05 de Agosto de 2020,

Mundo

A | A

Domingo, 24 de Agosto de 2014, 06h:21 | Atualizado:

Legalizar maconha é criar nova indústria do vício, diz conselheiro de Obama

Legalizar o uso da maconha cria mais uma "indústria do vício" e, ainda, não ajuda a acabar com o tráfico, afirma Kevin Sabet, 35, especialista norte-americano que integrou a equipe de controle de drogas do governo de Barack Obama. Para ele, a politização do "tema da moda" mascara o impacto da droga na saúde pública, cujo consumo cresce entre adolescentes.

Em entrevista exclusiva ao UOL, Sabet mostrou dados de uma pesquisa recente que apresentará na palestra "Impacto da legalização das drogas", organizada pela SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina. O evento ocorre neste sábado (23) em São Paulo.

Um dos casos analisados por Sabet é o do Colorado, que permite tanto o uso da "maconha medicinal" (desde 2001) como recreativa (a partir deste ano). No Estado, a venda da droga é proibida para menores de 21 anos. Mesmo assim, sete em cada dez adolescentes em tratamento contra dependência química admitiram ter usado maconha medicinal de outra pessoa –e, em média, isso ocorreu 50 vezes.

Ainda no Colorado, Sabet afirma que o número de jovens entre 12 e 17 anos que usaram maconha cresceu de 8,15% (em 2009) para 10,47% (em 2011), bem acima da média nacional, que é de 7,55%.

No caso de adultos no Estado, dobrou o número de motoristas que, sob o efeito de maconha, se envolveram em acidentes de carro com morte. O índice passou de 5% em 2009 para 10% em 2011.

Nos 19 Estados norte-americanos que permitem o uso de maconha em tratamentos médicos, Sabet diz que três em cada cinco estudantes do último ano do ensino médio conseguem drogas com "amigos". Só 25% compram drogas de traficantes ou estranhos. A margem de erro não foi informada.

O sociólogo, que estuda há 18 anos políticas em relação a drogas e atualmente é conselheiro sênior do Instituto de Pesquisa de Crimes e Justiça da ONU (Organização das Nações Unidas), diz que os números são alarmantes. "É a inauguração de uma nova indústria que quer apenas aumentar o vício das pessoas."

Até mesmo o uso da maconha para tratamento médico é desaprovado por Sabet. "Nós não chamamos a morfina de 'heroína medicinal'. Usar o termo 'maconha medicinal' só confunde as pessoas e vem acompanhado da crença de que você tem de fumar para obter os benefícios", critica. 

Atualmente, ele se dedica ao Projeto SAM – Smart Approaches to Marijuana (Abordagens Inteligentes para a Maconha). A organização sem fins lucrativos tem como missão diminuir o uso de maconha no mundo, "sem demonizar, nem legalizar" a droga. 

 



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS