Mundo Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 08h:16 | Atualizado:

Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 08h:16 | Atualizado:

HOMOSSEXUALISMO

Advogado chama servidor de “viado” em petição

 

MIGALHAS

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

peticao.jpg

 

Em petição apresentada a uma vara de Família do TJ/DF, o advogado Marco Antonio Jeronimo chama um servidor do TJ/DF de "viado espalhatoso". Ele completa dizendo que a preferência sexual do ocupante do cargo de diretor de secretaria "“homossexualismo, o que é uma condição explícita e questionável de tal pessoa”.

No trecho, o causídico reclama dos trabalhos no cartório daquele juízo, que, segundo ele, “têm ficado a desejar há algum tempo”, e que a direção do cartório “apresenta-se deficiente do ponto de vista técnico”. O caso teria ocorrido na semana passada. A OAB já informou que vai investigar a conduta do advogado, a ser analisada pelo TED da entidade.

Ofensas

O servidor a quem o advogado dirigiu as ofensas não trabalha mais como diretor de secretaria da vara desde dezembro passado. O funcionário, que trabalha no TJ há 19 anos, contou ao G1 que já teve uma discussão com o advogado, quando este pediu que fosse realizada, pela segunda vez, uma medida processual que já havia sido feita. O causídico teria, então, perguntado ao servidor: "O senhor é homem? Porque eu sou".

A magistrada que recebeu a petição informou o servidor sobre as declarações de Marco Antonio para que possa tomar as medidas cabíveis.

Em declaração ao G1, o advogado teria voltado a fazer declarações homofóbicas, além de ofender jornalistas. À reportagem, disse que "a súcia de 'viados' jornalistas mundo afora não me constrange, e nunca me constrangerá. Apenas continuará sendo uma escória querendo ser gente".

Além disso, Marco Antonio é réu em pelo menos cinco ações na Justiça do DF, duas delas por injúria também contra servidores do TJ/DF. No ano passado, ele foi condenado a um mês e dez dias de detenção, em regime aberto.

Jerônimo ainda é acusado de violência doméstica e réu em ação penal após ter sido flagrado dirigindo sob influência de álcool ou drogas. 

Combate à LGBTIfobia

A OAB/DF criou canal de denúncias para advogados que sofreram preconceito de gênero. As queixas podem ser feitas pelo e-mail [email protected]. A seccional informou que está apurando o caso ocorrido contra o servidor.

Além do canal, acontece hoje, às 19h, em Brasília o lançamento da campanha de combate à LGBTIfobia na advocacia, uma iniciativa também da OAB/DF. O encontro acontece no mezanino da OAB/DF (plenário José Gerardo Grossi, SEPN 516,  Bloco B, Lote 7 – Asa Norte).

 





Postar um novo comentário





Comentários (1)

  • Lucas

    Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 10h54
  • Imagina um sujeito desse portando uma arma de fogo.
    0
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet