Mundo Terça-Feira, 09 de Julho de 2024, 22h:00 | Atualizado:

Terça-Feira, 09 de Julho de 2024, 22h:00 | Atualizado:

GUERRA DO PODER

Queda de pastor “talarico” causa racha entre fiéis e disputa por poder

Vice-presidente da Assembleia de Deus de Brasília foi acusado de trair a esposa com uma fiel

METRÓPOLES

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

pastor-motel

 

Após vir à tona o caso de traição do pastor “talarico” Manoel Pereira Xavier, 51 anos, o racha entre fiéis e o comando da Assembleia de Deus de Brasília (Adeb) ganhou um novo capítulo com o anúncio de dois pastores ligados à cúpula da igreja para sucederem os postos de vice-presidente e coordenador do Setor 2 da igreja. Até então, os cargos eram ocupados pelo ministro que pediu renúncia após protagonizar o escândalo.

A descoberta da traição cometida pelo pastor com uma “irmã” de uma das maiores e mais tradicionais igrejas evangélicas do Distrito Federal, fundada em 1959, gerou revolta entre os fiéis com relação às lideranças do templo.

Isso porque, segundo os integrantes, por conta da ligação familiar, as lideranças da Adeb estariam tentando encobertar o adultério de Manoel. Um dos irmãos dele, o pastor Orcival Pereira Xavier, 68 anos, é o presidente da Adeb.

Devido à dimensão e expansão do ministério, com mais de 450 congregações no DF, além da igreja sede, a Adeb é organizada em 29 Setores que abrangem todas as regiões administrativas da capital do país.

O templo sede, situado em Taguatinga, conta com 1.550m², e tem capacidade para comportar até 2,2 mil pessoas. Segundo informações que constam no site da Adeb, somente esta unidade conta com mais de 700 membros.

Para os frequentadores das congregações, as trocas recentes no comando da assembleia, anunciadas após a exposição do suposto adultério do pastor, seriam no intuito de “manter o reinado da família que lidera a igreja e abafar o escândalo”.

pastor-motel

 

Fontes ouvidas pela reportagem contaram que foi decidido durante uma reunião que o pastor Ademar de Sena Sampaio, 1º tesoureiro da Adeb, vai suceder a vice-presidência. À frente do Setor 2 da igreja fica o pastor Daniel Pereira Xavier, irmão de Manoel e Orcival.

“No início dessa confusão, o pastor Daniel chegou a assumir que era ele no carro flagrado no motel, na tentativa de proteger o irmão. Mas como ele é da família real, nada acontece de verdade. Eles querem manter o reinado da família que lidera a igreja e abafar o escândalo”, disse uma fiel que preferiu não se identificar.

Diante das mudanças no comando do templo religioso, os frequentadores têm se questionado quanto à escolha, considerada tendenciosa por eles, dos dois pastores citados para os cargos ocupados por Manoel.

“O pastor Orcival realmente quer fazer da Adeb, igreja fundada na criação de Brasília, um reduto familiar, querendo emplacar mais um irmão, Daniel Xavier, como coordenador de setorial?”, indagou o administrador do perfil Adeb Notícias, responsável por expor o caso de traição.

Os fiéis também têm se perguntado a respeito da escolha do pastor Ademar como vice-presidente, tendo em vista a proximidade entre ele e a família Xavier. Conforme apurado, o então 1º tesoureiro da Adeb e o pastor Manoel também ocupam juntos cargos comissionados no gabinete do deputado distrital Iolando Almeida (MDB).

“É normal a indicação do contador da igreja, das instituições ligadas à Adeb, da Associação Beneficente Evangélica (ABE), e amigo pessoal do pastor Manoel para sucedê-lo?”, perguntou o administrador da conta.

Debandada

Pessoas ouvidas pelas reportagem relataram que muitos dos membros, decepcionados, fizeram uma debandada e saíram da assembleia após tomarem conhecimento das trocas no comando e terem visto as provas da traição do pastor.

“Acredito que eles enxergam essa troca como seis por meia dúzia. Muitos fiéis já não frequentam mais a igreja. O que dá a entender é que esse envolvimento ministerial, político e familiar, sustentado há muitas décadas, está perdendo a credibilidade”, comentou um fiel que preferiu não se identificar.

Após vir à tona o caso de adultério dentro da assembleia, os fiéis esperavam a criação de uma comissão isenta, para apurar fatos, e buscar ouvir todos os envolvidos. No entanto, as provas da traição do pastor Manoel estariam sendo colocada para debaixo do tapete da igreja.

“Está tendo até um confronto aí contra os irmãos, porque muitos não acreditam que o pastor fez isso, mas tem tudo documentado. Só que foi feito um acordo com eles no gabinete, que não era pra vazar nem foto e nem as filmagens dele saindo do motel, dele na casa da mulher, porque o irmão dele, o pastor Orcival, é o líder das igrejas. O que ele fez? Falou que ia resolver, e não resolveu nada”, acusou outra fiel.

O regimento interno da Convenção dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus de Brasília e Goiás (Comadebg) que dispõe sobre a aplicação de penalidades nos casos e na forma previstos na Bíblia Sagrada. No entanto, os fiéis também se perguntam sobre a atuação desse grupo quanto a situação do pastor Manoel.

“Descaradamente eles sempre se blindaram. O presidente do Conselho de Ética da Comadebg é outro irmão deles, o pastor Édson Pereira Xavier. Aguardarmos uma comissão isenta, composta por ombreiros honrados pelo ministério, para apurar os fatos, que até agora não foi instaurada”, apontou uma frequentadora.

Na manhã de sábado (6/7) ocorreu a reunião mensal dos ombreiros na sede da Adeb. “Estava todo mundo apreensivo para esse encontro. Todos torcendo para algum pastor sério se levantar e solicitações explicações. Porque até agora eles estão falando que é tudo fake news”, comentou outro membro.

pastor-motel

 

De acordo com outro fiel ouvido, durante o encontro, o pastor Orcival teria dito que irá formar uma comissão para apurar os fatos. “Porém, ele afirmou que a comissão só iniciará os trabalhos quando pararem de divulgar fake news nas redes sociais. Também falou que o pastor Manoel vai continuar afastado até que a investigação seja concluída”, disse.

Descoberta de traição

Conforme exposto em perfil criado no Instagram para expor a traição, Adeb Notícias, um homem, desconfiado das visitas constantes de Manoel à casa da ex-esposa, procurou outro pastor da igreja para reportar a suspeita de traição, em abril.

Ele informou que o “pastor talarico” da assembleia encontrava-se com a mulher dele e que saíam juntos com frequência. Intrigado, o pastor que recebeu a denúncia resolveu contratar um detetive para apurar os fatos. Talarico é um termo popular brasileiro usado para se referir a uma pessoa que trai ou se envolve com alguém compromissado. É empregado como sinônimo de traidor.

Para surpresa de todos, a suspeita foi confirmada pelo detetive — que, ao monitorar o pastor adúltero, com um rastreador, descobriu que eram frequentes as visitas dele a um motel em Ceilândia, na companhia da “irmã” da igreja.

Certo dia, o rastreador indicou que o carro de Manoel estava no estabelecimento. Alguns membros, então, resolveram se deslocar ao local para averiguar se, de fato, tratava-se do pastor. O veículo dele foi visto saindo do motel. Porém, quando o grupo tentou abordá-lo, o pastor teria saído em disparada.

Fotos, vídeos e dados do rastreador que comprovavam a suspeita de traição foram levados ao pastor presidente Orcival Pereira, que teria minimizado a situação, alegando não ser possível afirmar que Manoel estaria no interior do veículo visto no motel.

De acordo com o perfil que expôs o adultério, a diretoria da igreja convocou reuniões com pastores próximos, na tentativa de convencê-los de que se tratava de “um levante do inimigo e calúnias de pessoas inescrupulosas querendo derrubar” o outro pastor.

Assembleia se manifesta

Em publicação divulgada nas redes sociais, a Assembleia de Deus destacou que não compactua com qualquer tipo de má conduta ou com desrespeito à ética cristã.

“Reafirmamos nosso compromisso com os princípios morais e éticos que regem nossa instituição e informamos que todas as medidas necessárias foram tomadas internamente para apurar e corrigir quaisquer desvios de conduta”, destacou a igreja, por meio de nota.

A assembleia também negou que as informações expostas pelos fiéis nas mídias sociais retratem a verdade ou decisões tomadas pela diretoria. “A Adeb mantém o compromisso com a transparência, a integridade e continuará trabalhando para garantir que membros e líderes ajam sempre de acordo com os preceitos cristãos e legais”, afirmou.





Postar um novo comentário





Comentários

Comente esta notícia






Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet