05 de Dezembro de 2019,

Mundo

A | A

Terça-Feira, 29 de Abril de 2014, 04h:25 | Atualizado:

Gilmar Mendes considera declaração de Lula sobre julgamento do mensalão "engraçada"

O ex-presidente Lula concedeu uma entrevista a uma emissora portuguesa afirmando que não houve mensalão e que 80% do julgamento tratou-se de uma decisão política e 20% jurídica. Em entrevista exclusiva à Rádio Jovem Pan, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, considerou o enquadramento preciso do percentual citado pelo presidente "engraçado".

Marco Aurélio Mello rebate fala de Lula e diz que decisão do mensalão foi "estritamente técnica"Marco Aurélio Mello rebate fala de Lula e diz que decisão do mensalão foi "estritamente técnica"

Em um misto de cinismo e estupidez, Lula se excede na TV portuguesa

"Nós não podemos esquecer que o presidente já pediu desculpas à nação pelo fato da existência da prática do mensalão. Agora, ele já disse outras vezes que o mensalão não existiu, que o mensalão foi parcial. Agora, inclusive, nós temos esta conta, que também é muito singular. Julgamento político em 80%, 20% jurídico. Como ele não é da área jurídica, talvez também ele esteja adotando um outro critério. Porque nós não sabemos fazer esse tipo de contabilidade no âmbito do tribunal, nós que lidamos todo dia com processos", ironizou o ministro. "Como se enquadrar nesse percentual preciso de 80% e 20%. Está tudo muito engraçado", completou.

Ainda hoje outro ministro rebateu as declarações de Lula. Confira aqui

Gilmar Mendes ainda considerou errado dizer que o julgamento foi político, o que significa que não foi um julgamento, algo que não tem nenhum sentido para ele.

"O tribunal se debruçou sobre esse tema já no recebimento da denúncia. Depois, houve várias considerações técnicas, houve rejeição da denúncia em muitos pontos, depois houve toda uma instruição processual e julgou com clareza, examinou todas essas questões. Veja, esse tribunal é insuspeito porque, basicamente, ele foi indicado (...) pelo governo petista", afirmou o ministro.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS