19 de Outubro de 2019,

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 09 de Outubro de 2019, 09h:22 | Atualizado:

Renato Nery

La ley se obedece pero no se cumple

renatonery.jpg

 

O Continente Americano decorre da Espanha (Península Ibérica) e o Brasil também, via Portugal, como um espelho em que se reflete tanto a realidade quanto um projeto da imaginação, onde se queria construir uma sociedade perfeita. A descoberta da América deu-se no final do século XIV, como marco que encerrou a Idade Média e iniciou o Renascimento e a Idade  Moderna.  A América não existe ela foi inventada pelos espanhóis para sedimentar um projeto humano/divino que deveria se unir harmonicamente ou seja a Utopia (óu topos que é um não lugar). 

O Espelho Enterrado é um dos últimos livros do Escritor mexicano, Carlos Fuentes, um dos maiores da língua Espanhola, falecido no ano de 2006 – Editora Rocco/2001. Ele faz uma reflexão sobre a Espanha e o Novo Mundo. Nele vamos encontrar a explicação para um dos maiores dramas em que a vive a América Latina: a  corrupção.

“A figura do corriegidor, era um coletor de impostos, magistrado e administrador, cujos lábios serviam à coroa, mas cujas mãos  estavam submersas em conluios com os poderes locais dos donos de haciendas e dos caciques políticos.

Não admira, pois, que quando novas leis  humanitárias chegaram da Espanha ao Novo Mundo, os funcionários locais simplesmente as colocassem no alto de suas cabeças, declarando solenemente: La lei se obedece pero no se cumple, isto é, a lei é formalmente acatada, mas verdadeiramente menosprezada. Assim se desenvolveu, na América Latina, um profundo divórcio entre o país legal, consagrado na legislação monárquica  e, mais tarde, nas constituições republicanas, e o país real, apodrecendo por trás da fachada legal, contribuindo para a desmoralização e o despedaçamento da América espanhola desde o início”. (pg. 136). 

O livro faz uma profunda reflexão sobre os quinhentos anos do descobrimento da América e chega à conclusão de que não temos nada a comemorar: “Inflação, desemprego, peso excessivo da dívida externa. Pobreza e ignorância crescentes; abrupto declínio do poder aquisitivo e dos padrões de vida. Um sentimento de frustração, de ilusões perdidas e esperanças despedaçadas. Democracias frágeis, ameaçadas pela explosão social”. 

Para o referido autor, o Continente Latino Americano tem uma cultura riquíssima -   que criamos com o maior alegria, com a maior gravidade, e maior risco -  decorrente de índios, negros e descendentes de europeus, mas desassociada da política e da economia e, daí a nossa incapacidade de prosperar, pois buscamos modelos de desenvolvimento com pouca ou nenhuma relação com a nossa cultura. “Mas é por isso, também, que a redescoberta dos valores culturais talvez possa nos dar, com esforço e um pouco de sorte, a visão necessária das coincidências  entre a cultura, a economia e a política. Quem sabe seja esta a nossa missão no século vindouro”(pag. 10). 

Renato Gomes Nery. E-mail – rgnery@terra.com

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS