04 de Agosto de 2020,

Economia

A | A

Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h:00 | Atualizado:

Trabalhadores da construção civil ameaçam greve a partir de julho

 

Os trabalhadores da construção, que só em Cuiabá e Baixada Cuiabana somam cerca de 30 mil, podem engrossar a fila dos grevistas de Mato Grosso depois do dia 8 de julho, caso não haja acordo com o sindicato patronal (Sinduscon) quanto ao reajuste salarial da categoria.  Dia 8 é a data da próxima reunião entre as partes.

Além de Cuiabá, a mobilização envolve sindicatos de trabalhadores da construção e mobiliário de todo o Estado, exceto região sul. Eles reivindicam reajuste de 11,57% sobre os salários. Em reunião nesta segunda (20), o patronato ofereceu apenas 6,4%, percentual inferior ao da inflação, cuja média é de 9,8%, e ainda parcelou o débito para pagamento em duas vezes, sendo uma no salário de julho, retroativo a maio; e outra em novembro. A proposta foi repudiada pelos sindicatos laborais e trabalhadores presentes.

A partir desta terça (21), os sindicatos percorrerão os canteiros de obras para explicar aos trabalhadores o impasse nas negociações e para mobilizá-los em caso de paralisação geral.

O entendimento dos sindicatos é de que as categorias não podem ser penalizadas pelo  contexto político e econômico que o país atravessa, uma vez que o cenário é de inflação e queda do poder de compra dos salários.  Eles lembram que o setor da construção teve crescimento recorde nos últimos anos, graças à explosão de obras pelo país, o que não justifica as alegações dos empresários sobre a crise.

As entidades são filiadas à Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso (FETIEMT).  A decisão pela possível paralisação foi tomada em assembleia realizada nesta segunda-feira (20) entre representantes da FETIEMT, sindicatos filiados e uma comissão de operários de construtoras locais.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS