Economia Quarta-Feira, 15 de Maio de 2024, 10h:54 | Atualizado:

Quarta-Feira, 15 de Maio de 2024, 10h:54 | Atualizado:

GOLPE DE R$ 50 MI

Justiça condena ex-vereador, advogado e empresários à prisão em Cuiabá

Bando chegou a usar "chinês fake" para atrair vítimas

DIEGO FREDERICI
Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

joaoemanuel-harmonizado.jpg

 

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, João Emanuel, foi condenado a oito anos e seis meses de prisão, em regime fechado, por participação num golpe de R$ 50 milhões. Ele faria parte de uma organização criminosa, formada por estelionatários, que teriam até mesmo utilizado um “chinês fake”.

O pai de Emanuel, juiz aposentado de Mato Grosso, Irênio Lima Fernandes, foi beneficiado com o reconhecimento da prescrição da pena por ter atualmente 77 anos. As decisões são do juiz da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, João Filho de Almeida Portela, e foram proferidas na última terça-feira (14).

A sentença também condenou o advogado Lázaro Roberto Moreira Lima, irmão de João Emanuel e filho do juiz aposentado, a oito anos e seis meses de prisão. O empresário João Goulart, que fez mais vítimas no golpe, pegou 11 anos e dois meses.

Por fim, o também empresário, Marcelo Melo da Costa, único da organização criminosa condenado ao regime semiaberto, foi sentenciado a seta anos e dois meses. Apesar das condenações, os réus poderão recorrer em liberdade.

O processo que condenou o grupo é derivado da operação “Castelo de Areia", deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) no ano de 2016. Os crimes financeiros teriam se iniciado em 2012 e ocorridos até a época do oferecimento da denúncia.

Segundo as investigações, os acusados praticaram golpes milionários por intermédio das empresas American Business Corporation Shares Brasil Ltda e Soy Group Holdin America Ltda, cujo vice-presidente era João Emanuel. O Ministério Público do Estado (MPMT), autor da denúncia, revelou crimes financeiros da ordem de R$ 50 milhões.

Um homem que fazia o papel de “chinês falso” era utilizado para dar credibilidade a investimentos de alta rentabilidade exigidos de clientes, que nunca retornavam, conforme trecho extraído do inquérito policial do Gaeco. “Para dar aparência de negócio lícito e seguro, a organização criminosa ainda contava com o auxílio do chinês Mauro Chen Guo Qin, que se apresentava como dono de um banco estrangeiro, e atuava diretamente na tratativa dos empréstimos fraudulentos. Por sua vez, Evandro José Goulart e Marcelo de Melo Costa participavam também ativamente na captação de vítimas e tratativas dos empréstimos fraudulentos”.





Postar um novo comentário





Comentários (5)

  • Alcionepeleja

    Quinta-Feira, 16 de Maio de 2024, 20h00
  • Muito bom a condenação, mas lamento a demora, dando direito a prescrição. Congresso tem q mudar a lei p evitar a prescrição
    1
    0



  • Sérgio

    Quinta-Feira, 16 de Maio de 2024, 07h11
  • Eu jurava que era a foto do Ken
    8
    0



  • Observando

    Quarta-Feira, 15 de Maio de 2024, 16h10
  • O nome Emanuel e só conhecidencia mesmo....kkkkk
    16
    2



  • ZÉ CARAMBA

    Quarta-Feira, 15 de Maio de 2024, 11h58
  • Dr. Lázaro um homem tão inteligente, estudioso, não é possivél, não acredito.
    22
    8



  • José Roberto Guimarães

    Quarta-Feira, 15 de Maio de 2024, 11h25
  • E ainda será Vereador por Cuiabá vai vendo...
    30
    2









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet