Polícia Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 11h:26 | Atualizado:

Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 11h:26 | Atualizado:

EMBOSCADA NA MATA

Desembargador vota por manter prisão de 3 acusados de matar tenente da PM

Pedido de vistas adia conclusão de HCs de acusados de matarem Carlos Henrique Paschiotto Scheifer

DIEGO FREDERICI
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

SCHEIFFER.jpg

 

O desembargador da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ-MT), Paulo da Cunha, votou pela manutenção da prisão do sargento da Polícia Militar, Joailton Lopes de Amorim, do cabo Lucélio Gomes Jacinto e do soldado Werney Cavalcante Jovino. Eles são acusados de assassinar o tenente Carlos Henrique Paschiotto Scheifer numa possível emboscada em maio de 2017. O crime ocorreu no município de Matupá (694 KM de Cuiabá), durante uma operação policial.

O julgamento, porém, não foi concluído na sessão de julgamento desta terça-feria (30) após o pedido de vista – ou seja, a solicitação para analisar o caso e proferir um voto mais fundamentado -, do desembargador Orlando Perri.

Em seu voto, o magistrado Paulo da Cunha concordou com os argumentos do juiz de 1ª instância, da 11ª Vara Criminal de Cuiabá, Marcos Faleiros, que decretou a prisão do trio de policiais no dia 16 de março de 2019. De acordo com a denúncia, Carlos Henrique Paschiotto Scheifer foi vítima de uma “emboscada” de seus companheiros.

Ele comandava uma operação policial contra criminosos do chamado “Novo Cangaço”, no município de Matupá. “A vítima era muito legalista, disseram os policias, e poderia prejudicar os acusados. A vítima sofreu uma emboscada pelos próprios companheiros”, explicou o desembargador Paulo da Cunha.

De acordo com informações dos autos, o sargento, o cabo e o soldado teriam assassinado um civil suspeito, que estava sendo perseguido pela polícia, mas que já havia sido dominado pelos agentes de segurança. Carlos Henrique Paschiotto Scheifer, ao dizer que reportaria o caso aos superiores da PM, acabou despertando o temor dos colegas sobre eventuais retaliações no âmbito da corporação.

Ainda segundo a denúncia, o trio de PMs, logo que assassinou o tenente, reportou que Carlos Henrique Paschiotto Scheifer teria sido morto por bandidos – fato que motivou o deslocamento de dezenas de agentes de própria PM, e também da Polícia Judiciária Civil, para a região de Matupá. A suspeita contra os agentes, porém, ficou mais evidente após o resultado do exame de perícia, que constatou que o projétil que matou Scheifer saiu do fuzil utilizado pelo cabo PM Lucélio Gomes Jacinto.

“Analisando os termos da prisão, ela está calcada na gravidade concreta do delito pois [os acusados] teriam executado outro militar hierarquicamente superior, apresentado na sequência informações falsas”, explicou o desembargador Paulo da Cunha.

Com o pedido de vista do desembargador Orlando Perri, o caso deve voltar a pauta na 1ª Câmara Criminal só após a análise do magistrado, que não tem data para ocorrer. A defesa dos policiais defende que a morte não ocorreu de forma dolosa (intencional), e que foi um “acidente”.    

 





Postar um novo comentário





Comentários (5)

  • Tc

    Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 14h20
  • José os cara são inocente. Vc não é juiz não sabe de nada fica queto irmão . Vai se preocupar com caso abionao
    0
    1



  • Guilherme

    Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 13h23
  • E o comandante que disse nao ter recebido denuncia nenhuma sobre algum suposto estreitamento entre a vitima e os executores... sei nao mas isso tem que ser investigado, pq o comandante da época tem dedo nessa história, por acobertar os fatos, pois o mesmo disse em depoimento que nao sabia de nada que comprometesse os envolvidos com a vitima, sendo que 3 dias antes de morrer a vitima havia aberto um documento interno no proprio batalhão contra os caras. então ai tem pano pra manga
    1
    0



  • Jos?

    Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 13h08
  • Concordo com o MP aonde já se viu pagar aposentadoria para esses deputados que pouco fizeram pelo estado uns já condenados por roubalheira cancela tudo chega de imoralidade chega oque já roubam
    0
    1



  • Bredhot

    Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 11h49
  • Devia mandar prender Cel ZAQUEU ....
    3
    1



  • Cpa

    Quinta-Feira, 02 de Maio de 2019, 11h37
  • nao gosto dessa palavra Legalista. para esse Tenente eu chamava de HOMEM DE EDUCAÇÃO DESDE O BERÇO E TBEM HO.EM DE CARÁTER. Aliás hoje tá faltando em quase todos os meios da sociedade. PARABÉNS MAGISTRADO.
    6
    1









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet