15 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 12h:51 | Atualizado:

OPERAÇÃO MALEBOLGE

PF não questiona adulteração de transcrição de áudio de Zanatta e Sílvio


PORTAL MATO GROSSO

Semana 7

pf-sicoob.jpg

 

Relatório divulgado pela Polícia Federal (PF) não questionou a legalidade ou apontou qualquer adulteração ao parecer técnico contratado pelo prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), de transcrição de áudio da conversa mantida entre o ex-secretário de Estado de Indústria, Alan Zanata, e o ex-assessor do ex-governador Silval Barbosa, Silvio Araújo. A PF deixa claro que há possíveis erros no trabalho elaborado pelo perito Alexandre Perez, no entanto, na sua maioria, estão “sem mudança contextual importante”.

“Com isso, fica claro que não houve a intenção de macular qualquer prova”, observa o advogado Andre Stumpf. O áudio e a transcrição em questão estão com a PF desde setembro do ano passado, quando foi deflagrada a Operação Malebolge, que investiga suposto pagamento de propina a deputados durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa e que também arrolou o então deputado Emanuel Pinheiro.

"É evidente essa perseguição individualizada ao prefeito, sendo que há outros investigados e só Emanuel aparece como bode expiatório”, questiona Andre Stumpf

Stumpf avalia que o relatório da Polícia Federal não altera em nada o andamento do processo, pois não possui amparo nos fatos. O advogado salienta que Emanuel Pinheiro se tornou o alvo predileto de críticos que usam da sua visibilidade para se promoverem na mídia. “Tentam, de todas as formas, desfazer uma prova que compete apenas ao juiz da causa fazer a análise. Além do mais, é evidente essa perseguição individualizada ao prefeito, sendo que há outros investigados e só Emanuel aparece como bode expiatório”, justifica.

Para ele, o relatório da PF não se constitui em instrumento para qualificar a prova. “Estão reinventando regras, pois a fase de investigação deverá ser legitimada em Juízo conforme determina o rito processual". Andre Stumpf evidencia que a perícia foi realizada por profissional de competência reconhecida no meio jurídico e se trata de instrumento da defesa. “O documento deve ser resguardado de todas as garantias constitucionais inerentes a defesa", completou.

“O relatório tem 1800 páginas e a minha é uma página e meia só, o que já mostra que a verdade está aparecendo”, disse Emanuel Pinheiro

Ao advogado, causou surpresa a Polícia Federal afirmar em um site de notícias da capital “que a transcrição da perícia de Alexandre Perez trouxe trechos que não constam no áudio, bem como trecho importante transcrito de forma possivelmente equivocada”.

Em um dos trechos questionado, a PF afirma que Silvio Araujo disse: “Só isso, só isso. E falei algumas coisas que eu {fiz}. Só. Nada, nada”. Já na transcrição de Alexandre Perez o texto ficou assim: “Só isso, só isso e falei algumas coisas que eu {quis}. Só. Nada, nada”. “Basta fazer uma pesquisa ao dicionário para ver que os dois termos descritos em primeira pessoa não alteram o teor da gravação. Também queremos a verdade”, finalizou Andre Stumpf.

Em relação ao relatório apresentado pela Polícia Federal sobre as investigações da Operação Malebolge, o prefeito Emanuel Pinheiro afirmou que provará sua inocência. “O relatório tem 1800 páginas e a minha é uma página e meia só, o que já mostra que a verdade está aparecendo”, disse.

 



Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Carlos | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 20h29
    0
    0

    Poise , pf devia e tbm investigar a semob... Porq tem esquema por lá sim

  • Alberto Amarilio | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 16h35
    0
    0

    Ahhhh vai durmir, conta outra historia, Já passaram do limite, todos estao errados, só Emanuel embolsando dinheiro que esta certo. affffff Adv fazendo seu papel né. ta ganhando.

  • Joaozinho que mora logo ali | Quinta-Feira, 15 de Fevereiro de 2018, 15h28
    9
    3

    Vai puxar saco desse Emanuel Pinheiro pra lá!!!! FOLHA MAX, eu passei no radar acima de 60km/h, e recebi a cartinha da SEMOB, incluindo a foto da placa do meu veiculo. Mesmo com esta prova, eu alego que não é verdade, e alego que o veiculo não era meu. Isso sem dizer que eu recebi foto, e não VIDEO. VEJAMOS A CONTRADIÇÃO, SOMOS MULTADOS EM RAZAO DE UMA FOTO. E O PREFEITO É FILMADO CONSTITUINDO TODA A ILUCITUDE A NÃO ACONTECE NADA. É MUITA SACANAGEM NÉ FOLHAMAX (PUXA SACO) O QUE VALE MAIS, FOTO OU VIDEO? Será que se eu entrar com recurso, vão julgar procedente? Por fim, o Emanuel já esta frito, ele so esta esperando a hora de ir para prisão.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS