Economia Sexta-Feira, 29 de Março de 2019, 09h:15 | Atualizado:

Sexta-Feira, 29 de Março de 2019, 09h:15 | Atualizado:

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Justiça autoriza perícia em finanças de grupo que deve R$ 482 mi em MT

Valor da perícia no Grupo Itaquere custará R$ 50 mil

DIEGO FREDERICI
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

grupo-itaquere.jpg

 

A desembargadora da 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça (TJ-MT), Nilza Pôssas de Carvalho, autorizou uma perícia, no valor de R$ 50 mil, nas finanças das empresas que fazem parte do “Grupo Itaquere” - Independência Armazéns Gerais e Silos, Itaquere Agro Industrial, Participações e Empreendimentos Jucarama,  Agropecuária Rancho Fundo do Itaquere, Participações e Empreendimentos Rio Suia, Participações e Empreendimentos Piraguassu, Enercoop, Rio Suia Enterprises e Agropecuária Itaquere do Araguaia. O despacho da magistrada autorizando a perícia é do último dia 25 de março.

O “Grupo Itaquere”, de Primavera do Leste (263 km de Cuiabá), entrou com pedido de recuperação judicial no TJ-MT neste mês de março de 2019 alegando dívidas de R$ 482 milhões. Entretanto, o estudo autorizado pela desembargadora pode revelar um débito ainda maior da organização.

“Minoro o valor da perícia prévia para R$ 50.000,00, ao menos até o julgamento do mérito, sem prejuízo de entendimento em sentido contrário a depender do aclaramento da real situação financeira dos agravantes. Oficie-se o juízo de primeiro grau para ciência desta decisão e para que preste as informações necessárias em 15 dias”, diz trecho do despacho.

Em razão do processamento da recuperação judicial ainda não ter sido autorizado pelo Poder Judiciário Estadual, a desembargadora lembrou que ainda não há credores do “Grupo Itaquere” habilitados no processo que pudessem se opor à perícia. 

“Não há credores, vez que ainda não deferido o processamento da recuperação judicial, ajuizada pelos próprios agravantes, de modo que, a princípio, não há necessidade de intimação para que eventual parte contrária apresente contrarrazões”, explica a desembargadora.

O “Grupo Itaquere”, em nota, alegou que o “clima” e a “variação cambial” comprometeram a saúde financeira da organização. “A crise econômica que atingiu o Brasil nos últimos anos comprometeu a saúde financeira de empresas de diversos setores. A agricultura que ainda sofre com a influências climática e adversidades na produção, além da variação cambial, não passou imune, nem tampouco o Grupo Itaquerê”, admitiu a organização empresarial.

A nota também informa que apenas na última safra o "Grupo Itaquere" foi o responsável pelo plantio de mais de 53,5 mil hectares, e que já teve 735 funcionários. “Com sede em Primavera do Leste, o grupo atua, há 33 anos, no plantio de soja, milho, algodão, beneficiamento de algodão, deslintamento de sementes de algodão, geração de energia, armazéns gerais, concessão de rodovia, construção de PCHs e rodovias e pecuária em 16 municípios de Mato Grosso e Rondônia, empregando 735 colaboradores. Na última safra, o Grupo plantou 33.546 hectares de soja; 6.935 de algodão e 13.050 de milho,  perfazendo 53.531 has de plantio”.    

 





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • Jo?o da Costa

    Sexta-Feira, 29 de Março de 2019, 10h49
  • A irresponsabilidade dos governos com sistema financeiro alimentado o capital espeulativo tem que ser revisto já que as empresas a meu ver vem apostando nas bolsas e quando o governo toma decisões contrárias todos caem sem nenhum prejuízo para os bancos e sim as falências das empresas.
    0
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet