10 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 09h:38 | Atualizado:

90 DIAS

CNMP prorroga PAD contra promotora de MT


Midianews

cnmp.jpg

 

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) prorrogou por mais 90 dias as investigações do procedimento administrativo disciplinar (PAD) que apura suposta baixa produtividade e conduta incompatível com o cargo por parte da promotora de Justiça Fânia Helena Amorim, de Cuiabá.

A decisão, dada à unanimidade, é do dia 5 de fevereiro, e seguiu o voto do conselheiro Sebastião Caixeta.

O procedimento foi aberto com base em relatório produzido pela Corregedoria Geral do Ministério Público de Mato Grosso.

No documento, a corregedoria relatou que no período de abril de 2015 a fevereiro de 2017, a promotora foi negligente no exercício da função, excedeu prazos processuais sem justificativa e não tomou providências quanto à irregularidades ocorridas em seu gabinete.

“Consta, ainda, que, há mais de 10 anos, a promotora de Justiça Fânia Helena Oliveira de Amorim apresenta escassa e/ou insuficiente capacidade de trabalho, bem como conduta incompatível com o exercício do cargo, consistente em omissões capazes de comprometer o serviço, conforme se evidencia do histórico funcional”.

O relatório mencionou um aumento contínuo e recorrente de processos aguardando pareceres de Fânia Amorim, situação classificada pela corregedoria como “reiterada e sistemática desobediência aos prazos processuais”.

A corregedoria afirmou que por conta da situação teve que redistribuir 575 inquéritos que estavam lotados com a promotora para outros órgãos de execução, “sob pena de comprometimento da persecução criminal”.

“Em 09.04.2015: 511 feitos – dos quais 152 há mais de 90 dias; em 26.10.2015: 610 feitos judiciais e 30 feitos extrajudiciais, todos com carga há mais de 90 dias; e em 29.02.2016: 914 feitos na 18ª Promotoria de Justiça Criminal de Cuiabá/MT, diversos deles com prazo superior há 90 dias”, diz o documento.

De acordo com o relatório, em fevereiro de 2017 também foi averiguado que os inquéritos aos quais havia manifestação da promotora Fânia Amorim eram todos padronizados, com o mesmo teor e carimbo, “sendo devolvidos à autoridade policial com prazos alternativos de 120 e 150 dias para a realização de diligências, a depender do crime apurado”.

“Ou seja, sequer eram apreciados”.

A corregedoria ainda citou a extensa ficha da promotora no que tange a investigações disciplinares, chegando a receber pena de advertência, em 2007, e 30 dias de suspensão, em 2016.

“Nesse meio-tempo, reconheceu-se a efetiva prática de infrações disciplinares pela Promotora de Justiça Fânia Helena Oliveira de Amorim em outros cinco com processos administrativos disciplinares (PADs) - GEDOC nos 000056-024/2012, 000057-024/2012, 000019-024/2013; 000020-024/2013 e 000034024/2014 –, embora as sanções que lhe foram aplicadas tenham sido suspensas, em face de decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, que declarou a inconstitucionalidade dos artigos 16, XV, alínea ‘b’, e 192 da Lei Complementar Estadual nº 416/2010, inadmitindo a imposição de pena pelo Procurador-geral de Justiça, mas, sim, e tão somente, pelo Colégio de Procuradores”.

Investigações retomadas

Ao votar pela prorrogação das investigações, o conselheiro Sebastião Caixeta afirmou que o PAD contra a promotora foi instaurado em julho de 2017, mas foi suspenso em setembro daquele ano por decisão liminar (provisória) do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Porém, ainda em dezembro a liminar foi revogada e as investigações foram retomadas, ocasião em que a promotora apresentou defesa prévia e indicou suas testemunhas, “encontrando-se pendente, pois, a realização da fase instrutória deste Processo Administrativo Disciplinar”.

“Assim, com o propósito de viabilizar a prática dos atos processuais remanescentes, bem como a análise do feito e elaboração do voto por esta relatoria, torna-se necessário prorrogar o prazo de duração do presente feito, por mais 90 dias, decisão esta que trago, neste ensejo, para referendo do Plenário, nos termos do artigo 90 do RICNMP”, votou o conselheiro, sendo acompanhado por todos os membros do CNMP.

 



Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Bruno Lessa | Sexta-Feira, 16 de Fevereiro de 2018, 10h00
    0
    0

    Isso é de família, as irmãs são do mesmo tipo, são todas TOTALMENTE DESEQUILIBRADAS, mal educadas, grossas, sentem prazer em humilhar seus subordinados. Não sei como ainda estão no serviço público. Lamentável. VERGONHA!

  • Antonio Carlos | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 21h30
    3
    0

    Incompetente, maldosa, mal educada, grossa, prepotente. Faltam adjetivos para desclassificar essa senhora. Não respeita advogados, servidores, aliás, ri das autoridades. E passa o tempo é nada acontece. Já era para estar na rua há muito tempo. Espero que depois de cassada a OAB/MT não lhe dê a carteira. Inidônea para o nobre exercício da advocacia.

  • Ricardo | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 14h19
    17
    0

    Não há uma ÚNICA, repito: UMA ÚNICA VIVA ALMA que tenha trabalhado em qualquer setor do MPE, interior ou capital, com ela ou longe dela, mas que não tenha sido por ela humilhada ou, pelo menos, mal tratada. É impressionante o quanto a Administração Pública é uma mãe pra esse tipo de conduta... Mas enfim...

  • mayara | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 13h55
    18
    0

    A conduta dessa promotora é famosa. Não vai trabalhar, humilha seus subordinados, acumula processos.... Não sei o que estão fazendo que não tomam providência mais rigorosa contra essa pessoa. Só quem já trabalhou com ela sabe o que é sofrer nas mãos dessa carrasca.

  • Patriota | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 12h33
    7
    5

    Oh, Leitor de Olho!!! São bondosas suas palavras, mas você a conhece? Sabe como ela se comporta nos corredores do MP e com os processos que ficam sob sua responsabilidade? Seria melhor você averiguar pois acredito que mudaria de opinião.

  • Leitor de olho | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 11h49
    5
    22

    Ela pode estar sofrendo de depressão e ou síndrome do pânico e precisa de tratamento e atenção. O pior é quando um promotor(a) vai contra a lei para proteger esse ou aquele, essa ou aquela numa verdadeira prevaricação por razões pessoais e ignoram a lei e ficam querendo inventar jurisprudência, isso mesmo inventar, inovar por um sentimento próprio e ilegal. Já a promotora em questão já trabalhou muito e o que falta aí é humanidade.

  • AECIO HISTORIADOR | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 10h16
    16
    4

    Uma semi-deusa respondendo PAD, 'os deuses estão loucos' .

  • Mário Figueiredo | Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 10h06
    25
    3

    São doze anos ou mais demostrando a sua "capacidade" até agora o CNMP está em dúvida ou indeciso!!! Ela deve estar tranquila, a pena máxima será(?) aposentadoria compulsória! Se fosse na iniciativa privada seria demissão por justa causa! Mais um(a), que nós os "burros de cargas" teremos que sustentar para o resto da vida!! PQP!!!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS