08 de Abril de 2020,

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h:00 | Atualizado:

Márcio J. N. Marcelo

Quer perder dinheiro?

marcioadvogado.jpg

 

Comprei um imóvel do empreendimento Rios de Cuiabá da empresa Rodobens localizado no Jardim Imperial. Durante três anos fiz o pagamento das parcelas avençadas, cerca de 25 mil reais. Paguei também 9,5 mil reais a ao corretor de imóveis que fez venda.

Depois de pagar todas as parcelas fui preparar a documentação para o financiamento do restante do valor contratado pelo Sistema Financeiro da Habitação. Não pude dar andamento na contratação do financiamento, exclusivamente pelo fato da empresa na ocasião ainda não ter concluído a legalização do empreendimento.

Numa ida até a Rodobens para tentar agilizar o financiamento, fui comunicado de que a empresa havia feito o distrato unilateral do contrato. Além do mais, se nega a devolver os valores que paguei. Condiciona a devolução dos valores a eu aceitar assinar um esdruxulo termo de distrato como se fosse minha a iniciativa de desistir do negócio, aceitando abrir de 25% do valor que paguei e desistir de ir à Justiça para reaver os valores a que tenho direito.

Foi então que descobri que se você quer perder dinheiro, é só fazer negócios com a Rodobens.

Na verdade foi a Rodobens que tomou a inciativa de distratar o nosso contrato, logo tem de me devolver o valor de que paguei (25 mil reais), corrigido e também os 9,5 mil reais pagos a título de corretagem.

Procurei falar com os dirigentes da empresa, não me receberam. Tentei pelo “Reclame Aqui”, pelo SAC, e diretamente com o senhor Olavo no plantão da Rodobens em Cuiabá, mas tudo foi em vão. Sempre que ligo lá, a funcionária de nome Tábita demonstra pouco caso comigo.

Procurei então me informar e descobri que a Rodobens é useira e vezeira de fazer isso. O motivo é que quando o empreendimento é lançado, há dúvidas sobre o seu sucesso e por isso os preços são mais acessíveis, como chamariz para as pessoas comprarem. Depois de vendida a maioria das unidades, estas se valorizam e daí a empresa força o desfazimento do negócio para revender os imóveis por valores mais altos.

Isto é um caso de polícia! Por isso notifiquei todos os diretores da empresa, representei contra ela no PROCON e também no Ministério Público do Consumidor, pois existe nesse caso interesse coletivo de consumidores lesados.

Também em conversa com outros clientes em situação idêntica, decidimos criar um Movimento das pessoas lesadas pela Rodobens, para atuarmos em conjunto na defesa dos nossos interesses comuns, o que ocorrerá no Auditório Licínio Monteiro da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, no dia 04-03-2016 às 16h, estando todos convidados.

Márcio J. N. Marcelo – ex-cliente da Rodobens Negócios Imobiliários

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS