11 de Julho de 2020,

Economia

A | A

Terça-Feira, 02 de Junho de 2020, 01h:10 | Atualizado:

R$ 12,4 MILHÕES

Justiça libera recuperação de empresário do agronegócio de MT

Empresário de Campo Verde culpa chuvas na safra 2015/2016


Da Redação

JUSTICA-TRABALHO.jpg

 

O juízo da 1ª Vara Cível de Campo Verde (136 KM de Cuiabá) autorizou o processamento da recuperação judicial do empresário Rodrigo Ferst Bertolin, que possui propriedades rurais tanto em Campo Verde e em Nova Mutum (250 KM da Capital). A dívida do grupo é de R$ 12,4 milhões.

Em despacho publicado nesta quarta-feira (27), a 1º Vara Cível de Campo Verde informou o processamento da recuperação. Com a medida, e segundo disciplina a lei que regula a matéria (11.101/2005), o grupo econômico do empresário Rodrigo Ferst Bertolin possui 60 dias para apresentar seu plano de recuperação e a estimativa de tempo necessária para pagar seus credores - além de se beneficiar com a suspensão por 180 dias de ações de execução (ordens judiciais de pagamento contra a empresa).

O empresário reclamou no processo que as chuvas da safra de 2015/2016 prejudicaram os negócios. Ele possui a fazenda Vale da Esperança, em Campo Verde, e que teria sofrido com as chuvas, além de uma propriedade (Fazenda Bela Vista), em Nova Mutum, que foi embargada por “problemas de desmatamento”. “Em razão de forte chuva a safra de 2015/2016 na área de cultivo da Fazenda Vale da Esperança veio a sofrer sérios prejuízos, que se repetiram na safra seguinte por motivo contrário, qual seja, falta de chuva, além de prejuízos na área da Fazenda Bela Vista, localizada no município de Novo Mundo-MT, em razão de embargos por problemas com desmatamento”, conta ele no processo.

O empresário narra ainda em seu pedido de recuperação judicial que estas situações acarretaram um “passivo que demonstra a crise econômica financeira que coloca em risco a atividade desenvolvida”. “Por essas e outras situações expostas foi gerado um passivo que demonstra a crise econômico financeira que coloca em risco a atividade desenvolvida pelo requerente, que necessitou se socorrer do instituto da Recuperação Judicial para tentar reorganizar não só seu passivo, mas toda cadeia de necessidades ligadas a atividade rural, renegociando seu passivo e protegendo seu ativo até que possa entrar em acordo para assim se manter no mercado e consequentemente se restabelecer no atual cenário”, aponta o empresário.

Entre o fim de abril e por todo o mês de maio, em 2020, diversas empresas do agronegócio de Mato Grosso entraram com pedidos de recuperação judicial. Além de Campo Verde – que já conta com organizações em crise que devem, mais de R$ 50 milhões, a cidade de Sorriso (420 KM da Capital) também vem sendo afetada pelo momento econômico desfavorável.

 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS