10 de Agosto de 2020,

Cidades

A | A

Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 13h:06 | Atualizado:

DUPLICAÇÃO

Estado analisa construção de túnel no Portão do Inferno na MT-251

Obra deve estimular ainda mais potencial turístico de Chapada

AudienciaPublica_Duplicacao_CuiabaChapada-1076.jpg

 

Para dar continuidade às obras de duplicação da Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), entre Cuiabá e Chapada dos Guimarães, o Governo de Mato Grosso apresentou, em audiência pública, o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) que considera a obra ambientalmente viável. O Estado tem discutido com a sociedade a possibilidade de duplicar 44,2 km da rodovia, entre o trevo de acesso ao lago do Manso e a entrada da Chapada, passando por dentro do Parque Nacional.

A primeira audiência foi realizada nesta quinta-feira à noite (25.01) no auditório do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea). A segunda será nesta sexta-feira (26.01), às 19h, na Câmara de Vereadores de Chapada.

O evento contou com grande participação de membros da sociedade civil e representantes do corpo técnico das Secretarias de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Meio Ambiente (Sema), Adjunta de Turismo (Sedec), Prefeitura de Chapada dos Guimarães, Agência Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá (Agem), além de membros do Ministério Público Estadual e Federal, e empresários ligados ao turismo. “A duplicação completa da MT-251 é um sonho para Cuiabá e Chapada. O primeiro passo para concretizar isso é o início da discussão ambiental. Esta é uma iniciativa de caráter sustentável, que salvará vidas e também fomentará o turismo do nosso Estado”, disse o secretário da Sinfra, Marcelo Duarte.

Desenvolvido pela Ecoplan por meio da Sinfra, o projeto abordará vários itens importantes e apresentará três soluções técnicas para transposição do trecho entre o Balneário da Salgadeira e o Córrego da Mata Fria, passando pelo Portão do Inferno. As três opções pensadas para atravessar o Portão do Inferno são as seguintes: 1) construção de uma ponte suspensa; 2) alargamento da pista fazendo a retirada (corte) de parte do paredão para o alargamento da pista; 3) a construção de um túnel por dentro do paredão. “Este é um item do projeto de engenharia e com as características deste projeto desenvolvemos o Estudo Ambiental, que destaca quais os impactos o projeto vai causar no meio ambiente e também nas comunidades locais”, explicou a representante da Ecoplan, empresa contratada pelo Estado para fazer o EIA/Rima, Fabiana Maraschin.

Em sua apresentação, ela também destacou que devem ser construídas pelo menos três pontes sobre os rios Mutuca, dos Peixes e Claro. O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e seu respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) são documentos técnicos multidisciplinares com o objetivo de realizar avaliação ampla e completa dos impactos ambientais significativos e indicar as medidas mitigadoras correspondentes.

O RIMA é um documento público que confere transparência ao EIA, um resumo em linguagem didática, clara e objetiva, para que qualquer interessado tenha acesso à informação e exerça controle social. O procurador do Ministério Público Federal, Pedro Melo, explicou que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) delegou, por meio da lei complementar nº 140/2011, para a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) a responsabilidade para licenciar a obra. “Este projeto já vem sendo estudado pelo Ministério Público há muito tempo. Em determinado momento, inseriu uma provocação ao Ibama, a partir do momento em que trata de uma área de impacto federal este projeto deveria ocorrer no Ibama. Mas por meio de instrumento de cooperação da lei complementar foi possível passar esta delegação à Sema, para que fosse feito este processo de licenciamento”, comentou o procurador do MPF, Pedro Melo.

Nesta fase, o grupo tem discutido as condicionantes técnicas, que envolvem desde ações para melhorar o escoamento das águas da chuva, bem como a construção de pontos de observação turística ao longo da estrada e a criação de corredores para travessias de animais silvestres, evitando atropelamentos. “Chapada dos Guimarães é uma das principais cidades turísticas do Estado, é uma cidade que é o cartão postal de Mato Grosso no Brasil e no Mundo, e também uma importante rota de passagem para região leste e esta duplicação é muito importante, porque ela facilita o acesso dos turistas na região da Chapada e vamos poder ter uma estrada turística dentro deste trecho no Parque Nacional”, comentou o secretário adjunto de Turismo, Luis Carlos Nigro.

OBRAS

O Governo do Estado tem diversas ações realizadas ao longo da rodovia Emanuel Pinheiro desde o início desta gestão em 2015. A Sinfra entregou os 10 primeiros quilômetros da reconstrução da 'Estrada da Chapada'. Do trevo de acesso ao Lago do Manso ao Balneário Mutuca, a rodovia ganhou sinalização, asfalto novo com sete centímetros de espessura e pista com nove metros de largura, incluindo a faixa de segurança.

A Sinfra também executa a obra de duplicação de 3,6 km da Estrada da Chapada (MT-251), do entroncamento com a MT-010 (Atacadão) ao trevo de acesso ao bairro Jardim Vitória (Fundação Bradesco). Serão duas pistas com três faixas de rolamento com 3,5 metros de largura, ciclovia localizada no canteiro central, e cinco metros de calçada em cada lado da via. E no entroncamento entre as duas rodovias será construída uma trincheira de mais de 300 metros, para desafogar o trânsito na saída de Cuiabá e entrada do Centro Político Administrativo (CPA).

Nesta sexta-feira (26.01), às 19h, na Câmara Municipal de Chapada dos Guimarães, ocorrerá outra audiência pública para apresentar o projeto aos moradores do município. Após as deliberações da sociedade nas audiências públicas, a Sema dará continuidade às análises e emissão do parecer assistido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 

 



Postar um novo comentário

Comentários (22)

  • Fagundes | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 21h05
    1
    0

    Considerando Que essa estrada corta o parque acho que deveriam fechar a estrada de chapada e o acesso somente por campo verde. Daí acabaria de vez todos os problemas ambientais da área.

  • Carlos | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 20h22
    1
    0

    Um Estado que não consegue fazer uma laje e uma trincheira vai conseguir fazer isso?! Esquece! Governo de incompetentes!

  • julia | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 16h17
    3
    2

    Essa obra é uma verdadeira piada! Imagina se um turista vai gostar de ver quatro pistas e toneladas de carros atrapalhando a visão do paredão. A estrada em si é um parque e precisa ser pensada como tal. Turista quer calmaria, originalidade. Posta dupla vai transformar a beleza cênica do lugar em uma rodovia qquer sem nenhum charme e ainda correndo risco de derrubar o morro. Instalem radares e intensifiquem a fiscalização pras pessoas pararem de correr e dirogir embriagadas e pronto!

  • Realista | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 15h13
    2
    2

    Seja qual for a decisão, não se esqueçam, a turma do MP só está aguardando o resultado de tudo isso, de modo que, qualquer que seja a decisão , vão embargar, vão lembrar que quem entende de desenvolvimento sustentável são eles, depois deixam para a Justiça decidir. Daí, passarão os anos e nada se resolverá, as prioridades serão outras ... e assim segue o progresso da baixada cuiabana!

  • sediclaur | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 10h42
    16
    1

    Cada vez que se fala em novas obras me vem à mente mutretas, safadezas, jeito de passar a mão na grana, principalmente em ano eleitoral.

  • Anna Arantes | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 09h09
    3
    6

    Óbvio que a melhor escolha é a ponte suspensa.

  • Victor | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 08h23
    5
    2

    O MEU DINHEIRO NÃO É PARA SER APLICADO EM DUPLICAÇÃO! QUERO SEGURANÇA PÚBLICA, AGUA TRATADA NA MINHA TORNEIRA E REDE DE ESGOTO.

  • servidora | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 08h04
    7
    1

    Até antes apoiava essa duplicação mas depois que vi que esse governo torra nosso dinheiro em obras desse tipo depois entrega para os amigos deputados cobrarem pedágios , to fora , deixa do jeito que esta sendo assim passamos menos indignação.

  • João José | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 06h33
    6
    1

    Um DES"GOVERNO" que não consegue terminar o recapeamento da estrada, agora vem com essa enganação. Já combinou com o instituto Chico Mendes e o Ibama? O povo não é bobó xera-xera.

  • Rogério | Sábado, 27 de Janeiro de 2018, 00h00
    12
    0

    Tá tudo errado, a atual estrada pra Chapada tem de ficar como está, e ser transformada em estrada turística, e construir outra estrada, aí sim tem de ser duplicada, saindo do 3 Barras até Chapada, não passa dentro do ""Parque Nacional de Chapada dos Guimarães"" e é bem mais perto, inclusive melhorando o acesso de caminhões para os municípios de Campo Verde, Nova Brasilândia e Planalto da Serra sem passar por Cuiabá através do Anel Viário.

  • Marcia | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 21h36
    1
    4

    Fomento do turismo e emprego! Nosso futuro em boas mãos. Audiência pública é sinônimo de respeito à população.

  • Adriano | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 21h02
    7
    0

    O ESTADO deveria era melhorar e muito a segurança pública em Chapada... Está cada dia pior o número de furtos naquela cidade .... Que vergolha para a população vitimada. Publiquem a quantidade de furtos havidos de 2014 até hoje ( quando uma excelente pousada à noite passada teve TUDO levado cujo B.O. Hoje foi registrado !!

  • Adriano | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 21h02
    4
    0

    O ESTADO deveria era melhorar e muito a segurança pública em Chapada... Está cada dia pior o número de furtos naquela cidade .... Que vergolha para a população vitimada. Publiquem a quantidade de furtos havidos de 2014 até hoje ( quando uma excelente pousada à noite passada teve TUDO levado cujo B.O. Hoje foi registrado !!

  • Ruy Barbosa | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 20h53
    7
    0

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk piada do ano!!!

  • turista | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 20h44
    2
    1

    em vez de fazer túnel etc e tal e privatizar, o mais viável é privatizar antes e deixar que eles façam esse túnel , oras ....!!!! simples assim ...!!

  • Pedro Paulo | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 20h34
    6
    0

    EIA RIMA de quinta categoria, não tiveram a menor capacidade de ler o Plano de Manejo do Parque Nacional da Chapada.

  • JERANIO | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 17h52
    23
    7

    QUERIA SABER QUAL O PRIORIDADE PARA SE GASTAR UM DINHEIRÃO COM ESSA DUPLICAÇÃO PRA DEPOIS PRIVATIZAREM E COBRAREM PEDÁGIO. GASTE O DINHEIRO COM HOSPITAIS E EDUCAÇÃO QUE A POPULAÇÃO AGRADECE. "POVO IGNORANTE É POVO FACIL DE DOMINAR"

  • silva | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 17h50
    16
    5

    em vez de ficar com essa demagogia vão casar serviço bando de desocupados.

  • silva | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 15h25
    32
    8

    so demagogia e gastar dinheiro público com essas falácias, esse icopetente não consegue terminar essa duplicação ali do atacadao, vem falar em tuneo.

  • João José de Rosário | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 15h06
    40
    14

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.... piada do século...kkkkkkk não termina nem as obras da copa de 2014... é coisa do TAQUES E PINÓQUIO !!!!!

  • ROMEU | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 14h13
    22
    15

    QUANDO O EX. GOVERNADOR VIRAR PASTOR, E PAGAR SUA PENA DE 30 ANOS E CONSEGUIR A CONFIANÇA DOS ELEITORES E ASSIM VOLTAR SER GOVERNADOR E TENDO COMO SECRETARIO DE OBRAS O EDER MÃO LEVE, ESSA DUPLICAÇÃO SAI.

  • ivo | Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2018, 13h19
    29
    13

    duplicar para privatizar e a população começar a pagar caro, pedágio + impostos. eita povo burro...

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS