12 de Agosto de 2020,

Artigos

Política

A | A

Quarta-Feira, 03 de Setembro de 2014, 14h:30 | Atualizado:

ALUGUEL DE CARROS

Wallace dispensa licitação para superfaturar locações em VG

Auditoria técnica aponta falhas no contrato para aluguel de carrpos


Da Redação

UNOWAY_03.jpg

 

Relatório técnico do Tribunal de Contas de Mato Grosso aponta gravíssimas irregularidades num contrato firmado pelo prefeito de Várzea Grande, Wallace Santos Guimarães (PMDB), com a empresa Ribeiro Serviços e Locações Ltda, que forneceu veículos ao município. O levantamento revela fraudes na dispensa de licitação 002/2013, superfaturamento dos aluguéis e pagamentos superiores ao previsto no contrato num montante de R$ 185 mil nio ano passado.

A empresa foi contratada em março de 2103 para locação de 45 veículos leves por R$ 922 mil durante seis meses. O TCE já havia determinado a proibição da renovação do contrato e agora descobre falhas com indícios de desvio de dinheiro público.

Além de Wallace Guimarães, outros secretários da gestão são investigados por "pagamento de despesas referente a bens e serviços em valores superiores ao praticado no mercado e ou superiores ao contratado". Por exemplo, o relatório parcial divulgado nesta quarta-feira pelo Diário Oficial de Contas detalha que somente na Guarda Municipal foram pagos indevidamente R$ 40,4 mil a mais do previsto, além de R$ 3,8 mil a título de seguro veicular não-comprovado.

Já na secretaria de Infraestrutura houve a mesma manobra com pagamentos superfaturados de R$ 45,8 mil e R$ 3,7 mil. Os auditores do TCE ainda consideraram que houve irregularidades na dispensa do processo licitação em decorrência do prefeito ter baseado "sua escolha exclusivamente nos preços apurados por meio dos orçamentos, não levando em consideração a capacidade da empresa em prestar o serviço", já que possuía apenas um veículo Uno Way em sua frota registrada na secretaria de Fazenda de Mato Grosso.

Para executar a prestação do serviço, a Ribeiro Serviços e Locações fez uma manobra descoberta no levantamento pelo TCE. "Houve irregularidade na subcontratação haja vista que não havia previsão no contrato 17/2013 e foram utilizados veículos de propriedade de terceiros e os motoristas não tinham vinculo empregatício junto a empresa contratada", assinala o documento que faz a citação do prefeito e secretários para explicar as falhas detectadas.

 



Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • JM | Quarta-Feira, 03 de Setembro de 2014, 16h12
    0
    0

    CORRIJAM \"CARRPOS\" PODE APAGAR O COMENTÁRIO POR FAVOR ABRAÇO

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS