar pessoas antes da homologação da delação premiada, o que pode gerar anulação dos acordos. Ele afirmou que isso começou na ação da “Operação Sodoma", que teve como alvo o ex-governador Silval Barbosa em setembro de 2015. Segundo o desembargador, o fato ainda se repetiu nas colaborações dos empresários João Rosa, Frederico Coutinho e Filinto Muller, já no âmbito da “Operação Sodoma”.

Respondendo a uma contraposição do colega de Tribunal de Justiça, Rondon Bassil, ele afirmou que a hoje senadora havia ido além de suas atribuições de julgadora. Pedro Sakamoto concordou e afirmou: “Na ocasião o desembargador pontuou que a conduta da magistrada estava acobertada pela legislação. Mas a atuação da douta julgadora, após entrar em contato com fatos julgadores, não mais conseguiu retomar a imparcialidade com relação à posição pública que exercia”, disse Sakamoto.

Orlando Perri interrompeu para concordar e afirmou que reconhecia o ato como questão idêntica à de Faiad no caso do ex-governador Silval Barbosa (sem partido), pois, segundo Perri, teria colhido depoimento do delator João Rosa fora da audiência. “Me parece que atuou o desembargador Rui Ramos que, na ocasião, ficou reconhecida a parcialidade da doutora Selma Rosane, porque ela teria colhido depoimento do delator fora da audiência de instrução e julgamento. Ou seja, por ocasião da homologação da delação premiada, ela acabou por interrogar o delator, criando o impedimento dela. Verifiquei nos memoriais que recebi da defesa que a alegação é que a juíza teria interrogado João Rosa, Frederico Coutinho e Filinto Muller. Tudo isto na Operação Sodoma 1 ou 2. Hoje estamos falando da Sodoma 5 e pela tese da defesa haveria uma contaminação, uma espécie de frutos da árvore envenenada, por ter a juíza tomado interrogatório indevido, diga-se de passagem desses três”, disparou Perri.

Assim, Selma também estaria impedida de atuar na Sodoma 5, pois as defesas alegam que foi a partir da fase três da Sodoma é que vieram todas as subsequentes. Para Perri, interessa saber se essas pessoas interrogadas “indevidamente” na homologação de suas delações foram arroladas como provas no processo contra o ex-governador. “Agora, se essas pessoas estão para serem ouvidas, se foram arroladas na denúncia para serem inquiridas na Sodoma 5, aí eu creio que haveria sim impedimento, pelo menos aqui o nobre advogado pode esclarecer, não consta que essas pessoas tenham sido arroladas na Sodoma 5. Se não foram, não há impedimento. Aí eu julgaria improcedente a questão”, disse.

Ele se referia a Ulisses Rabaneda, defensor de Faiad que afirmou com todas as letras: a denúncia feita pelo Ministério Público da Sodoma cinco é muito clara ao dizer que a operação só chegou na fase em questão em decorrência dos desdobramentos da produção de provas das Sodomas 1, 2, 3 e 4. “Tudo se inicia com a delação premiada de João Batista Rosa. O próprio Ministério Público diz na Sodoma 5 que as provas que ele apresenta em seu pleito de condenação decorrem da fase 1 chegando na fase 5. Estamos sustentando que se já na fase 1 havia impedimento, esse impedimento contamina todas as provas produzidas posteriormente”, disse Rabaneda.

Perri, entretanto, corrigiu, afirmando que isso por si só não causaria impedimento da hoje senadora e sim aferir se essas pessoas ouvidas pela juíza excedida por ocasião da homologação são provas arroladas na Sodoma 5. Na tarde de hoje, a Segunda Câmara Criminal determinou a anulação de todos atos processuais de Selma contra o advogado, ex-secretário de Administração e ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Francisco Faiad.

 

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • ana | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 12h37
    0
    0

    se ela for culpada que pague mas não é so ela. cade os outros????

  • Marcio Castro | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 12h10
    0
    0

    Esse pessoal que faz comentários contra a senadora Selma, deve ser os cabos eleitorais dos políticos criminosos, porque, algum cidadão de bom senso teria sido contra a condenação dos criminosos como Riva, Silval, etc? Afinal, o dinheiro roubado por esses criminosos, faz muita falta, principalmente na saúde. Infelizmente, o TJ-MT, é semelhante ao STF.

  • Joaquim | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 11h52
    0
    0

    O mesmo ocorre com as delações mentirosas do Palloci

  • Pacufrito | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 11h36
    0
    0

    Estes desembargadores tem que mudar de profissão, eles se comportam como advogados de bandidos, Não bastasse o judiciário ser uma mão com corrupto, agora eles perderam a vergonha e advogam para os corruptos. porque será??????? CPI da toga ja.

  • José | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 10h58
    6
    1

    CPI da toga já?

  • fulano de tal | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 09h36
    6
    2

    essa senhora selma tem que puxar pelo menos uns 30 anos de cadeia em regime feixado, gente se levantar a capivara dela desde o começo, o povo tem memoria curta, na comarca de caceres há uns anos atrás, os rolos com vendas de sentenças que envolvia o marido policial que é o marido dela, gente essa mulher ventde jesus por genésio, jesus me abana, ela é comadre de aldo locateli e agora disque tá brigada com taques, mais essa briga com taques é só de mentirinhas, para enganar os trouchas, ela é tipo papel higiênico só vive no rolo.

  • pantaneiro | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 09h34
    7
    1

    Há anos digo em não acreditar em "salvadores da pátria, falsos moralistas"! Tai o resultado! Lembram daquele juiz federal? Pois, é, a história se repetiu! Honestamente, o que está faltando na nossa justiça estadual, é juiz com discernimento, sem medo, justo! Sem medo de imprensa, redes sociais, e, principalmente das ações cheias de "holofotes" do Ministério Público!!! Chega, a sociedade não aguenta mais! Na relação processual quem decide é o magistrado, ponto final!!!

  • Maria | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 09h26
    8
    2

    SELMA ARRUDA? kkkk.... Honestíssima.... caixa 2....... mala de dinheiro vivo.........política na toga...... auxílio moradia mesmo tendo 3 casas...... uso não declarado de aeronave de terceiro......nepotismo familiar........envolvimento com grampos telefônicos..... protetora dos taques..... perseguidora de inocentes...... kkkkkk......... Honestíssima.....

  • antonio carlos | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 09h01
    7
    2

    O juiz não pode agir por interesse pessoal e nem politico. A cada fica mais claro que a ex juíza/senadora cassada o fez. Então como Sergio moro banestado!!! buscando apenas projeção politica? Na democracia a justiça tem que cumprir seu papel constitucional e não colaborar com o autoritarismo jurídico.

  • Raimundo | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 08h50
    8
    4

    Muito estranho esse posicionamento do TJ, ainda tem, vem impunidade por aí....

  • Sociedade | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 08h30
    22
    7

    Essa senhora e uma puta vergonha a magistratura....usou para fazer política....tem que prender ela isso sim.

  • Justiça caolha | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 08h16
    16
    5

    Eu aqui nesse site,escrevi várias vezes q a ex juíza Selma estava usando a toga para se promover politicamente,É q está evidente e CRISTALINO aquela conduta criminosa a época;PORTANTO,O TJ MT SABIA E SE APEQUENOU EM NÃO TOMAR AS PROVIDENCIAS NA EPOCA,DEIXOU ROLAR E PIOR:MTOS INOCENTES PAGARAM POR ESSA CONDUTA CRIMINOSA DESSA SENHORA SELMA.

  • Gilberto | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 07h56
    14
    5

    ESSA OPERAÇÃO É NULA. ISSO SERÁ RECONHECIDO EM ALGUM LUGAR ATÉ O STF.

  • Sônia | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 07h19
    9
    13

    Esse TJ-MT não tem credibilidade para questionar a, então, juíza Selma. Eles, os desembargadores, não tem credibilidade. A juíza Selma mandou alguns corruptos pra cadeia, infelizmente, o TJ-MT, não faz o mesmo. Prova disso é o Riva, até hoje, solto, apesar de todo o dinheiro roubado.

  • Pedro César França | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 06h48
    12
    10

    Nossa como nem disfarçam , agora como assim na nossa cara começam a denegrir uma mulher que foi mais macho que todos os outros juridicamente falando e a capeta e os outros os capetas os santos, que merda de delação cara olhem os hospitais as ruas a segurança, esses bandidos tinham que ser julgados por genocidios esses caras matam mais que guerras civis na africa, os caras roubam pra caramba desfalcando saude educação segurança e ainda encontram juridicamente pessoas de um tribunal superior , trabalhando de advogados , vão me processar também ? Por expor o que acho , sabe o que somos Drs somos gado isso sim gado!!!

  • Rebeca | Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 06h35
    12
    6

    Alguém com juízo nesse mundo jurídico ainda. Parabéns. A operação toda é nula. Selma e MP deitaram e rolaram.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS