Mundo Terça-Feira, 30 de Abril de 2019, 16h:18 | Atualizado:

Terça-Feira, 30 de Abril de 2019, 16h:18 | Atualizado:

EXTORSÃO DE CLIENTES

Mulher transexual presa é encaminhada para presídio feminino

 

G1

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

natalia2.jpg

 

A mulher transexual presa em Sorocaba (SP) suspeita de extorquir clientes após programas sexuais foi encaminhada para um presídio feminino. O delegado responsável pelas investigações do caso, Acácio Leite, explica que foi respeitado o gênero com o qual a suspeita se identifica.

Júlia Emanuelly Fagundes Santos, de 19 anos, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e, com isso, foi encaminhada à Penitenciária Feminina de Votorantim (SP). A comparsa da suspeita, a também mulher transexual Nicolly Fagundes Vieira, de 24 anos, continua foragida da polícia. "Por ser transexual, ter um nome social e se entender como mulher, a Júlia foi encaminhada para um presídio feminino, respeitando o gênero com o qual ela se identifica", explica o delegado.

A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou que o nome de Júlia Emanuelly Fagundes Santos não tinha sido incluído, até segunda-feira, na Penitenciária Feminina de Votorantim. "Informamos ainda que nesta mesma unidade não existem presas trans", completa a nota.

para saber sobre o procedimento em caso de detenta trans, mas não obteve resposta até a publicação.

Júlia e Nicolly são suspeitas de extorquir clientes após a realização de programas sexuais. Ainda segundo Leite, as duas atraíam as vítimas usando anúncios na internet e os programas eram todos realizados na casa delas, no Parque São Bento II, na zona norte da cidade. "Enquanto uma delas fazia o programa com o cliente, a outra tirava foto do carro e pesquisava sobre a vida dele na internet. Se ele deixava a carteira à mostra, por exemplo, elas tiravam fotos dos documentos. Na hora que o cliente ia pagar pelo programa, que girava em torno de R$ 200, elas ameaçavam contar para a família da vítima sobre o programa e assim extorquiam mais dinheiro".

O delegado ainda explica que, por se tratar de um crime que envolve muito constrangimento às vítimas, pois muitas são casadas e procuram pelos programas sexuais escondidos da família, a polícia teve dificuldade de acesso a informações.

Ainda segundo o delegado, em dois meses de investigação, somente duas vítimas procuraram a polícia, sendo que apenas uma admitiu, de fato, que foi extorquida após o programa, diz Leite. Dela, a dupla chegou a extorquir R$ 2 mil, além dos R$ 200 referentes ao programa.

Já a segunda vítima alegou que teria sido roubada e agredida pela transexual Júlia. "As investigações apontam que, na verdade, ele também foi vítima da dupla após a realização do programa. A Júlia utilizou uma máquina de cartão para fazer várias transações no valor total de R$ 1,7 mil", acrescenta o delegado.

Leite pede que outras pessoas que também foram extorquidas pela dupla procurem a polícia. A investigação segue no 8º Distrito Policial, que fica na Avenida Itavuvu, zona norte de Sorocaba. A identidade dos envolvidos será mantida em sigilo, garante o delegado.





Postar um novo comentário





Comentários (3)

  • ELIAS

    Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 07h30
  • Põe la.no presidido masculino..é bom pros presos usar pra descarregar a pistola.e eles se sentirem mulher...uiii
    0
    0



  • John

    Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019, 05h58
  • HOMEM TEM QUE FICAR COM HOMEM FOLHAMAX NAO CONFUNDA CENTAVOS NOVOS COM SENTAR NOS OVOS TCHAU OBRIGADO !
    0
    0



  • Rog?rio

    Terça-Feira, 30 de Abril de 2019, 17h53
  • Tá errado, homem tem de ficar preso com homem, mulher com mulher. Tá virando bagunça, o mito não vai gostar de saber disso.
    7
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet