03 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 00h:47 | Atualizado:

OPERAÇÃO CONVESCOTE

Oficial de Justiça pede afastamento de juíza por "conselho" a assessora; TJ nega

Oficial de justiça preso na Convescote tentou subornar servidora da Sétima Vara


Da Redação

edergomes.jpg

 

A Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) decidiu, por maioria, negar um pedido de suspeição da juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, feito pelo oficial de justiça Eder Gomes de Moura. Ele foi preso, durante a “Operação Convescote”, por ter oferecido R$ 15 mil a uma servidora que atua na Sétima Vara Criminal de Cuiabá para obter informações privilegiadas sobre o andamento das investigações sobre o caso, que tramitava em sigilo.

Edson alegava que, como a magistrada sugeriu que a servidora procurasse o Ministério Público Estadual, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ela teria então feito um aconselhamento de uma das partes, o que a tornaria suspeita de julgar a ação. “Ao determinar que a gestora adotasse referida providência, teria incidido na disposição do art. 254, inciso IV, do Código de Processo Penal, que considera suspeito o juiz que “tiver aconselhado qualquer das partes”. Ademais, alega que a gestora envolvida é diretamente subordinada à magistrada, fato que reforça a sua suspeição para atuar no feito”, dizia o pedido do oficial.

De acordo com os desembargadores, a orientação da magistrada a uma servidora sobre a ocorrência de um fato que configure um crime não pode ser interpretado como um aconselhamento que pudesse resultar em suspeição. “O mero fato de a juíza singular ter orientado servidora a procurar o órgão ministerial para noticiar a ocorrência de fatos que, em tese, configuram crime, não caracteriza o aludido aconselhamento previsto na hipótese do inciso IV, do artigo 254, do Código de Processo Penal, razão pela qual não há falar em sua suspeição para julgar a lide, sobretudo porque não demonstrado indícios de que tenha eventual interesse subjetivo ou objetivo no desfecho da ação penal, ou mesmo a intenção de prejudicar o réu por qualquer outra razão”, diz o relator do pedido de suspeição.

O voto de Sakamoto foi acompanhado pelo desembargador Rondon Bassil Dower Filho. Já o desembargador Marcos Machado foi favorável a pretensão da defesa do oficial de justiça. 

ENTENDA O CASO

De acordo com um resumo na ação, Eder ofereceu suborno para uma servidora que atua na Sétima Vara Criminal, a mesma em que a juíza Selma Rosane é lotada, com o intuito de ter informações do processo relativo a Convescote, que na época ainda tramitava em segredo de justiça.

A servidora então informou a juíza, que aconselhou que a funcionária procurasse o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Agentes do órgão auxiliaram a servidora do judiciário a gravar a oferta de suborno do oficial.

OPERAÇÃO CONVESCOTE

As apurações sobre a Convescote foram feitas pelo Gaeco, que apurou que a Faespe (Fundação de Apoio ao Ensino Superior e Pesquisa), que é vinculada à Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), prestou “consultoria fantasma” ao Legislativo, além de várias prefeituras no Estado.

De acordo com o Gaeco, o esquema de corrupção ocorreu entre 2015 e 2016, período em que o Legislativo foi presidido pelo deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) e teve o deputado Ondanir Bortolini (PR), o "Nininho", na primeira-secretaria. Em 2015, a Mesa Diretora fez um convênio de cerca de R$ 20 milhões ao ano com a Unemat e a Faespe, para auxiliar o trabalho de três Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) e de comissões permanentes instaladas no Legislativo.

As investigações apontaram que, na verdade, a suposta consultoria se transformou em um esquema para desviar dinheiro público dos cofres do Legislativo. 

 

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • Zé urubu | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 12h07
    0
    0

    Kkkkkk........Carla P.........; após a febre amareloa e Zeca né. ......

  • edy marcos | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 10h41
    2
    0

    Se é busca de holofotes, se está queimada no TJ eu não sei, mas mantenha firme. Busque mais holofotes, fique mais queimada ainda no TJ que isso mostra que não é igual a eles. Tem que reduzir o duodécimo do TJ, só serve para prender pobre, preto, analfabeto...dá indenização ínfima para o trabalhador ou pobre lesado de seus direitos.

  • Omega Rugal | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 10h12
    4
    4

    Perderá o cargo playboy..

  • Paulinho | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 09h25
    9
    8

    A que ponto chegam alguns magistrados para ganharem publicidade.

  • juliano | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 08h55
    12
    8

    A atitude da Magistrada não é conselho. É dever de oficio. Se não tivesse adotado providencia, teria prevaricado. Parabens Dra. Selma.

  • TaqueTelhadodeVidro | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 08h40
    7
    3

    Burro hein? Pra ter informações privilegiadas era só se passar por reporter, a Carla Per... ops, a Selma adora passar esse tipo de informação para a imprensa...

  • Juízes sem rostos | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 08h17
    6
    11

    Essa magistrada já queimou tds os seus cartuchos com o TJ,e já existem sinais claros q seus deslizem não mais serão tolerados,chega de amadorismo e busca por holofotes,pois seus erros podem colocar ladeira abaixo,importantes investigações,MAGISTRADOS SOMENTE PODEM FALAR E APARECER NOS AUTOS

  • Antonio José | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 07h20
    4
    6

    Ele está correto. Mas atualmente se vire o tempo do justiçamento que independe da justiça.

  • Manoel | Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2018, 02h19
    5
    5

    O fato de ter dado conselho para procurar o MP é irrelevante, mas o fato de ser uma servidora subordinada que esta alí no dia a dia juntas a torna suspeita uma vez que essa relação diária é mais forte que a de dois irmãos as vezes, a título de exemplo. A prova aí no caso esta praticamente pré constituída, ou seja, no momento que a servidora relatou o fato o Oficial estava condenado, é tudo uma questão de tempo. E não é dessa forma que se deve julgar conforme o devido processo legal. A magistrada deveria tomar iniciativa e desmembrar essa parte do processo, se é que está ligado com o da operação, é menos um stress e de somenos importância. Ademais, se houve os fatos e se a proposta foi séria, deveria se esperar até onde iria chegar, da forma que ocorreu não passa de tentativa e isso se provar que a proposta foi séria e possível de ser concretizada...

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS