19 de Abril de 2019,

Cidades

A | A

Segunda-Feira, 15 de Abril de 2019, 23h:30 | Atualizado:

Gestor de tecnologia do TJ passa a integrar comitê consultivo da Faculdade do Senai

“A Fatec Senai nos enxergar como parceiro estratégico é mais uma prova que a tecnologia empregada no Judiciário mato-grossense tem visão de futuro, e caminha exatamente dentro do panorama nacional”, orgulha-se Uiller Prado, gestor de projetos de sistemas do Departamento de Aprimoramento da Primeira Instância (Dapi).

A convite da Faculdade de Tecnologia Senai Mato Grosso, em Cuiabá, o gestor do Dapi passa a integrar o Comitê Técnico Setorial Regional, como Fórum Consultivo, da instituição de ensino superior (IES). Esse conselho, que reúne 10 participantes, é formado por profissionais estratégicos de órgãos e instituições públicas e privadas táticas no Estado, como o Poder Judiciário.

Uiller conta que a intenção da Fatec, quando reúne especialistas nesse fórum, é propagar a integração de diversos atores do setor tecnológico no Estado e também organizar a criação de cursos de especialização, na modalidade MBA, em Ciências de Dados. “Ai, dentro dessa proposta, interessados em estudar e aprimorar conhecimentos, certamente, deixarão de buscar formação fora de Mato Grosso”, indica.

Para o diretor do Dapi, Reginaldo Cardozo, a participação do Uiller no comitê vai ao encontro dos projetos desenvolvidos pelo Departamento que estão aplicados no Judiciário estadual. “A cada dia estamos avançando dentro do universo de ciência de dados a favor do sistema judicial, que, de forma geral, beneficia a população, pois a partir de então as tomadas de decisões são melhores sustentadas com fatos e dados”, pronuncia Cardozo, realçando que o Dapi, como unidade responsável pelo aprimoramento da primeira instância, ligada a Corregedoria-Geral da Justiça, está contente e gratificado com a indicação do gestor.

Na visão do diretor de Conectividade do TJ, Benedito Alexandre, a participação do gestor do Dapi nessa instância da Faculdade do Senai é mais uma comprovação do trabalho em tecnologia desenvolvido pela Justiça estadual. “O Judiciário tem densidade tecnológica no Estado. Somos pioneiros, e, como instituição pública, despontamos nessa área”, assegura Benedito, assinalando que o TJ historicamente é incubador de talentos.

“Muitos profissionais que trabalharam em setores de tecnologia do TJ, além de se tornarem referência, estão atuando em vários países, como Canadá e Austrália. E outros fazem história em segurança de dados em grandes centros do Brasil”, completa Danyllo Carvalho, assessor de segurança e informação da Coordenadoria de Tecnologia da Informação.

Benedito e Danyllo são unanimes ao dizer que a Justiça mato-grossense está na vanguarda tecnológica há muitos anos, e, por conta desse contexto, utiliza um modelo de engenharia de dados maduro e com responsabilidade social. “Nosso ambiente tecnológico é muito apropriado, e nossa volumetria de dados é considerável”, evidencia Benedito. “Como instituição pública temos a incumbência de utilizar a e dedicação em prol da melhor prestação jurisdicional”, conclui Danyllo.

“Essa troca de experiências e conhecimentos entre esses profissionais, como o Uiller, do Tribunal de Justiça, será de extrema importância para o Estado”, assegura o coordenador da pós-graduação da Fatec, analista de Tecnologia da Informação e professor mestre Abraão Nazário.

“Nossa intenção é de incluir os diferentes setores do mundo do trabalho e da educação, para discutir e analisar temas que subsidiem a elaboração do perfil de trabalho demandado em Mato Grosso na área de Tecnologia da Informação”, completa Abraão.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS