28 de Janeiro de 2020,

Polícia

A | A

Quinta-Feira, 05 de Dezembro de 2019, 16h:35 | Atualizado:

ONDA DE CRIMES

Advogado teve casa roubada 24 dias antes de ser morto em Cuiabá

Antônio Padilha de Carvalho recebeu três tiros na manhã de quarta-feira, no Pedregal


Da Redação

Reprod

advogado (1).jpg

 

O advogado Antônio Padilha de Carvalho, 60 anos, que foi morto na manhã desta quarta-feira (4) no bairro Pedregal, em Cuiabá, teve sua casa, localizada no bairro Altos da Serra, invadida por ladrões recentemente. A situação teria acontecido no último dia 10 de novembro.

Segundo boletim de ocorrência, que foi registrado pela vítima, que no dia do roubo os ladrões roubaram diversos produtos de sua residência, como duas televisões, um bebedouro, micro-ondas, ventilador, dois aparelhos de ar-condicionado, dentre outros produtos.

Neste roubo, foram retirados em produtos mais de R$ 20 mil da residência. O advogado estava em uma viagem e foi surpreendido ao voltar.

EXECUÇÃO 

Primeiramente foi levantada pela polícia, a hipótese de que o idoso teria sido vítima de um latrocínio, que é o roubo seguido de morte. Porém, esta situação teria sido descartada pelo delegado Marcel Gomes, da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção á Pessoa (DHPP), que disse que não foi encontrado nenhuma quantia de dinheiro no carro.

Inicialmente, populares relataram à PM que os suspeitos teriam batido no vidro, exigindo que o advogado e a esposa descessem. Como ele se negou, acabou alvejado com três disparos de arma de fogo. 

Segundo o delegado, as primeiras versões ainda não estão descartadas, mas a tese de latrocínio perde força. "No momento da realização da perícia no local, a gente não localizou nenhum dinheiro em espécie", observou o delegado.

Porém, a PJC obteve a informação de que, no momento da execução, o advogado estava levando a esposa no médico. As investigações continuam agora a cargo da Polícia Judiciária Civil (PJC).

 

Galeria de Fotos

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • CIDADÃO | Quinta-Feira, 05 de Dezembro de 2019, 17h17
    0
    0

    O que será da segurança pública nos próximos 3 anos? Se continuar como foi esse primeiro ano de gestão, a segurança pública do MT sob governo do MM junto com Alexandre Bustamante serão os piores gestores da pasta na história. Só fala em crise! Os policiais estão saindo devido as aposentadorias e eles querem trocar com câmeras (tecnologia). Segundo Bustamante, “Câmera trabalha 24 horas, tem memória, não tira licença, não descansa, não tem que pagar aposentadoria e me fala tudo que eu perguntar. Tipo: quem foi que passou por ali, que horas e como passou pelos caminhos. Ela não mente”, acrescentou, também informando que, nesse caso, o equipamento de monitoramento é operacionalizado pelo software Big Data, ou seja, sem a intervenção do homem" Esse é o pensamento do atual GOVERNO E SECRETÁRIO.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS