26 de Fevereiro de 2020,

Cidades

A | A

Quarta-Feira, 15 de Outubro de 2014, 11h:53 | Atualizado:

Programa social vai amparar vítimas de violência doméstica

“Setenta e cinco por cento das mulheres atendidas por nós são vítimas de facadas, garrafadas ou algum tipo de corte, outros vinte por cento são feridas por chutes, socos e cabeçadas”, destacou a presidente da The Brigde Global, Leonor Sá Machado, durante a assinatura do Termo de Cooperação com o Governo do Estado para implementação do Programa de Cirurgia Plástica Reparadora para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica Familiar.

A iniciativa ajudará no resgate da dignidade destas mulheres. “A violência deixa marcas que machucam profundamente a mulher e toda sua família. Foi por isso que agilizamos o trâmite para colocar este o projeto em andamento em Mato Grosso o mais rápido possível”, disse o secretário de Estado de Trabalho e Assistência Social, Jean Estevan Campos Oliveira.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Regional Mato Grosso, Wagner Targa Ripari, o programa propiciará um atendimento irrestrito a estas mulheres. “Nós, cirurgiões plásticos, em conjunto com os demais atores do programa trabalharemos para formação de canais sólidos de atendimento às vítimas de violência doméstica”, completou o médico.

A solenidade contou com a presença de vários representantes das instituições de defesa da mulher, entre elas a juíza-titular da Primeira Vara de Violência Doméstica Familiar da Capital do Estado, Ana Cristina Silva Mendes; a diretora da Secretaria de Gêneros da Associação de Magistrados Brasileiros, juíza Amini Haddad Campos; e a superintedente de Políticas Públicas para Mulheres da Setas-MT, Ana Emília Sotero.

O PROGRAMA 

A porta de entrada para participação no programa é um número de telefone disponibilizado gratuitamente para qualquer pessoa (0800 7714040). As atendentes da ligação são psicólogas, especializadas no atendimento destas ocorrências, que farão perguntas sobre a natureza da sequela física e demais dados cadastrais da mulher. 

A ficha é então encaminhada para os médicos e, após a avaliação clínica, é detectado a gravidade da lesão e os possíveis procedimentos para o caso. Todo o processo desde a solicitação da cirurgia até o resultado final é monitorado. Assim, é possível avaliar os resultados físicos e emocionais de cada paciente.

A cirurgia é feita preferencialmente em hospitais conveniados com o Sistema Único de Saúde (SUS). Em Mato Grosso, Estado pioneiro no estabelecimento da parceria com a The Brigde para operacionalização do programa, as cirurgias serão realizadas no Hospital Universitário Júlio Müller e Hospital do Câncer.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS