15 de Julho de 2020,

Opinião

A | A

Terça-Feira, 02 de Junho de 2020, 08h:16 | Atualizado:

Marcelo Bussiki

Onde foram parar os R$ 41 milhões, Emanuel Pinheiro?

marcelobussiki-artigo.jpg

 

Não é novidade para ninguém que faltar com a verdade sempre foi a tônica do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro. Não apenas em sua gestão enquanto chefe do Executivo municipal, mas em toda a sua trajetória política, na qual se destacou por defender ferrenhamente  – na tribuna da Assembleia  – um dos maiores corruptos de Mato Grosso de todos os tempos: Silval Barbosa.

Em tempos de pandemia, com a vida dos cuiabanos em jogo e ameaçadas pela covid-19, era esperado que o prefeito da “humanização” deixasse temporariamente de lado seus interesses eleitoreiros e as condutas questionáveis que os corredores do Alencastro já não conseguem mais silenciar.

Ao contrário. Descaradamente e criando dificuldade na fiscalização, Pinheiro embolsa R$ 41 milhões do Governo Federal, que deveriam ser usados no combate ao coronavírus, e se nega a dizer onde aplicou o valor, uma vez que não foi criada uma única UTI nova para o tratamento da doença.

Pior: o prefeito nem em uma situação como essa deixou de lado sua mania de fechar. Já deixou fechar a Santa Casa no ano passado, que pouco depois foi salva e reaberta pelo Governo do Estado. Agora decidiu fechar 40 UTIs que haviam sido remanejadas no Hospital Municipal, mesmo depois de o Ministério da Saúde ter depositado dinheiro para que essas unidades fossem custeadas até julho.

A situação chegou ao ponto de a Procuradoria Geral do Estado pedir providências ao Ministério Público Federal (MPF), tamanha a falta de transparência. Não bastando, a tropa de choque do prefeito ainda impediu a Secretaria de Estado de Saúde em fiscalizar as UTIs – se é que elas existem de fato.

Acuado pela denúncia, que foi corroborada com documentos assinados pela própria prefeitura, Emanuel usou as artimanhas que aprendeu acumulando décadas de bagagem enquanto carreirista da velha política: tentar desviar o assunto.

Aproveitando das rusgas já existentes com o governador Mauro Mendes, tentou emplacar que a denúncia seria eleitoreira e motivada por fatos pessoais. Que o governador seria “frio e calculista” e estaria cometendo “crime de segurança nacional” ao criar pânico na população.

A ironia é que apenas e tão somente o próprio Emanuel fala repetidamente em eleição. Apenas ele cria pânico, porque excluir 40 UTIs no meio de uma pandemia é de causar pânico mesmo. O governador “frio e calculista” triplicou, em dois meses, os leitos de UTI em Cuiabá e Várzea Grande. O prefeito “humano” não abriu nenhum e fechou 40.

Na psicologia, as repetidas mentiras de Emanuel fazem parte de um fenômeno chamado de projeção: como mecanismo de defesa, se projeta no outro os erros que a própria pessoa comete. Mas não é preciso esforço para saber que o caso de Emanuel não se trata de um problema psicológico, mas de caráter.

Somente o prefeito rebaixa um tema tão delicado de saúde pública para acusações de nível pessoal sem qualquer ligação com os fatos, provados por documentos. Emanuel, isso não é uma disputa de Miss Brasil. A população cuiabana não está interessada em saber qual gestor sorri mais, mas em providências efetivas para frear o vírus.

E quais as providências tomadas pelo prefeito com os R$ 41 milhões que recebeu? Tentar contratar a TV do compadre Chico Galindo por meio milhão? Contratar drones para passear em condomínios por R$ 850 mil? Tentar limitar a frota de ônibus para submeter os trabalhadores a se aglomerarem e contraírem o vírus?

As medidas do prefeito até agora não só foram insensatas, como irresponsáveis. Fechou todo o comércio com um único caso confirmado. Contribuiu para a quebradeira e o desemprego de centenas, senão milhares de cuiabanos. Cuiabanos que não contam com maços de notas de R$ 50 guardados em casa para garantirem o sustento de suas famílias durante os meses que a pandemia perdura. Agora que Cuiabá está chegando a 800 casos, manda reabrir de novo. Isso sim é a política genocida.

A verdade é uma só. Nenhum respirador comprado. Nenhum leito criado. Nenhuma ampliação de hospital. Nenhum documento ou nota fiscal que demonstre as aquisições de qualquer equipamento para estruturar UTIs, nem sequer as existentes.

A pergunta que Emanuel não quer responder, mas a população exige resposta é: onde foram parar os R$ 41 milhões? Porque, convenhamos, nem o mais largo dos paletós conseguiria carregar tamanha quantia.

* Marcelo Bussiki é vereador por Cuiabá e auditor do Tribunal de Contas do Estado.

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS