09 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quarta-Feira, 24 de Janeiro de 2018, 13h:17 | Atualizado:

OPERAÇÃO SODOMA 4

Justiça bloqueia de R$ 15,7 mi de Silval e mais 7 acusados de fraude em desapropriação

Jornalista e empresário também tiveram bens bloqueados


Da Redação

celiavidotti.jpeg

 

A justiça determinou o bloqueio de quase R$ 16 milhões nas contas de oito réus da quarta fase da "Operação Sodoma". A determinação é da juíza Célia Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular. Entre os réus que tiveram os bens bloqueados está o ex-governador Silval Barbosa.

Também estão incluídos na listagem os ex-secretários de Estado da Casa Civil, Pedro Nadaf, da Fazenda, Marcel de Cursi, do Planejamento, Arnaldo Alves, do procurador aposentado, Chico Lima, do ex-chefe de gabinete de Silval Barbosa, Silvio Cesar, além do advogado Levi Machado e do empresário Filinto Muller.

O montante é relativo ao valor total desviado dos cofres públicos do Estado, no esquema. A Operação Sodoma 4 apura o pagamento de R$ 31,7 milhões relativo a uma indenização pelo estado para a empresa Santorini, pela desapropriação da área onde hoje fica o bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá. De acordo com as investigações, 50% deste pagamento foi devolvido ao grupo.

“Embora tenham auferido apenas valores percentuais da quantia desviada, o Ministério Público não definiu qual seria o enriquecimento ilícito experimentado individualmente. Ainda, é certo que a atuação de cada um contribuiu decisivamente para que o montante de R$ 15.857.125,50, fosse dilapidado dos cofres estaduais, o que autoriza, neste momento processual, a aplicação da solidariedade quanto a responsabilidade pelo ressarcimento do dano”, apontou a magistrada.

Também tiveram bens bloqueados o empresário Alan Malouf, acusado de receber R$ 200 mil de uma dívida que o ex-governador tinha com ele, e o jornalista Antônio Carlos Milas, acusado de uma suposta extorsão contra Silval e Filinto Muller, onde teria recebido R$ 500 mil.

“Ao requerido Alan Malouf foi destinada a quantia de R$200.000,00, para quitação de uma dívida pessoal do requerido Silval Barbosa. Ao contrário do requerido Valdir Piran, há indícios de que o requerido Alan tinha conhecimento da origem espúria do valor, pois já havia recebido outros valores dos requeridos Arnaldo Alves e Pedro Nadaf, proveniente de propinas e os ocultou na contabilidade de suas empresas, como empréstimos. No tocante ao requerido Antonio Milas, a sua atuação, relatada na inicial, está limitada ao recebimento do valor de R$500.000,00, proveniente de suposta extorsão que praticou em desfavor dos requeridos Silval Barbosa e Filinto Muller, ao tomar conhecimento da vultosa movimentação de valores da empresa 'laranja' SF Assessoria”, diz a decisão.

Ao contrário dos outros oito envoldidos, eles tiveram a quantia do bloqueio especificada pela magistrada. “Da mesma forma e, em observância aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, tenho que não deve ser decretada a indisponibilidade de bens dos requeridos Antonio Milas e Alan Malouf pelo valor integral do dano ocasionado ao erário, pois não há indícios de que tenham participado das tratativas que resultaram no desvio de dinheiro público”.



Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Sandro | Quarta-Feira, 24 de Janeiro de 2018, 13h50
    17
    5

    Essa juíza é porreta! Diferente da Selma que quando é pra julgar coisas ligadas a Pedrinho malvadeza, ela se faz de cega.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS