06 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 13h:04 | Atualizado:

PRODUÇÃO X ARRECADAÇÃO

"A conta não fecha", diz Botelho

Alair Ribeiro

taques-botelho (1).jpg

 

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (PSB), disse, em entrevista à Centro América FM, nesta segunda-feira (5), que "a conta não está fechando", se referindo ao aumento na produção de grãos do estado e a alegação do governo de que reduziu a arrecadação com o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

"Tivemos uma safra recorde de grãos. O aumento da produção foi de mais de 20%, então, esperávamos que tivesse também um reflexo no Fethab (Fundo Estadual do Transporte e Habitação) e na arrecadação do ICMS, mas não houve isso, então temos que investigar. Isso não pode, alguma coisa está errada e tem que ser investigada", declarou.

A CPI das "Pedaladas Fiscais", instaurada em janeiro na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), vai investigar a arrecadação e destinação de recursos do Fethab e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

"A CPI também vai investigar essa arrecadação do Fethab, mas a Secretaria de Fazenda e a Delegacia Fazendária também estão investigando, especialmente a sonegação de ICMS", disse o presidente da Assembleia.

Pedido de impeachment

Sobre o pedido de impeachment protocolado na semana passada na Casa de Leis pelo presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso (Sinjusmat), Rosenwal Rodrigues dos Santos, Botelho avaliou que o repasse do duodécimo aos poderes é constitucional.

"Está na Constituição Federal a independência dos poderes, os repasses desse dinheiro. Tudo é motivo, mas estamos analisando a situação do estado", disse.

Na casa do governador

Botelho afirmou, ainda, que participou de uma reunião com o governador Pedro Taques (PSDB) no último sábado (3), na casa dele, onde foram desmentidos os boatos de que as relações entre Taques e o vice dele, Carlos Fávaro (PSD), estavam estremecidas.

"Foi [uma reunião] para o governador acabar com o burburinho de que o vice está traindo ele e de que ele está brigado com o depuado federal Nilson Leitão (PSDB). O vice disse a todos que está alinhado com o governador e trabalhando, inclusive, em um projeto de reeleição de Pedro Taques. Nilson disse que eles conversaram e que o governador não vai mais sair do PSDB, que estão juntos", disse.

 



Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Mizaell | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 15h31
    5
    0

    Pode aumentar em 100% a produçao agricola em MT, emquanto produtores nao pagarem icms sobre o produto exportado sera isso, pessoas ricas e estado pobre!

  • dito | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 13h42
    28
    3

    O Voto não bate! não devemos mais votar em pessoas que não tem jogo de cintura, não reclame do governo passado jogando a culpa so pra eles e que não jogue so no rabo dos servidores. A conta não fecha população vamos votar diferente em 2018 limpar todos já.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS