Economia Sexta-Feira, 31 de Maio de 2019, 21h:22 | Atualizado:

Sexta-Feira, 31 de Maio de 2019, 21h:22 | Atualizado:

BUROCRACIA

Juiz manda Sinfra destravar pagamento de construtora em MT

Secretaria exigia certidão negativa de débitos para pagar medições

TARLEY CARVALHO
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

mt-010 Guia.jpg

 

O juiz da 2ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, Márcio Aparecido Guedes, acolheu o Mandado de Segurança impetrado pela empresa Lotufo Engenharia e Construções LTDA e determinou que a Secretaria Adjunta de Administração Sistêmica da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) suspenda o condicionamento do pagamento de serviços já prestados pela empresa à apresentação da certidão negativa de débitos por parte da construtora. O magistrado elencou que não há dispositivo legal que preveja tal condicionamento.

A decisão é do dia 21 de maio. “Posto isto, concedo a segurança para determinar à Impetrada que se abstenha de condicionar o pagamento dos serviços já realizados pela Impetrante à apresentação de certidão negativa de débitos, confirmando a liminar ora deferida. A presente sentença está sujeita ao duplo grau de jurisdição. Assim, havendo ou não recurso voluntário, subam os autos ao Egrégio Tribunal de Justiça”, determinou o magistrado.

Ao acolher o requerimento, o magistrado fundamentou que a prática da Sinfra não encontra base legal, citando que a Lei das Licitações, apesar de exigir que as empresas mantenham a regularidade fiscal para manter o contrato com a Administração Pública, não prevê nenhuma barreira para que seja realizado o pagamento por serviços já prestados. Além disso, o magistrado apontou que a prática da Sinfra – além de não ter respaldo legal – afronta diretamente a Lei das Licitações. “E mais, o ato de retenção do pagamento pelos serviços prestados pelo contratado afronta diretamente o artigo 87, da Lei n. 8.666/93, dado que não há esta previsão de sanção em seu rol taxativo”, elencou.

Ainda fundamentando sua decisão, Guedes também pontuou que a recusa da Sinfra em repassar o pagamento por serviços já prestados representa enriquecimento ilícito por parte do órgão público. Ao ingressar com o pedido, a empresa argumentou que, mesmo com serviços já prestados, o Governo vem exigindo a apresentação de certidão negativa de débitos fiscais para que, só então, seja realizado o pagamento por tais serviços.

A reportagem não conseguiu acesso aos contratos que a empresa tem com a Secretaria.





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • Henrique Dias

    Sábado, 01 de Junho de 2019, 14h57
  • Acho muito justo, PORÉÉÉÉÉ, é a empresa do secretário da casa civil. Aí fica a pergunta, se fosse um pobre coitado teria esse direito? Inclusive com o decreto de calamidade do governo, quebrando o resto das empresas.
    1
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet