25 de Maio de 2020,

Opinião

A | A

Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 06h:00 | Atualizado:

Edegar Belz

Elite do funcionalismo

edegar-belz.jpg

 

Os deputados do Partido Novo propuseram, essa semana, uma emenda à PEC do Orçamento de Guerra, que permitiria um corte de até 50% nos salários da elite do funcionalismo público, temporariamente, enquanto durar a calamidade pública por conta do coronavírus.

Imediatamente os deputados do partido passaram a receber ataques em massa orquestrados por sindicatos e associações de servidores públicos de alto escalão.

A ideia seria reduzir os salários dos funcionários públicos (incluindo os próprios políticos) em:

– 26% de quem ganha entre 6 mil e 10 mil;

– 30% de quem ganha entre 10 e 20 mil;

– 50% de quem ganha mais de 20 mil reais.

Todos os servidores da Saúde e da Segurança, além de quem ganha menos de R$ 6 mil, continuariam recebendo o salário integral. “Emendas odiosas, nefastas, repugnantes, desastrosas, blasfêmicas, atentatórias e corrosivas”, diz uma das notas publicadas por uma entidade de alta classe em resposta à proposta.

Enquanto isso, na iniciativa privada funcionários estão sendo demitidos, empresas sem faturar nada tendo que honrar seus compromissos, profissionais liberais e autônomos proibidos de trabalhar e ganhar qualquer dinheiro, contas se acumulando, comida acabando e nenhuma previsão de se receber QUALQUER coisa. Quem não pôde fazer alguma poupança já está entrando em desespero total pela falta de condição para comprar comida, remédios e produtos básicos. E esta realidade vale para TODOS os integrantes da iniciativa privada. Patrões e empregados, ricos e pobres, funcionários CLT ou informais. Todos.

Mas se falar pro alto escalão do funcionalismo colaborar TEMPORARIAMENTE um pouquinho também, “NÃO PODE! SEUS ODIOSOS!”.

É impressionante como esse povo vive em outra realidade. São a verdadeira elite econômica do nosso país. Moram em condomínios de luxo, possuem planos de saúde  caríssimos, filhos nos melhores colégios particulares, têm 60 dias de férias remuneradas sem contar feriados e pontos facultativos, verbas indenizatórias, auxílios e mordomias, e acham que estão isentos a crises econômicas e pandemias. A realidade é apenas para nós, mortais. Para eles, “direitos adquiridos”.

Gritam que “ameaçam confiscar seus salários”, esquecendo-se que seus salários só existem exclusivamente graças ao CONFISCO que o governo faz sobre a produção do trabalhador da iniciativa privada via impostos.

Até quando vamos admitir isso? Até quando vamos sustentar esses aristocratas modernos egoístas e ingratos? Que nos prestam, em sua grande maioria, péssimos serviços.

Reduzir entre 26 e 50%, temporariamente, ainda é muito pouco. O Paulo Guedes tinha era que usar o momento de calamidade pra passar o facão geral. Acabar com estabilidade, super salários, mordomias e demitir todo mundo que não seja absolutamente ESSENCIAL.

Precisamos é de menos sindicatos e entidades de classe e de mais Partido Novo!

Edegar Belz é microempresário em Cuiabá-MT.

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • ROBERTO RUAS | Terça-Feira, 07 de Abril de 2020, 15h05
    0
    0

    Pois é pelo visto segundo mais um defensor dos coitados dos funcionários públicos da elite salarial do país - a quem o articulista se refere - não há esperanças . Para esse um o mundo se divide em quem estuda e passa a sugar a grande vaca estatal e os apavorantes e exploradores tais "bolsominions". Pelo jeito é um petista , pelego de sindicato , um desses que tem ou teve alguma teta estatal . Ataca quem defende um estado minimo para engrandecer quem " estuda para passar num concurso publico e se dar bem" . Vem com essa conversa de "juros da divida" mas , bem que poderia explicar de onde e para quê foi usado a grana que deu origem a divida monstruosa que temos . Acaso não foi o " grande estado" nacional quem inaugurou essa dívida ? Não foram os delirios dos governantes anteriores que fizeram essa conta que hoje nós pagamos ? Se hoje vivemos de pagar juros é justamente poque os recursos públicos foram usados para obras superfaturadas , carros preto de luxo, palácios administrativos que nem no tempo dos reis eram tão esplendorosos , e por fim os salários e gratificações fora da realidade. Acorda é voce cara , repito, que deve ser um pelego de sindicato ou apadrinhado do serviço público inutil e perdulário, ACEITE UMA COISA : QUALQUER PAÍS VIVE SEM SERVIDOR PÚBLICO , mas NÃO VIVE SEM QUEM PRODUZ BENS E SERVIÇOS . PELEGO DE SINDICATO.

  • Angelo | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 20h00
    1
    1

    O foco do autor coxinha do texto está errado. O que mata o Brasil é que quase a metade do PIB é drenado para pagar os "juros" da dívida ... o Brasil é a rapariga do mercado financeiro internacional, servindo a banca da agiotagem e da especulação financeira global ...... e outra, quase 80% dos funcionários públicos - pelo menos em nível estadual aqui em MT - ganham até R$ 3000,00 ... a iniciativa privada paga uma miséria para a grande massa de funcionários e indivíduos como esse vem condenar quem opta por estudar uma vida inteira pra tentar ganhar um pouco melhor que a maioria ... falte mais do que duas vezes em uma empresa privada, ainda que justificadamente por motivos sérios de saúde, pra ver se não te mandam pro olho da rua em nome da "falta de produtividade" ...quem trabalha pra patrões como o autor do texto, não vive, só sobrevive ... no que depender do Partido Novo o Estado acaba ... mas e será que as clínicas de estética que proliferam por aí atenderiam todo esse povo que recorre ao SUS? Acorda pra vida bolsominion !

  • alexandre | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 17h14
    1
    1

    Deputado custam 200 mil mensais, ganham 90 mil e querem prejudicar quem trabalha ? Os deputados estão em casa..

  • Só observo | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 16h30
    1
    2

    Perfeito Roberto Ruas. Só defende as benesses quem dela se beneficiam. Não dá para alguns (veja bem idiotas, alguns) não todos, que o maior evento da vida foi passar em um concurso público, usar isso por 25 ou 30 anos, para ficar encostados sugando. Antes que alguém possa me chamar de invejoso, definitivamente nunca tive vontade de passar em concurso, pois tenho certeza de que primeiramente eu tenho que me provar a cada dia para ganhar aquilo que ganho,

  • ROBERTO RUAS | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 14h41
    2
    3

    AO SEGUNDO COMENTARISTA DESTA MATÉRIA. Ainda que o artigo tenha algumas correções , o cerne da questão está certo. Essa gente vive fora da realidade . Eu pergunto qual a utilidade social de um único indivíduo ganhar 17 mil por mês para , pasmem , dirigir uma camionete? Esse indivíduo é um parente meu e trabalha na Prodecap em Brasília. Aqui em MT , temos casos de servidores dessa ALMT , que fazem o serviço de um escriturário bem ruim , e ganham mais de dez mil por mês. Um é vizinho meu , aí vem um nauta aí abaixo , postulante a defensor dos " coitadinhos do serviço público" falar que " estudaram para passar". Meu amigo , os empresários é que sustentam essa merda toda , queria ver se voce tivesse uma empresa e tivesse de pagar 17 mil pra um motorista , aí eu queria ver voce ser a favor disso. E por fim digo a voce meu caro , meu filho e minha ex- fazem parte dessa turma e eu ja disse VÁRIAS vezes a meu filho que ele enterrou seus sonhos ao passar num concurso público . Eu meu amigo fui um Diretor de primeiro escalão de uma grande empresa por anos , acumulei recursos e hoje vivo do suor do meu trabalho e digo a voce que pense : QUE PAÍS PODE DAR CERTO , ONDE É MAIS VANTAJOSO SER FUNCIONÁRIO PÚBLICO DO QUE EMPREENDEDOR???

  • Pacufrito | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 14h09
    0
    2

    Alguém acha que tem acha que se os deputados, senadores, não dão exemplo, algum vai abrir mão de privilégios??? HIPÓCRITAS, ja sabemos a muito tempo que os sangue sugas do dinheiro público estão se lixando para a população, principalmente os mais pobres, CHEGA DE HIPOCRISIA. Mas eles que esperem, vamos ter dois caminhos ou o governo imprime dinheiro e gera inflação, ou não vai ter dinheiro para pagar os salários e os privilégios desta cambada de Ienas.

  • Explorado | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 12h35
    3
    3

    Chega desses sangue sugas e parasitas escravizarem a iniciativa privada. Paulo Guedes tem que passar o facão nesse bando de encostados que roubam o povo para manter seus privilégios às custas dos trabalhadores! Fora Funças!

  • ABOUDE CHARFAELE | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 09h18
    3
    5

    O CARA !!! VAI ESTUDAR VAI !! SE ENXERGA ! CADA UM COM SUA SORTE ! ESQUECEU QUE ESTAS PESSOAS PENARAM EM CONCURSOS !

  • jair | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 08h55
    6
    2

    como pode uma pessoa escrever um artigo tão tendencioso, primeiro ele tem que checar o que o deputado do Partido Novo está pretendendo, porque em nenhum momento esse partido propôs cortar as benesses dos políticos e dos membros do judiciário e também dos membros do ministério público e dos tribunais de contas, ou seja, esse partido não propôs diminuir os duodécimos dos poderes, as verbas indenizatórias, os auxílios combustível, os auxílios obras biográficas e outros penduricalhos, ou seja, que cortar os salários dos servidores, mas as benesses dos agentes políticos nem pensar.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS