10 de Dezembro de 2019,

Cidades

A | A

Segunda-Feira, 02 de Dezembro de 2019, 15h:59 | Atualizado:

IMPACTO SOCIAL

Privatização tira 100 famílias do aterro de Cuiabá

OAB-ATERRO.jpeg

 

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), por meio do secretário-geral Flávio José Ferreira, se reuniu com representantes dos trabalhadores do aterro sanitário de Cuiabá e da Prefeitura Municipal, a fim de saber como ficará a situação das mais de 100 famílias que tiram o sustento do local, que passará a ser operado pela iniciativa privada.

De acordo com o secretário-geral, que também é presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MT e vistoriou o aterro, a prefeitura já realizou um estudo para definir para onde essas famílias serão destinadas, mas é preciso saber as medidas concretas que serão tomadas.  

“A prefeitura fez a licitação e uma empresa vai assumir o aterro, mas lá tem mais de 100 famílias trabalhando, que sobrevivem do aterro, tiram o cotidiano delas de lá. Elas juntam todo o lixo que pode ser vendido e as empresas que fazem reciclagem compram deles lá. É uma situação de miserabilidade, muitos estão contaminados, o risco de morte é muito grande, mas eles tiram a sobrevivência deles de lá”, pontuou.

Ainda segundo Flávio Ferreira, nesta semana será realizada uma reunião entre a OAB-MT, o Ministério Público do Estado, o Ministério Público do Trabalho, a Prefeitura de Cuiabá e representantes dos trabalhadores do aterro. “Precisamos saber para onde serão conduzidas essas famílias”.

De acordo com a Prefeitura de Cuiabá, a empresa foi contratada para fazer a manutenção e operação do aterro sanitário com o intuito de cumprir a legislação ambiental e o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Estado.

Pelo contrato, dentre as ações que a empresa deverá executar, estão a implantação de um sistema de tratamento de efluentes, para o chorume gerado no local, bem como o isolamento da área, com mecanismos de segurança necessários para controle de entrada e saída. O aterro recebe cerca de 600 toneladas de resíduos sólidos por dia.

Também participaram da reunião realizada na OAB-MT, membros da Comissão de Direitos Humanos da Ordem.

 

Galeria de Fotos

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Euzébio | Segunda-Feira, 02 de Dezembro de 2019, 19h29
    1
    0

    Qual empresa? A matéria não cita. Só a título de transparência. Afinal quem teve há tempos esse projeto que hoje configurou plágio entende de modelos aplicados até exterior. Por favor Folhamax nós detalhe mais sobre isso. Agradecemos.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS