20 de Novembro de 2019,

Polícia

A | A

Quinta-Feira, 14 de Agosto de 2014, 13h:43 | Atualizado:

PESQUISA NACIONAL

Cuiabá é a capital com maior número de bêbados ao volante

leiseca.jpg

 

Cuiabá é a capital do país em que mais pessoas assumem que dirigirem embriagadas e a 4ª em que mais pessoas dizem consumir bebidas alcoólicas durante o mês. Neste último fator, as maiores frequências foram observadas entre os homens (19,8%).

Os dados foram apontados na última pesquisa realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por inquérito telefônico (Vigitel) em 2013.Para o coronel Átila Wanderley da Silva, secretário executivo do Gabinete de Gestão Integrada (GGI), a pesquisa explica o grande número de pessoas autuadas durante a operação “Lei Seca”. “A quantidade de autuações infelizmente tem se mantido constante. Este ano já realizamos 11 operações, e nem por isso o número de condutores embriagados reduziu”.

Segundo Silva, o fator que apresentou redução foram as prisões em flagrante, que só acontecem caso o teste de etilômetro aponte um índice de álcool no sangue acima de 0,34mg/l. “As pessoas acham que ao beber pouco estão aptas a conduzir um veículo, porém é aí que tragédias acabam acontecendo. O número de prisões em flagrante reduziu, porém as autuações tem se mantido”.

Titular da Delegacia de Delitos Trânsito (Delatran), o delegado Christian Cabral explica que as mudanças em Cuiabá terão que acontecer de maneira gradativa. “Os motoristas cuiabanos ainda não estão acostumados com a ação punitiva. Por isso, trabalhamos em paralelo com campanhas educativas, já que a nossa intenção não é punir, e sim prevenir”.

Em se tratando da liderança da capital, quando o assunto é álcool e volante, Cabral aponta fatores que colaboram para a imprudência dos condutores. “Cuiabá é uma cidade com poucas atividades de lazer e o clima é muito quente, o que acaba tornando o álcool um atrativo. Ingerir uma cerveja após o trabalho, por exemplo, se tornou algo cultural”.

Ele ainda conta que durante operações da “Lei Seca”, já aconteceu diversas vezes de o condutor solicitado pelo motorista autuado para buscar o veículo, também chegar ao local embriagado. “Parece brincadeira, mas isso já aconteceu mais de uma vez, o que torna a situação ainda mais alarmante”.O delegado fala que apesar da operação “Lei Seca” ainda incomodar muita gente, a população tem aprovado as ações. “A ação é mal vista pelo imprudente que acha normal dirigir bêbado arriscando não só a própria vida, como a dos outros. Mas a sociedade, em geral, tem nos apoiado”.

Com números considerados preocupantes pelo GGI, municípios de todo o Estado também estão solicitando a realização da operação. “No interior o panorama não muda, e chega a ser mais preocupante. Na maioria das vezes os condutores são flagrados dirigindo nas rodovias próximo as cidades e em estado de total embriaguez”, diz Átila.

Segundo o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Kellen Arthur Preza Nogueira, a preocupação com motoristas que dirigem alcoolizados tem se estendido às rodovias federais. “A falta de consciência prevalece nas rodovias, onde um acidente causa um prejuízo de modo geral, pois bloqueia as estradas, atrasa o serviço de muitas pessoas e fora as mortes, que poderiam facilmente ser evitadas”.

Segundo Nogueira, só no município de Sorriso (420 km ao Norte de Cuiabá) mais de 125 motoristas foram presos por dirigir alcoolizados. “Esse número representa 52% de todas as prisões por este mesmo motivo, em todo o Estado”.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS