26 de Fevereiro de 2020,

Opinião

A | A

Sexta-Feira, 17 de Janeiro de 2020, 10h:32 | Atualizado:

Renato Nery

Retalhos

renatonery.jpg

 

Acabei de ler o livro de Aécio Pamponet – Retalhos – Editora Zarte – Feira de Santana-BA – Ed. 2019. Há muito tempo não me chegava as mãos um livro da singeleza e de magnitude tão impares. 

O autor consegue fazer sua autobiografia contando fatos isolados, que entrelaçam entre si e prendem o leitor do início ao fim, através de diversos textos sobre a sua trajetória. De menino humilde do interior da Baia a universitário, líder estudantil e preso político com direitos suspensos. Um escritor sensível, singelo e fecundo. E também político sem futuro por formação e temperamento, seara onde teve severos desapreços e decepções. Bem como a família e os amigos que ele trata com generoso apreço. 

Um homem moldado com os reveses da vida que ele ama sem rancor ou ressentimentos. Enfim, como poucos, aprendeu que aos homens salva o caráter. “Vou morrer preferindo o caráter às ideologias”.

O autor é um mestre nos ensinamentos da vida e o livro um aprendizado. De uma sensibilidade tangível. Um fiel escudeiro de Guimarães Rosa e Manuel de Barros. Autores que ele cita com propriedade e em profusão, para dar maior abrangência, beleza e consistência na obra. Veja algumas pérolas do livro: 

- Onde não há terra boa, vicejam ervas daninhas. Onde não há liberdade, manda a estupidez.

- Ela a vida, só ficou me devendo a criança que o mundo dos homens sérios um dia me roubou;

- E que a sua obsessão argentária lhe rendeu resultado econômicos, mas lhe negou viver com desapego, leveza e alegrias, por que não aprendeu que o dinheiro é o grande equívoco da vida;

- Vai, amigo-irmão. Por que a lei da vida é perder. A gente vive mesmo é para subtrair. Cada um dos nossos quando se vai, leva um pouco da gente;

- Há pessoas imortais dentro de nós.

O que fazer diante do destino selado, da truculência, da insensatez, da desesperança e dos reveses da vida: continuar remando na “terceira margem do rio”.

O autor é uma pessoa que e eu gostaria de encontrar para conversar – “..... para bestar, para ficar idiotando pelas calçadas pra lá pra cá”, como afirma, com propriedade e pertinência, o seu amigo Francisco Dantas.

A última pérola do autor - No tempo que ainda me resta, quero viver como sempre vivi: plantando flores na catinga e colecionando retalhos da vida -.

Por fim, uma síntese que evoco para finalizar estes toscos rabiscos: - Do que deixei escrito nestas páginas se desprenderão sempre – como nos arvoredos de outono e como no tempo das vinhas – as folhas amarelas que vão morrer e as uvas que viverão no vinho sagrado - (Pablo Neruda – Confesso que vivi).

Renato Gomes Nery. E-mail – rgnery@terra.com.br

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS