03 de Agosto de 2020,

Entrelinhas

A | A

Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 08h:53 | Atualizado:

CONTRA A CRISE

Taques anuncia medidas nesta terça

taques-micro.jpg

 

Hoje o governador Pedro Taques é esperado na Assembleia Legislativa para anunciar as medidas que pretende tomar para contornar a grave crise financeira do Estado. Pressionado de todos os lados, Taques vem abrindo os números do Governo para mostrar a dura realidade. Em ano eleitoral está difícil de achar aliados para enfrentar o caos. 

A conta é simples: as receitas do Estado não são suficientes para honrar as despesas. E cortes, além dos que já foram feitos, serão necessários. Em todas as áreas. Hoje, 92% de tudo que é arrecadado em Mato Grosso é usado para pagar as despesas de pessoal e o custeio da máquina pública – incluindo ai o repasse de duodécimo aos Poderes. 

 

Postar um novo comentário

Comentários (14)

  • Roberto Negri | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 14h51
    15
    3

    Tem alguma coisa errada aí governador, o limite de gastos com pessoal é de até 50%, e o Sr sabe disso, já foi senador, que aliás, eu acho que o Sr é um gde legislador, era um dos melhores do congresso qdo senador, como governador, poderia ter dado certo se vossa excelência não tivesse deixado de lado, os que realmente deveriam estar ao seu lado, aí foi o ponto fraco do Sr,

  • Augusto | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 14h41
    10
    1

    Os servidores precisam parar e exigir publicamente o impeachment do governador: 1. Desvios de recursos na seduc em seu governo; 2. Destinação de recursos da Saúde (recurso federal) em outras áreas o que é proibido por lei, criando o caos de propósito e usando recursos da folha de pagamento para quitação; 3. Grampear adversários políticos e até deputados da base, desembargadores, juízes e promotores (evitando assim qualquer controle sobre a atividade do Executivo e afrontando princípios constitucionais sensíveis da ordem democrática).

  • Carlos | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 14h40
    26
    0

    Em Mato Grosso existe duas espécies de classe de servidores. A primeira classe composta pelos servidores do Legislativo, Judiciário e MP, que recebem integralmente a Revisão Geral Anual, auxílio-faculdade, auxílio-alimentação, entre outras benesses e a segunda classe composta pelos servidores do Executivo sem auxílios, sem RGA e eventualmente rotulados de vagabundos, mesmo sendo obrigados a trabalhar em condições precárias e com défict de pessoal.

  • JEFERSON MATOS | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 13h07
    15
    4

    Pedro Taques, você tem a cara da derrota. Sua expressão é de pessoa derrotada por natureza.

  • Joao Paulo | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 12h54
    8
    0

    Matéria tendenciosa não!?

  • Helena | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 12h47
    12
    1

    O Governo precisa Urgente Corta Gastos com Despesas; com os PODERES(Duodécimos,Auxilios,Verbas Indenizatorias) e Passar a Cobrar IMPOSTOS DA Elite do AGRONEGOCIO! a Maior Parte da Arrecadação deste estado não Pode Ficar Nas Mões dos PoDeres de MT. e as Emendas Parlamentares DOS Deputados , São Prestado Conta com o Governo(sefaz,tribunal de Contas) , de Para onde FOI direcionado o DINHEIRO DA Emenda. ou os deputados Fazem o Querem com esse DINHEIRO DE emendas Parlamentar, precisa ser Revisto e Fiscalizados esse DInheiro.Felizmente os poderes de mt, Só estão trabalhando em causas proprias. a Manutenção Das Suas Mordomias Milionarias; Bancada com Dinheiro Publico.é Muita Imoralidade ....

  • Cuiabano | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 12h35
    13
    0

    Interessante seria ele renunciar ao Governo, talvez tal ato geraria maior estabilidade econômica e política para o MT, pois o Estado está a 4 anos ingovernável.

  • Julo Alves | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 10h29
    46
    5

    ENQUANTO ISSO OS BARÕES DO AGRONEGÓCIO ESTÃO RINDO A TOA . NÃO PAGAM NADA DE IMPOSTOS !

  • genifer | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 10h13
    37
    1

    ANO ano PASSADO TEVE A REDUÇÃO DE HORARIO EM ALGUMS ORGÕES PARA DIMINUIR DESPESAS, GASTOS COM ENERGIA,MATERIAS DE EXPEDIENTE,CONSUMO ETC. NÃO TEVE RESULTADO TAQUES. PQ NÃO FAZ ISSO DE NOVO, E COMECE TANBÉM DEMITINDO UM POUCO DE COMISSIONADOS , CONTRATADOS, CARGOS DE COMFIANÇA QUE GANHAM MAIS DO QUE MUITOS SERVIDORES DE CARREIRA,ACABE COM AS MORDOMIAS DE AUXILIOS,VERBA INDENIZATORIA,DIMINUA O REPASSE DO DUODÉCIMO NOS PODERES. QUE A ECONOMIA PARA O ESTADO SERÁ MIILIONARIA....

  • Contribuinte | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 10h09
    34
    1

    Agora? Deveria ter feito isso no primeiro ano de governo! O Estado está agonizando!

  • Jeferson | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 10h00
    32
    4

    A unica medida que me interessa é o tamanho da sua CARA DE PAU seu incompetente

  • Analista Político | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 09h56
    35
    4

    Medidas duras contra o funcionalismo, contra a saúde, educação.....Quero ver taxar o agronegócio, quero ver!!!

  • Sandra | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 09h41
    33
    4

    MUITO SIMPLES - MANDA EMBORA OS MAIS DE 100 COMISSIONADOS DA GECOM QUE RECEBEM SO PRA FICAR NO FACEBOOK TENTANDO MELHORAR A IMAGEM DESSE GOVERNADOR INCOMPETENTE. COBRE O ICMS DOS PRODUTORES RURAIS QUE ESTAO TODOS BILHONARIOS, NA BASE DA INSENCAO FISCAL E DA SONEGACAO NOS ESQUEMAS DA SEFAZ. ACABE COM COORDENADORES E GERENTES COM INDICACAO POLITICA QUE SO RECEBEM SEUS ALTOS DGAs E NEM TRABALHAM. ACABE COM A CARANAVA DA ENGANACAO QUE CONSOME MILHOES EM APENAS UM FIM DE SEMANA, SO PRA FAZER PROPAGANDA POLITICA.

  • alexandre | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 09h23
    28
    3

    medidas: não pagar fornecedores durante 6 meses, atrasar pagamento de salários no executivo, voltar as 8 horas, aumentar o desconto da previdencia pra 14%, não pagar RGA, aumentar duodécimos nos Poderes, pagar emendas parlamentares, aumentar o numero de caravanas em ano eleitoral. aumentar a isenção fiscal...

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS