14 de Novembro de 2019,

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h:00 | Atualizado:

Caiubi Kuhn

O que são Geoparques

caiubi-khun.jpg

 

Antes de tudo é preciso explicar para o leitor qual o conceito de Geoparque e quais os impactos desta iniciativa. Um geoparque é um projeto de desenvolvimento local e sua construção está diretamente relacionada com os habitantes que residem no território em questão. Os impactos dos geoparques estão relacionados aos seus três pilares básicos que são: Geoconservação, Educação e Geoturismo. Portanto, o modelo de Geoparques são muito diferentes dos modelos tradicionais de unidades de conservação. 

Os geoparques estão ligados à preservação da geodiversidade, ou seja, com a natureza abiótica do nosso planeta, mais especificamente aos elementos geológicos de uma determinada área tais como as rochas, minerais e fósseis, e com a interação destes elementos geológicos com os sistemas clima tendo como resultado elementos geomorfológicos (formas de relevo, topografia e processos físicos), pedológicos (formação de solo) e hidrológicos. 

Os elementos da geodiversidade podem possuir diversos tipos de valores sendo eles: 1) Intrínseco: considera-se que a geodiversidade por si só é importante; 2) Econômico: está relacionado à utilização da geodiversidade para o bem estar do homem; 3) Cientifico: relacionado à raridade ou representatividade de um determinado elemento; 4) Educativo: locais onde se podem explicar informações e processos geológicos com facilidade; 5) Cultural: relacionado com elementos geológicos que integram a cultura local; 6) Estético: em geral é associado com elementos hidrológicos e geomorfológicos; 7) Funcional: tem relação com a utilização da geodiversidade para o homem a exemplo de uma hidroelétrica. 

Nos casos que a geodiversidade possui um valor científico, seja ele in-situ (neste caso chama-se Geossítios) ou ex-situ (exemplo de coleções museológicas), dar-se o nome de patrimônio geológico. Quando a geodiversidade está relacionada a outros valores que não o científico, dar-se o nome de elementos de geodiversidade (ex-situ) ou os sítios de geodiversidade (in-situ). A seguir será destacado o que são estes elementos in-situ: 

Os geossítios são ocorrências de um ou mais elementos da geodiversidade que afloram devido a processos naturais ou em virtude da intervenção do homem, delimitado geograficamente e com um excepcional valor científico. Estes sítios podem ser: paleontológicos, mineralógicos, petrológicos, estratigráficos, tectônicos ou geomofológicos. Os geossítios são considerados um tipo de recurso natural não renovável que podem ser utilizados de forma sustentável pela sociedade seja para auxiliar no processo educativo, desenvolvimento de pesquisa, ou uso para o turístico. Para se utilizar os sítios geológicos é preciso uma gestão adequada que possibilite o seu uso sustentável.

Já os Sítios de geodiversidade são ocorrência de um ou mais elementos da geodiversidade, bem delimitado geograficamente e com um excepcional valor (pode ser de diversos tipos, exceto o científico). 

O geoparque por tanto, é um caminho para o desenvolvimento do Geoturismo e para criação de alternativas de geração de renda associadas com a preservação das riquezas que existem no nosso planeta. Neste aspecto, o Geoparque de Chapada dos Guimarães certamente poderá cumprir um importante papel. 

Caiubi Kuhn

Docente do Instituto de Engenharia, Campus de Várzea Grande, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT);

Conselheiro-Suplente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-MT);

Diretor de Benefícios e Relações Sindicais do Sindicato dos Geólogos do Estado de Mato Grosso (SINGEMAT);

Presidente da Associação de Geólogos de Cuiabá (GEOCLUBE);

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS