13 de Agosto de 2020,

Economia

A | A

Segunda-Feira, 29 de Janeiro de 2018, 14h:23 | Atualizado:

Cooperativas oferecem taxas de juros mais baixas no cheque especial

Juntamente com as taxas cobradas no rotativo dos cartões de crédito, os juros do cheque especial estão entre os maiores do mercado e podem se tornar uma grande dor de cabeça para os clientes que precisam utilizar esse tipo de empréstimo. Uma boa alternativa, neste caso, é buscar instituições financeiras que pratiquem juros menores, como no caso das cooperativas de crédito. 

As cooperativas financeiras, na verdade, já vêm fazendo há bastante tempo o que os bancos decidiram fazer recentemente, pressionados pelo Governo Federal. Há uma grande preocupação com o aumento do endividamento da população e o Cheque Especial foi identificado como um dos grandes vilões, ao lado do rotativo dos cartões de crédito.

Para se ter uma ideia da grande diferença entre os bancos convencionais e as cooperativas, é só fazer uma comparação simples. Para pessoa física, a taxa média no Sicoob em novembro de 2017 foi de 6,7% a.m. e 117,7% a.a., enquanto que no Sistema Financeiro Nacional ficou em 12,8% a.m. e 323,7% a.a. Quer dizer, os bancos cobram o dobro do valor em relação às cooperativas do Sistema Sicoob.

Os juros para pessoa jurídica ofertados pelo Sicoob equivalem a um terço do valor cobrado pelo SFN, registrando 4,5% a.m. e 68,6 a.a. nas cooperativas do Sistema enquanto que no SFN a taxa cobrada foi de 13,1% a.m. e 339,9% a.a.

A prática de taxas inferiores sempre foi um dos diferencias das cooperativas financeiras. “As cooperativas se destacam ainda mais no atual cenário econômico com taxas que podem atingir até a metade do valor cobrado pelos bancos no cheque especial. Cabe ressaltar que o setor oferece ainda uma ampla linha de crédito com taxas mais baratas como alternativa para utilização do uso de cheque especial”, destaca Henrique Castilhano Vilares, presidente do Sicoob.

A oferta de taxas de juros mais baixas nas instituições financeiras cooperativas contribui diariamente para o trabalho do Banco Central do Brasil na Agenda BC+ que tem como objetivo revisar questões estruturais do BC e do Sistema Financeiro Nacional, gerando benefícios sustentáveis para a sociedade brasileira.

 



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS