10 de Agosto de 2020,

Mundo

A | A

Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 09h:07 | Atualizado:

2 MORTES

Vídeo mostra frentista atirando em foliões

folioes.jpeg

 

Um vídeo obtido com exclusividade pela TV Globo mostra a confusão que terminou com dois mortos em um posto de combustíveis na Avenida Rebouças, na Zona Oeste de São Paulo, na noite de sábado (3). As imagens, feitas por câmeras de segurança, mostram uma confusão envolvendo diversas pessoas e o momento em que um frentista atira (assista acima). A polícia pediu a prisão temporária dele à Justiça.

Foram mortos o professor de educação física Bruno Gomes de Souza, de 31 anos, e o metalúrgico João Batista Moura da Silva, de 30 anos. O sobrevivente é o empresário Rodrigo Beralde da Silva, de 35.

Segundo amigos das vítimas, o motivo da confusão foi o fato de parte do grupo ter urinado em sacos de lixo após ter sido proibido por funcionários de usar o banheiro do local, que estava interditado.

O vídeo começa segundos antes dos disparos. Um grupo aparece discutindo com um homem de mochila nas costas. O atirador aparece caminhando, com um colete vermelho. Outro rapaz, de boné, surge apressado e empurra o homem com mochila. O frentista parte para cima e leva uma voadora. Ele cai e é agredido por outros rapazes. O frentista se levanta e atira. Outro homem saca uma arma, mas não dispara e a guarda novamente.

A Polícia Civil confirmou que o atirador trabalha no posto. O nome dele, porém, não foi divulgado. O delegado Roberto Krasovic, responsável pelo caso, disse que entrou com o pedido de prisão temporária.

Até o final da tarde esta segunda-feira (5), a Polícia Civil tinha ouvido o depoimento de mais de dez testemunhas, incluindo funcionários do posto e amigos dos baleados. A investigação aguarda o laudo de um projétil retirado do corpo de uma das vítimas.

Amigos lamentam

"Tudo começou por causa de um banheiro. Foi uma brutalidade", disse a amiga e testemunha Talita Juliana Moreira Avelino. Segundo ela, parte dos funcionários do posto as autorizou a usar o local do depósito de lixo, mas, quando Bruno foi usar o espaço, foi proibido pelos frentistas. Ao voltarem para a frente do posto, começou uma briga e um homem chegou com uma arma.

Talita e o marido são amigos das vítimas e estavam com elas quando ocorreu o crime. O casal foi prestar depoimento na delegacia que investiga o caso. “Isso indigna, morrer por causa de banheiro”, lamentou Talita aos jornalistas que estavam nesta manhã no 14º Distrito Policial (DP), em Pinheiros.

“Vi os três no chão”, recorda-se Fernando Avelino, que estava com uma atadura no braço, segundo ele, resultado da agressão que sofreu no dia. “Fui agredido com uma barra de ferro por alguém no posto.”

O dono do posto Shell na Avenida Rebouças, Carlos Duque, negou que o local tenha segurança particular. Segundo o proprietário, os frentistas não contaram a ele quem sacou uma arma e atirou no grupo de amigos que urinou em local proibido. O dono do posto afirmou que está colaborando com as investigações para encontrar o assassino.

Frentistas

Segundo o depoimento de dois frentistas à Polícia Civil, as vítimas tentaram entrar em uma parte do posto onde ficam guardados sacos de lixo, para urinar. Eles conseguiram entrar na área, fecharam o portão e, quando voltaram, ocorreram os disparos.

A polícia encontrou maconha com um dos frentistas e, no escritório do posto, documentos e um celular de um homem. Segundo o gerente, são pertences deixados por um cliente no posto.

Os funcionários do posto e da drogaria, que fica no mesmo local, disseram não ter visto o tiroteio porque entraram no trabalho às 22h.

Balanço da Prefeitura mostra que foram aplicadas cerca de 100 multas nas regiões da Sé, Vila Mariana e Pinheiros para quem foi pego fazendo xixi em via pública. De acordo com a administração, foram espalhados aproximadamente 3 mil banheiros químicos nos locais de passagem dos blocos.



Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • tom cpa | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 12h42
    3
    0

    legitima defesa da honra sem comentarios

  • silvio | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 12h26
    5
    0

    Legitima defesa,sem sonbra de duvidas.....se o frentista nao reagisse,seria espancado ate a morte....

  • xomano | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 10h12
    12
    0

    O vídeo Mostra uns 15 vagabundo, agredindo o Frentista. Este trabalhando madrugada, enquanto aqueles bebendo na rua. Foi legítima defesa sem sombra de dúvidas....basta olhar quem começou e quantos eram para agredir 1 pessoa. Nao fosse o rapaz atirar era mais um caso de filho de papai que mata um pobre

  • Indignado | Terça-Feira, 06 de Fevereiro de 2018, 09h34
    11
    0

    O que vi foi um bando de bêbados baderneiros achincalhando pessoas que estavam ali para trabalhar. Se não reagissem seriam massacrados pelos "foliões, segundo a Globo, que já tomou partido desses baderneiros, pois ela própria fatura bilhões com esse tal carnaval e tem que defendê-lo a todo custo. Deveria ela o instalar banheiros e promover a limpeza do espaço público pois é a mais favorecida com essa "festa" onde se consomem bebidas e entorpecentes a rodo. Afinal, patrocinada pelas grandes cervejarias.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS