Cidades Segunda-Feira, 10 de Junho de 2024, 21h:01 | Atualizado:

Segunda-Feira, 10 de Junho de 2024, 21h:01 | Atualizado:

RAGNATELA

PF acessa celular de "musas" e acha fotos com fuzis em favela no RJ

Stheffany Xavier e Kamilla Beretta foram alvos de operação

LEONARDO HEITOR
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

ragnatela

 

O relatório da Polícia Federal que resultou na deflagração da Operação Ragnatela, na última semana, apontou que duas supostas integrantes da organização criminosa investigada postaram fotos portando fuzis. Kamilla Beretta Bertoni e Stheffany Xavier de Melo Silva, que faziam parte da G12, empresa de eventos alvo da apuração, teriam feito as imagens em uma comunidade no Rio de Janeiro.

A investigação da Ficco-MT identificou que criminosos teriam adquirido a casa noturna Dallas, em Cuiabá, pelo valor de R$ 800 mil, pagos em espécie, com o lucro auferido por meio de atividades ilícitas. A partir de então, o grupo passou a realizar shows de MCs nacionalmente conhecidos, custeado pela facção criminosa em conjunto com um grupo de promotores de eventos.

Um dos alvos da operação foi Stheffany Xavier de Melo Silva, que se apresenta nas redes sociais como promotora de eventos, empresária e modelo. Nas redes sociais, ela ostenta uma vida de luxo, com fotos em viagens para as Maldivas, Dubai, Itália, Holanda, Suíça, Argentina, Inglaterra, França, além de diversos destinos turísticos do Brasil.

Stheffany Xavier, inclusive, utilizou suas redes sociais um dia antes da deflagração da operação para lamentar ter sido assaltada na terça-feira (4), chegando a reclamar da falta de segurança na capital carioca. Em um stories postado, ela relatou que tentou seguir a localização do aparelho, mas que quase caiu em uma ‘favela errada’, dando a entender que seria uma comunidade dominada por outra facção criminosa rival ao Comando Vermelho.

Outra que aparece com foto portando fuzil é Kamilla, que também foi alvo de um dos mandados cumpridos pela Força Integrada de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (FICCO-MT). Relatórios que fazem parte do inquérito, obtidos por meio de quebra de sigilo fiscal mostram que Kamilla Beretta declarou imposto de renda entre o período de 2019 e 2022, mas os valores que apresentados por ela são incompatíveis com as cifras que ela movimentou em conta bancária em operações de crédito e débito.

Tais operações, conforme o documento, somaram R$ 3 milhões, sendo R$ 1,5 milhão em créditos e outros R$ 1,5 milhão em débitos. Em uma conversa, interceptada pelos investigadores, Kamilla Beretta Bertoni fala com o produtor de eventos, Rodrigo de Souza Leal, relatando que acabou de sair do banco e que depositou R$ 80 mil, em transferências de R$ 2 mil cada, totalizando 40 operações. Ela era uma espécie de ‘contadora’ da organização criminosa e efetuava repasses para os integrantes do grupo.

“Leal, eu acabei de sair do banco. Depositei R$ 80 mil, de R$ 2 mil em R$ 2 mil, pra você entender. Já mandei o dinheiro de vocês do Complexo também, tá. Aí você paga R$ 5 mil para Jogador e R$ 5 mil para o Gordão”, diz uma das mensagens interceptadas. Posteriormente, Kamilla Beretta Bertoni confidencia a uma terceira pessoa que teve uma de suas contas bancárias foi bloqueada pela instituição financeira, por conta do alto volume de transações realizadas.

Segundo a suspeita, em apenas um único dia, foram feitos PIX que ultrapassaram os R$ 100 mil. “Não consigo, nem se mandar o dinheiro. Bloqueou minha conta. Leal mandou R$ 47 mil para eu dar pra Jogador. Bloqueou. Minha conta tá bloqueada, tá. Hoje eu fiz mais de R$ 100 mil de PIX, aí amanhã vamos ver se ela vai estar desbloqueada. Eu te aviso e mando”, explicou.

“Identificou-se fotos das investigadas Kamilla Beretta Bertoni e Stheffany Xavier de Melo Silva portando armas de grosso calibre, tipo fuzil, possivelmente em comunidades da cidade do Rio de Janeiro, o que elimina qualquer dúvida sobre a vinculação com a facção criminosa Comando Vermelho, conforme se verifica no Relatório Complementar”, aponta o relatório.





Postar um novo comentário





Comentários (6)

  • Pinto

    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 10h11
  • Musas....kkkkkkkk......
    6
    0



  • dito

    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 09h39
  • isso ai ta mais esfolado que manga tu chama di musa kkk
    5
    0



  • Hobbes

    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 08h37
  • Ou enfrentamos as facções criminosas com o rigor máximo, com penas capitais como a pena de morte, ou continuamos vivendo em um país sangrando pela violência e criminalidade. Basta!
    6
    0



  • Ricardo

    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 07h00
  • Ferro nessas porcarias do CV. Povo lixo demais.
    22
    0



  • Otavio

    Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 05h53
  • As SANTINHAS DO CRIME
    18
    0



  • Seu Ataulfo aposentado

    Segunda-Feira, 10 de Junho de 2024, 21h35
  • Que musas ?. Aí só tem marmita de bandido faccionado isso sim. Tá lotado de mulher desse tipo aqui no Mato Grosso. Só tranqueiras.
    59
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet