22 de Julho de 2019,

Política

A | A

Quarta-Feira, 19 de Junho de 2019, 19h:34 | Atualizado:

162 VAGAS

AL cobra prorrogação de concurso na Secitec

borgato-al.jpg

 

Depois de um ano de vigência e sem nenhum nomeado, o concurso da Secretaria de Estado Ciência e Tecnologia (Secitec) para 162 vagas realizado em 2018 perdeu a validade no dia 11 de junho. Diante da situação, diversos deputados estaduais cobraram a prorrogação do concurso, durante reunião com o secretário Nilton Borgatto, na tarde de terça-feira (18). Borgatto esteve na Assembleia Legislativa atendendo a convocação feita pelo deputado Lúdio Cabral (PT).

“Há uma escolha política do atual governo de não nomear os concursados e não levar adiante a política pública do ensino médio integrado ao técnico. É uma pena. Deveria haver uma política de Estado para formar jovens para o mercado de trabalho. Se não houver prorrogação, cada aprovado nesse concurso vai entrar com mandado de segurança para ser nomeado, pois há um direito adquirido”, afirmou Lúdio.   

O secretário disse que o governo não tem planos de prorrogar o concurso. Borgatto informou, ainda, que a intenção é nomear apenas 16 pessoas, dentre os 162 aprovados. “Estamos renovando alguns contratos temporários. A demanda de alguns cursos é sazonal”, justificou Borgatto.

“Na Secitec, os contratados são mais que o dobro dos aprovados. Eu não estou pedindo nenhuma indicação, eu estudei e passei em um concurso”, disse um dos professores aprovados no concurso, Franthyesco Gimenes Moralis, durante a reunião. 

Outro aprovado, André Covari, destacou que existem apenas 86 servidores efetivos na Secitec. “O que era exceção, a contratação temporária, virou regra”, afirmou. Ele defendeu o investimento no ensino técnico. “O ensino gera inovação, que gera conhecimento, e torna a nação mais desenvolvida”, disse.

O concurso foi realizado em 2018 atendendo a uma decisão judicial, em uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual (MPE) em 2011. O objetivo do certame era preencher vagas já existentes nas escolas técnicas estaduais e outras que seriam abertas com a conclusão de obras de novas escolas.  

O deputado Dr. João José (MDB) também cobrou prorrogação da validade do concurso. “Em um país pobre como o nosso, escola técnica é fundamental. O governo deveria prorrogar o concurso por mais um ano para fazer um estudo de quantas pessoas ainda podem ser nomeadas”, sugeriu. 

“Se há previsão legal, nada mais justo que prorrogar o concurso e chamar mais alguns aprovados”, defendeu o deputado Ulysses Moraes (DC). Também participaram da reunião os deputados Valmir Moretto (PRB), Thiago Silva (MDB), Elizeu Nascimento (DC) e a deputada Janaina Riva (MDB). 

 

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Osmar Cabral | Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019, 21h41
    1
    0

    Toma os Mané que votaram em Mauro Mendes..... Eu falei que ele e o vice não gosta de servidor público...... Por isso votei em Taques, é mais consciente..... E podem anotar : ele não vai dar posse para os aprovados, não vai fazer concurso,. Vai prorrogar a mentira da calamidade, etc. Etc Acorda povo..... Ele vai fazer de MT a empresa privada dele.....

  • Lu | Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019, 10h21
    0
    0

    A não prorrogação do concurso não exime do estado sua responsabilidade, obrigação de nomear os aprovados do concurso que contam com direito liquido e certo. A falta de investimento na secitec e seduc comprovan a conjuntura política desse governo no qual não pensa na educacao e cresmento das classes mais desfavorecidas. O concurso não abrange apenas vagas de professores mas técnicos de nível médio e superior no qual nao há sazonalidade que justifique a falta de nomeação. Necessidadesde mercado surgem a todo momento e novos cursos tb deveriam surgir para acompanhar secretário. Grotescamente não há sazonalidade que impeça a contratacao não é mesmo? A proporção de comissionados e concursados dessa secretária é aterrorizante.

  • Lu | Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019, 10h19
    1
    0

    A não prorrogação do concurso não exime do estado sua responsabilidade, obrigação de nomear os aprovados do concurso que contam com direito liquido e certo. A falta de investimento na secitec e seduc comprovan a conjuntura política desse governo no qual não pensa na educacao e cresmento das classes mais desfavorecidas. O concurso não abrange apenas vagas de professores mas técnicos de nível médio e superior no qual nao há sazonalidade que justifique a falta de nomeação. Necessidadesde mercado surgem a todo momento e novos cursos tb deveriam surgir para acompanhar secretário. Grotescamente não há sazonalidade que impeça a contratacao não é mesmo? A proporção de comissionados e concursados dessa secretária é aterrorizante.

  • Elvis Crey | Quarta-Feira, 19 de Junho de 2019, 20h19
    5
    0

    Pois é, apenas 6 foram nomeados na data hoje dia 04/02/2019. Porém tem 162 Aprovados, e mais de duzentos contratados, Secitec cabide de emprego. Absurdo!

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS