25 de Maio de 2020,

Economia

A | A

Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 19h:31 | Atualizado:

MEDIDA DE PREVENÇÃO

"Padaria mercado" suspende atividades em Cuiabá até fim da pandemia

Empresário explica que sociedade tem demonstrado falta de consciência

padaria-do-moinho.jpg

 

Empresário cuiabano preocupado com a Covid-19 apoia a restrição de funcionamento do comércio na Capital para evitar a propagação da doença. O decreto municipal ampliando  medidas de prevenção foi anunciado no último final de semana.

Após o anúncio, Anesio Kokura decidiu suspender o funcionamento da Padaria Moinho, tradicional em Cuiabá.  Há 20 anos no mercado a padaria ficará fechada a partir desta segunda-feira (6), até a onda de contaminação ser superada.

O empresário Anésio Kokura disse que apesar de todos os cuidados que vinham sendo tomados, inclusive com algumas medidas inéditas no Estado, se assustou ao perceber que a população não se conscientizou e não percebeu a gravidade da situação. “Antes mesmo da orientação para o isolamento domiciliar no dia 23 de março, nos já havíamos tomado a decisão de fechar o restaurante e a padaria, só permanecendo aberto o empório”, contou o empresário.

A fim de garantir a segurança dos clientes e dos cerca de 100 funcionários, a empresa passou a adotar medidas rigorosas de higienização, com a utilização de gás ozônio para desinfetar carrinhos, aparelhos para medição da temperatura de clientes e orientação para que fosse mantida a distância e controle de acesso e clientes. “Apesar de todos os cuidados percebemos que é impossível evitar a contaminação e garantir 100% da saúde dos nossos funcionários e clientes”, disse Kokura.

“Iremos garantir o isolamento social pelo tempo que for necessário. Sabemos que estamos em meio a uma grave crise econômica. Muitas pessoas perderão seus empregos, mas temos que evitar o contágio e o colapso da nossa saúde. Hoje, não existe uma pessoa no mundo que não esteja preocupado com um parente. Iremos honrar nossos compromissos com funcionários e fornecedores enquanto pudermos. É uma questão de empatia, humanidade e atitude”, disse ele.

O novo decreto, de nº 7.868, ampliando a quarentena foi anúnciado no último sábado (04), consolidando medidas emergenciais e temporárias de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus (covid-19).

O prefeito Emanuel Pinheiro disse que as medidas são orientadas por autoridades e especialistas da área de saúde, que preveem o pico da disseminação do novo coronavírus a partir de 10 de abril de 2020. Entre as medidas anunciadas, o decreto permitiu a abertura dos supermercados nos feriados - obedecendo todas as medidas de higiene e segurança necessárias, no período de 06 a 21 de abril, com horário de atendimento ao público de segunda a domingo e feriados, das 08h às 19h. O decreto isentou também as padarias, que podem funcionar a partir das 6h até as 19h.

“Todas as medidas exigem sacrifícios e precisamos ter consciência do papel de cada um nessa crise. Sabemos que serão tempos difíceis, mas sabemos também da dedicação dos cuiabanos e da coragem do nosso povo. Juntos vamos reerguer a pujante economia do município”, disse o prefeito Emanuel Pinheiro.

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Dr. Aldebaram | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 21h56
    8
    2

    Uma pena. Menos um lugar para comprar alimentos.

  • J.José | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 21h38
    4
    14

    Este estabelecimento ñ tem Bom atendimento , é o quê ouço por aí, Ñ chega no pé da Marechal!

  • Contribuinte | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 20h03
    9
    3

    E quem ficar sem emprego vai se alimentar de que? Alguém precisa dizer como se fica isolado sem ter o que comer? Precisa ser encontrado uma solução pra isso! Tem famílias que já não tem o que comer!

  • Bolsonaro | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 20h02
    7
    11

    sabe o que isso significa? nada. até porque uma padaria que vai duas duzia de granfino. kkkk

  • joana | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 19h47
    7
    2

    cerca de 100 funcionarios????

  • Fabia Ribeiro | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 19h39
    13
    3

    Sei sei... se não foi pq o movimento despencou !!! Acredito muito nessa conversão que foi por prevenção.

  • Eleitor | Segunda-Feira, 06 de Abril de 2020, 19h37
    16
    9

    Uma medida radical dessa não faz sentido nenhum para um estabelecimento do ramo de mercados. Eles já estavam tomando as precauções necessárias. Fui lá umas 3x desde que se iniciou a "quarentena" em Cuiabá, e agora ficará mais difícil comprar alimentos e suprimentos do dia-a-dia. REPENSEM ISSO!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS