15 de Novembro de 2019,

Economia

A | A

Sexta-Feira, 08 de Novembro de 2019, 12h:49 | Atualizado:

NEGÓCIO BILIONÁRIO

Empresa que atua em MT compra estatal e se torna "gigante do gás de cozinha"

Consórcio adquiriu divisão de gás de cozinha da Petrobras por R$ 3,7 bilhões

liquigas.jpeg

 

Um consórcio formado por Copagaz, Itaúsa (holding de investimentos do Itaú) e Nacional Gás Butano apresentou uma proposta de 3,7 bilhões de reais para comprar a Liquigás, divisão de gás de cozinha da Petrobras, afirmou a petroleira em comunicado nesta quinta-feira, 7.

“A transação ainda será submetida à aprovação pelos órgãos competentes da Petrobras e as etapas subsequentes do projeto serão divulgadas ao mercado tempestivamente”, acrescentou a companhia, sem mencionar prazos.

A negociação da unidade de gás em botijões acontece em meio a um amplo programa de desinvestimentos da Petrobras, que pretende se desfazer de diversos ativos para focar atenções e recursos na exploração de petróleo em águas profundas.

A Copagaz foi fundada em 1955 na cidade de Campo Grande, pelo empresário Ueze Zahran, já falecido. Ela está em Mato Grosso há várias décadas e hoje atua ainda no Estado de São Paulo. É a empresa pioneira do Grupo Zahran, que entre outros negócios é proprietário da TV Centro América (afiliada da Globo em Mato Grosso).

O processo de venda da Liquigás foi iniciado ainda em abril, e no final de agosto a Petrobras já havia informado que Itaúsa, Copagaz e Nacional Gás Butano tinham feito a melhor oferta, mas sem detalhar.

A Itaúsa, holding de investimentos que controla o Itaú Unibanco e outras empresas, disse que sua participação na operação se dará por meio de investimento acionário na Copagaz, na qual passará a ter aproximadamente 49% do capital social.

“A Itaúsa, atenta a oportunidades de alocação eficiente de capital, tem intensificado o processo de avaliação de alternativas de investimento e desinvestimento nos últimos anos”, destacou a empresa em fato relevante, acrescentando que o negócio pela Liquigás se encaixa em sua estratégia que busca ampliar a rentabilidade, reduzir de riscos e criar valor de longo prazo.

A companhia acrescentou que prevê assinatura do contrato de venda ainda neste ano, mas ressaltou que a aquisição não produzirá efeitos em seu balanço no atual exercício social.

Essa é a segunda vez que a Petrobras tenta vender a subsidiária, após um acordo fechado com a Ultrapar no fim de 2016 ter sido bloqueado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em fevereiro do ano passado.

Na ocasião, o órgão de defesa da concorrência defendeu que a operação “traria muitos riscos concorrenciais”, uma vez que a Ultragaz, da Ultrapar, e a Liquigás concentrariam uma grande fatia do mercado total de gás em botijões (GLP).

A Liquigás, que possui 20 milhões de clientes e cinco mil pontos de venda, teve receita de 5,6 bilhões de reais e lucro líquido de 147,5 milhões de reais em 2018.

 

 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Leal | Sexta-Feira, 08 de Novembro de 2019, 18h38
    4
    0

    José Eduardo,faço minhas s suas palavras; o que esse Zaran fez por Cuiabá e o Mato Grosso além de “encher a burra” de dinheiro tendo a concessão da Rede Globo e vendendo para o povo pobre o BOTIJÃO DE GÁS MAIS CARO DO PAÍS????

  • JOSE EDUARDO DA SILVA PENHA | Sexta-Feira, 08 de Novembro de 2019, 13h57
    10
    0

    Pagamos o gaz de cozinha mais caro do Brasil, vendido pela Copagaz. Agora estamos lascados, o gaz continuará caro

  • J.José | Sexta-Feira, 08 de Novembro de 2019, 13h25
    3
    1

    Top! Queria EU ter 2 milhões pra entrar.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS